Velocidade Online

Mundial - Fórmula 1

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2018 - GP DA CHINA

Segunda, 23 Abril 2018 19:06 | Actualizado em Sábado, 19 Setembro 2020 01:07

Evento:  Grande Prémio da China (3º Round de 21)

Data:  Domingo, 15 de Abril

Local:  Shanghai International Circuit

Layout:  5,451 quilómetros, 16 curvas

Condições Climatéricas:  Sol

Temperatura do Ar:  18,8-20,2ºC

Temperatura da Pista:  32,9-39ºC

Vencedor:  Daniel Ricciardo da Red Bull

Haas F1 Team:  

●  Kevin Magnussen – arrancou de 11º, terminou em 10º (56/56 voltas)

●  Romain Grosjean – arrancou de 10º, terminou em 17º (56/56 voltas)

 

 

A Haas F1 Team terminou pela segunda vez consecutiva nos pontos, uma vez que Kevin Magnussen concluiu o Grande Prémio da China no décimo posto, ao passo que Romain Grosjean terminou a corrida do Shanghai International Circuit no décimo sétimo lugar.

 

O ponto conquistado por Magnussen reforçou o sétimo lugar da Haas F1 Team no Campeonato de Construtores, uma vez que incrementou a sua vantagem para nove pontos relativamente à Sauber, diminuindo igualmente a sua desvantagem para a sexta classificada, a Toro Rosso.

 

Magnussen arrancou de décimo primeiro para a corrida de cinquenta e seis voltas ao circuito de 5,451 quilómetros e dezasseis curvas. Empregou uma estratégia de uma paragem, trocando pneus Pirelli P Zero Amarelo/Macio com que arrancou para a prova por médios, estavam decorridas vinte e quatro voltas. A paragem nas boxes atirou Magnussen de sétimo para décimo, uma vez que na décima volta Brendon Hartley, da Toro Rosso, abriu a janela de troca pneus.

 

Um período de Safety-Car no início da trigésima segunda volta complicou ainda mais a situação, uma vez que permitiu a alguns pilotos entrar nas boxes e minimizar a perda tempo. Magnussen e Grosjean permaneceram em pista, melhorando as respectivas classificações, uma vez que Magnussen subiu a sétimo e Grosjean entrou nos dez primeiros. O aspecto menos positivo, porém significou que o duo da Haas F1 Team tinha pilotos atrás com pneus bastante mais frescos quando a corrida foi reassumida e a discrepância era aparente.

 

Nico Hulkenberg, da Renault, ultrapassou o Magnussen na trigésima quinta volta subindo a sétimo, enquanto Grosjean foi atacado pelo McLaren de Fernando Alonso e pelo Renault de Carlos Sainz Jr., caindo para fora dos dez primeiros.

 

Grosjean, com uma estratégia de duas paragens, entrou nas boxes quando estavam cumpridas dezasseis voltas, trocando pneus ultramacios por médios. Na quadragésima sexta voltou a parar, trocando os médios por ultramacios com pouco uso para o levar ao final. Grosjean saiu das boxes no vigésimo lugar, terminando em décimo sétimo.

 

Magnussen manteve o oitavo posto até à quadragésima oitava volta, quando tanto Alonso como Sainz o ultrapassaram. Magnussen conseguiu continuar no décimo posto e manter a distância para o décimo primeiro classificado, Esteban Ocon, cruzando a linha de meta com 4,456s de vantagem para o piloto da Force India.

 

Daniel Ricciardo, da Red Bull, venceu o Grande Prémio da China, deixando Valtteri Bottas, da Mercedes, a 8,894s. Este triunfo foi o sexto da carreira de Ricciardo como piloto de Fórmula 1 e o seu primeiro em Xangai.

 

A Fórmula 1 tem agora um fim-de-semana de folga, regressando à acção no Grande Prémio do Azerbaijão, que se disputa no Baku City Circuit no dia 29 de Abril, onde Ricciardo defenderá a sua vitória do ano passado.

 

 

Realizámos uma estratégia agressiva ao trocarmos ultramacios por médios. Infelizmente, o azar continuou a bafejar-me, dado que eu sabia que, aquando do Safety-Car no meio da corrida, - quando estava num longo stint com pneus médios – que não iriamos parar. Sabia que o recomeço seria difícil, e foi. Tentei manter o décimo primeiro lugar, mas os dois Force India passaram-me. Entrei nas boxes para outro jogo de ultramacios para as dez voltas finais. Foi positivo, dado que estavam quase novos, e o carro estava muito bom. Sabia que, com o Safety-Car, seria muito difícil.”

 

 

Tive azar com o Safety-Car. A nossa estratégia estava a começar a dar resultado, mas então surgiu o Safety-Car no momento errado. Não tirámos partido da estratégia. Não sei se deveríamos ter entrado nas boxes. Era uma escolha difícil. Penso que o Safety-Car surgiu num momento errado e significou que não pudemos marcar mais de um ponto. Ainda assim, é positivo, mas esperava um pouco mais. É uma temporada longa e esperamos continuar a marcar pontos. Estou orgulhoso da prestação de toda a equipa. Temos que continuar assim.”

 

 

Foi um dia duro. O Safety-Car destruiu a nossa corrida, como foi óbvio. Penso que estávamos a caminho de ficar em sétimo com o Kevin e oitavo ou nono com o Romain. Os Renault tiveram uma passagem pelas boxes de borla, logo acabámos onde acabámos. Depois do Safety-Car não conseguimos colocar os pneus à temperatura. O Kevin  lutou bastante para terminar em décimo e o Romain teve de trocar de pneus, uma vez que não os conseguia colocar na temperatura correcta. Foi um final de dia difícil, mas uma vez mais, mostrámos que podemos lutar pelas posições pelas quais lutámos nas duas últimas corridas. Penso que, em alguns locais, poderemos ser os melhores do segundo pelotão. Vamos com uma atitude positiva para Baku e tentar fazer lá o que fizemos nas três primeiras corridas.”

 

 

O quarto round do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 é o Grande Prémio do Azerbaijão e disputa-se no Baku City Circuit. Os treinos-livres iniciam-se no dia 27 de Abril, a qualificação realiza-se no dia 28 e a corrida terá o seu arranque a 29.

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal. 


Facebook
Facebook
Visitas
Visitantes em linha
contador gratuito de visitas Total de visitas
Contacte-nos