Velocidade Online

Mundial - Fórmula 1

CAMPEONATO MUNDO DE FÓRMULA1 - 2018 - A HAAS NO GP DA HUNGRIA

Segunda, 30 Julho 2018 19:13 | Actualizado em Quarta, 16 Setembro 2020 15:39

A Exigência Húngara

Haas F1 Team Continua à Procura de Pontos

 

 – Uma questão: para além da Scuderia Ferrari, Mercedes e Red Bull, que equipa marcou mais pontos nas últimas cinco corridas? Resposta: a Haas F1 Team.

 

A organização americana, apenas no seu terceiro ano a competir no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, marcou quarenta pontos nas últimas quatro corridas, mais do que qualquer outra do meio do pelotão desde o Grande Prémio do Canadá, que se realizou a 10 de Junho – uma série de cinco corridas.

 

Muito embora a Haas F1 Team não tenha marcado qualquer ponto na sua visita a Montreal, apresentou uma evolução significativa para o seu carro. Uma nova asa dianteira e um novel fundo plano, juntamente com derivas laterais revistas para os Haas VF-18 de Romain Grosjean e Kevin Magnussen foram estreadas. Em vez de pontos, a Haas F1 Team encontrou potencial, uma vez que tanto Grosjean como Magnussen ficaram entusiasmados com a forma como estas evoluções melhoraram o carro em pistas de potência, o tipo de pistas que verificámos nos Grandes Prémios de França, Áustria, Grã-Bretanha e Alemanha.

 

A intuição deles revelou-se acertada. Ambos chegaram à Q3 em cada uma das qualificações destes Grandes Prémios, dado que ambos se mostraram rápidos nas corridas, ainda que com diferentes resultados. Magnussen marcou os primeiros pontos em França, com um sexto posto, que foi um preludio para o melhor resultado da Haas F1 Team até ao momento – a classificação de ambos os carros nos pontos, na Áustria, tendo Grosjean terminado em quarto e Magnussen em quinto. Magnussen terminou em nono, na semana seguinte em Silverstone, marcando mais dois pontos, ao passo que Grosjean subiu de décimo a sexto nas derradeiras dez voltas na corrida mais recente da temporada, que se realizou na Alemanha, somando mais oito pontos.

 

Os derradeiro resultado ofereceu mais que pontos, contudo. Havia a preocupação de que as curvas apertadas de Hockenheimring provassem ser problemáticas para o Haas VF-18, dado que está mais à-vontade nas curvas rápidas. Mas logo nos treinos-livres de sexta-feira, Grosjean e Magnussen perceberam que tinham em Hockenheim a performance que tinham evidenciando em França, Áustria e Inglaterra. A curvas compactas de Hockenheimring, especialmente a secção do Estádio, não comprometeram a performance dos Haas VF-18.

 

Isso foi positivo por motivos óbvios, mas também ofereceu à Haas F1 Team a confiança para o Grande Prémio da Hungria, que se realiza no domingo. O circuito sinuoso de Hungaroring, com 4,381 quilómetros e catorze curvas, é comparado pelos pilotos a uma pista de karting. É o circuito permanente mais lento da Fórmula 1, por oposição aos circuitos de potência recentes.

 

Devagar, contudo, não significa que seja fácil. Apesar de uma velocidade média de 200Km/h, menos 35Km/h que a velocidade média numa volta a Silverstone, Hungaroring exige precisão em preservação. É uma pista física, muito exigente para os pilotos, que por seu turno, exigem muito dos seus carros.

 

A Haas F1 Team exige muito de si e a recompensa surgiu nos recentes resultados nos pontos. Para o Grande Prémio da Hungria a Haas continua exigente.

Hungaroring


Facebook
Facebook
Visitas
Visitantes em linha
contador gratuito de visitas Total de visitas
Contacte-nos