In order to view this object you need Flash Player 9+ support!

Get Adobe Flash player
Joomla! Slideshow

VELO CAB2012


SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

BRITISH GRAND PRIX QUALIFYING
 
QUALIFYING STARTS IN MIXED CONDITIONS ON INTERMEDIATE TYRE AND ENDS ON SUPERSOFT: LEWIS HAMILTON FASTEST
 
ALTERNATIVE STRATEGY ADOPTED BY VALTTERI BOTTAS: THE ONLY DRIVER IN TOP 10 TO SET FASTEST Q2 TIME ON SOFT
 
STRATEGY WILL DEPEND ON WEATHER CONDITIONS  BUT A MIXTURE OF ONE AND TWO PIT STOPS ARE POSSIBLE

  a372 Copy Mixed conditions characterised qualifying at Silverstone, with the session starting on the intermediate tyre and the track then progressively drying out. Practically all the drivers used the intermediate tyre throughout Q1, but a notable exception was McLaren’s Fernando Alonso, who put the supersoft on in the very closing stages of Q1 to go fastest. The supersoft was used by most drivers for the rest of qualifying, but Mercedes driver Valtteri Bottas – who faces a five-place grid penalty tomorrow – took the strategic decision to set his fastest time in Q2 on the soft.  His team mate Lewis Hamilton took an extraordinary pole on the supersoft at the very end of Q3, his time of 1m26.600s (the fastest of the weekend) being more than 2.5 seconds faster than his pole of last year and more than half a second quicker than any other driver.
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “Strategically, the biggest interest in qualifying was from Valtteri Bottas’s decision to run the soft in Q2 in order to have the option to run a different race strategy. This means that he should be able to run a longer first stint than his direct rivals tomorrow and make up track position. With track temperatures rarely above 20 degrees centigrade today and some rain dampening the track at the start of the session, the tyres faced a tough task to generate grip and heat. Nonetheless, Hamilton set an extraordinary lap that once again lowered the record for the current configuration at Silverstone. Pit strategy tomorrow could range between one and two stops, depending on the degradation rate of the supersoft.”
 
HOW THE TYRES BEHAVED TODAY
        Used at the end of FP3 and in Q1 but not afterwards. The main tyre used in qualifying, about 0.7s faster than soft. The wild card in qualifying, used by Bottas in Q2. Only used for a few runs today in FP3.    
 
 
 
 
 
 
 
 
 
FREE PRACTICE 3 – TOP 3 TIMES
 
 
 
QUALIFYING TOP 10
 
 
 
MOST LAPS BY COMPOUND SO FAR
 
 
 
 
 
DRIVER TIME COMPOUND
Hamilton 1m28.063s SUPERSOFT  NEW
Vettel 1m28.095s SUPERSOFT  NEW
Bottas 1m28.137s SUPERSOFT  NEW
DRIVER TIME COMPOUND
Hamilton 1m26.600s SUPERSOFT  NEW
Raikkonen 1m27.147s SUPERSOFT  NEW
Vettel 1m27.356s SUPERSOFT NEW
Bottas 1m27.376s SUPERSOFT  NEW
Verstappen 1m28.130s SUPERSOFT  NEW
Hulkenberg 1m28.856s SUPERSOFT  NEW
Perez 1m28.902s SUPERSOFT  NEW
Ocon 1m29.074s SUPERSOFT  NEW
Vandoorne 1m29.418s SUPERSOFT  NEW
Grosjean 1m29.549s SUPERSOFT  NEW
COMPOUND DRIVER LAPS
MEDIUM Ocon 20
SOFT Stroll 27
SUPERSOFT Sainz  24
INTERMEDIATE Hamilton 9
 
 
 
 
 
BEST TIME BY COMPOUND SO FAR
 
 
 
 
 

 
 
 
COMPOUND DRIVER TIME
MEDIUM Bottas 1m30.285s
SOFT Hamilton 1m28.543s
SUPERSOFT Hamilton 1m26.600s
INTERMEDIATE Verstappen 1m38.912s
The

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

BRITISH GRAND PRIX PRACTICE SESSIONS
 
FASTEST-EVER LAPS OF SILVERSTONE IN CURRENT CONFIGURATION,  WITH CORNERING FORCES HIGHER THAN 5G
 
MERCEDES DRIVER VALTTERI BOTTAS GOES FASTEST IN FP2 ON SUPERSOFT WITH A TIME ALREADY QUICKER THAN LAST YEAR’S POLE
 
A WIDE RANGE OF TYRES SELECTED AND MANY RACE STRATEGIES POSSIBLE, AS UNCERTAIN WEATHER ALSO SHAKES UP THE ORDER 
 
a371 Copy– The first day of Silverstone with the 2017 generation of cars, featuring extra downforce and wider tyres, resulted in performance never seen before at the current Silverstone circuit, with cars, drivers and tyres subjected to maximum lateral loads of more than 5g and speeds well over 280kph through Copse Corner.
 
Mercedes driver Valtteri Bottas ensured that the P Zero Red supersoft set fastest time in FP2 on its Silverstone race debut, beating the fastest lap of the weekend last year (set in Q2) by more than 0.7 seconds.
 
The teams selected a number of quite different tyre choices heading into this event, so the programme today – assessing wear and degradation on each compound with differing fuel loads – was vital in working out which tyres they wanted to give back, as per the current regulations, and which to keep for qualifying and the race.
 
Conditions remained cool and overcast, with ambient temperatures never exceeding 18 degrees centigrade and asphalt in the region of 24 degrees centigrade. Weather of this type is expected to remain for the rest of the weekend, with rain possible as well.
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “Although the teams chose some quite different allocations of tyres before the race, as they all discard certain sets in accordance with the regulations, it's likely that they will end up with selections that are quite similar for qualifying and the race. One thing we have definitely seen already is that the speeds and therefore loads on the tyres are unprecedented this year. This is exactly as we would expect from all the high-energy tracks this season, because of the increased downforce and wider tyres. Despite these extra demands, the supersoft made its very first grand prix weekend appearance at Silverstone and set the record-breaking time with Bottas. So far, this compound is around 0.7 seconds per lap faster than the soft. If the weather remains dry tomorrow – which is definitely a question mark – we can expect the benchmark to be lowered even futher in qualifying.”
 
FREE PRACTICE 1 – TOP 3 TIMES
 
DRIVER TIME COMPOUND
Bottas 1m29.106s SOFT NEW
Hamilton 1m29.184s SOFT USED
Verstappen 1m29.604s SUPERSOFT NEW
 
 
 
 
 
 
 
FREE PRACTICE 2 – TOP 3 TIMES
 
 
 
FP1 - BEST TIME BY COMPOUND 
 
 
 
FP2 - BEST TIME BY COMPOUND 
 
 
 
MOST LAPS BY COMPOUND SO FAR
 
 
 
 
DRIVER TIME COMPOUND
Bottas 1m28.496s SUPERSOFT NEW
Hamilton 1m28.543s SOFT NEW
Raikkonen 1m28.828s SUPERSOFT NEW
COMPOUND DRIVER TIME
MEDIUM Perez 1m32.023s
SOFT Bottas 1m29.106s
SUPERSOFT Verstappen 1m29.604s
COMPOUND DRIVER TIME
MEDIUM Bottas 1m30.285s
SOFT Hamilton 1m28.543s
SUPERSOFT Bottas 1m28.496s
COMPOUND DRIVER LAPS
MEDIUM Ocon 20
SOFT Stroll 27
SUPERSOFT Sainz 24
 
 
 
 
 
TYRE STATISTICS OF THE DAY
 
 
* The above number gives the total amount of kilometres driven in FP1 and FP2 today, all drivers combined. ** Per compound, all drivers combined.
 
 
MINIMUM PRESCRIBED TYRE PRESSURES
 
 
22.5 psi (front) – 20.5 psi (rear)

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

PIRELLI ANNOUNCES COMPOUND CHOICES AND MANDATORY SETS FOR THE 2017 MEXICO GRAND PRIX
 
- Pirelli announces the following compounds for the eighteenth round of the 2017 Formula One season (October 27-29).
 
 
 
 
(1) Each driver must save for Q3 one set of the softest of the three nominated compounds. This set will be given back to Pirelli after Q3 for those who qualify in the top 10, but the remaining drivers will keep it for the race – as is the case currently.
 
(2) Each driver must have both these sets available for the race and must use at least one of them.
 
The Teams are free to choose the remaining 10 sets, thus making up 13 sets in total for the weekend.
 
 
THE TYRES NOMINATED SO FAR*
 
    Qualify1    Race2   
      Australia      China      Bahrain      Russia      Spain      Monaco      Canada      Azerbaijan      Austria      Great Britain      Hungary     
 
 
 
 
 
(*) The regulations mean that the tyre sets choice for the long-haul events has to be made by the teams 14 weeks in advance, whereas for the European races the deadline is 8 weeks in advance.
 
 

 

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

BRITISH GRAND PRIX PREVIEW Round 10 of 20 Silverstone, 14-16 July 2017

  a352 Copy The British Grand Prix, which marks the halfway point of the season, will feature the P Zero White medium, P Zero Yellow soft, and P Zero Red supersoft tyres: a change to the original nomination of hard, medium and soft. This change was made as a result of the information gained from previous races, and it marks the first time that the supersoft has been seen at the British Grand Prix. Silverstone is well-known for placing heavy demands on tyres, thanks to quite an abrasive surface and plenty of high-speed corners that put a lot of energy through the tyres. With it being a home race for so many of the teams, there’s always a unique atmosphere at Silverstone thanks also to the passionate and knowledgeable British fans.
 
THE THREE NOMINATED COMPOUNDS
  
 
THE CIRCUIT FROM A TYRE POINT OF VIEW
 
 
 Silverstone is all about lateral energy, thanks to high-speed corners like Becketts.  With a softer tyre selection than ever seen before, more than one pit stop is likely.  British weather is famously variable: anything from sunshine to rain is possible.  The abrasive surface offers high levels of grip, which takes even more out of the tyres.  The straights are generally short, so the cars run reasonably high downforce levels.  Track is intensively used during the year, so the surface tends to rubber in quite quickly.  Logistically, it’s an easy race: Pirelli’s Didcot motorsport facility is only 30 minutes away.
 
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “The decision to bring softer tyres to Silverstone than we had originally planned was taken by Pirelli, but with the full approval of the drivers, FIA, teams and promoters, who have appreciated what we are trying to do with this more aggressive nomination. This should open up extra possibilities for different strategies and push teams towards more
 
 
 
 
than one pit stop, although we’ll obviously have a better idea of exact wear and degradation rates when we get there, especially with the supersoft that makes its Silverstone race debut. With Silverstone being among the most demanding tracks for tyres of the entire season, it will be interesting to see how one of the softest tyres in the 2017 range performs there. A lot will depend on the weather: in the past, we’ve seen an extremely wide range of conditions and temperatures”.
 
WHAT’S NEW?     With an extremely busy schedule, the track action begins on Thursday, with Formula 2 and GP3 practice. This should lay more rubber on the track for F1 practice on Friday.  Reigning world champion Nico Rosberg was reunited with his 2014 Mercedes W05 in England, at the Goodwood Festival of Speed. Valtteri Bottas also drove the car.  Pirelli’s 2018 testing campaign resumes after the British Grand Prix, with Force India and Williams driving prototype tyres in a blind test with slick tyres on Tuesday and Wednesday.
 
SILVERSTONE MINIMUM STARTING PRESSURES (SLICKS)
 
 
22.5 psi (front) – 20.5 psi (rear)
 
EOS  CAMBER LIMIT
 
 
-3.25° (front) | -2.00° (rear)
 
THE TYRES NOMINATED THIS SEASON
 
       
 
 
 
 
 
 
 
 

 

FÓRMULA E EM NOVA YORK

 

Pole position for my debut Formula E race!... I thoroughly enjoyed it and hope I can join the grid again..."

Alex Lynn – New York Formula E review

 

Pole position for my debut Formula E race! What more can I say? That was a fantastic feeling, and although things didn't go my way in the races because of technical problems, that's an inevitable part of such a high-tech series where everyone's pushing the barriers on what's possible on electric cars.

We had a shakedown on the Friday evening in the teeming rain, which was everyone's first ever taste of the brand-new New York street circuit. You're only allowed six laps in total and you have to drive both cars, but I was fastest in that. And although that doesn't seem a very significant session, it set my confidence ball rolling.

As soon as we hit the track for real on Saturday morning I felt very comfortable with my DS Virgin cars. I topped free practice in the damp first session, which was very good, and everything went really well from the start. In the second session we stuck to our programme and our pace was good despite traffic. Going into qualifying I was confident because I knew I had the car underneath me, and what ensued was quite nice…

There are 20 drivers in Formula E and they're split into four groups of five for the first round of qualifying, and the fastest five overall move into the Superpole, where everything is reset and you start from scratch – just like Q3 in Formula 1. You've got to do a pretty mega lap to get through to Superpole, and I felt confident in the car, the track, everything. I just let it flow, and certainly qualifying this year has been a strong point for me.

I got through to Superpole, and I didn't really feel any pressure because of all the preparation we'd done. I had such a good feeling with the car, the team and the engineers. To everyone outside the team it was a shock that I even got into Superpole on my debut, and I thought I should be OK; I just thought I'd go out and do my best: what will come will come. But I have to admit I didn't expect pole position!

The only annoying thing about that was that pole in New York was not only off the racing line, but on the outside. So I was on the dirty side of the track and I kind of knew I'd lose the lead. That happened, and Daniel Abt got in front, but I was a strong second for a while with my team-mate Sam Bird behind me. I knew Sam was quick so it made no sense to overdefend when he's fighting for a strong championship position; it wasn't my job to block him so I let him go.

After that I had an overheating battery that was affecting performance. Because of that I'd dropped to seventh by the time I came in for my car swap. At that point I jumped up to fifth and I really think fourth was possible, which would have been a great result, but unfortunately I had a driveshaft snap on the second car and that put me out of the race, which was a shame.

We had more issues on Sunday morning, which meant I only got half the free practice session, and with the track rubbering in it was crucial to get as much time out there as possible. That put me at a disadvantage for qualifying, and I ended up 15th on the grid.

Sunday's race was one of the longest in Formula E history, so I knew energy conservation was paramount and we thought we'd be clever. I was settling into the race when we had a system failure that put me out. But at that point I had 3-4% per cent of energy in hand over the five cars in front so I think we could have finished seventh or eighth, and I'd have been happy with that – just as I'd have been happy with fourth on Saturday.

It was a shame, but that's part and parcel of motor racing. I have to congratulate my DS Virgin team-mate Sam Bird for winning both races, and I would love to stay in Formula E – it's such a cool championship. I thoroughly enjoyed it and I hope I can join the grid again!

 

 

 

Spacesuit-Media-Lou-Johnson-NY-ePrix-1492

Alex on track with the Manhattan skyline in the background

Spacesuit-Media-Shivraj-Gohil-FIA-Formula-E-New-York-eprix-2017-5D4 1491

Alex with Virgin Group founder Sir Richard Branson and team principal Alex Tai

Spacesuit-Media-Andy-Clary-2017-FE NewYork-1989

Alex leads team-mate Sam Bird, who went on to win both races

Spacesuit-Media-Shivraj-Gohil-FIA-Formula-E-New-York-eprix-2017-5D3 0645

Alex was quick from the start including topping the wet shakedown session

 

COSWORTH PODE VOLTAR À FÓRMULA 1

Segundo  a informação do site www.motorsport.com,  esta sigla está a preparar-se para voltar à Fórmula 1. Quem mais se seguirá?

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

AUSTRIAN GRAND PRIX RACE – INFOGRAPHICS

alt

alt

 

40 ANOS NA F 1 PARA A RENAULT

 

Renault: 40 Anos na Fórmula 1 | Os primeiros títulos

 

Entre alegrias e algumas tristezas, a segunda década da história da Renault na F1 é, sobretudo, marcada pela entrada no muito restrito número de fabricantes com o estatuto de Campeões do Mundo. Só entre 1988 e 1997, a Renault conquistou 10 títulos (pilotos e construtores) e 74 vitórias em Grandes Prémios, com pilotos como Alain Prost, Damon Hill, Jacques Villeneuve, Michael Schumacher e Nigel Mansell.

a313 Copya314 Copya315 Copy

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

AUSTRIAN GRAND PRIX RACE
 
VALTTERI BOTTAS WINS FROM POLE USING A ONE-STOP  ULTRASOFT-SUPERSOFT STRATEGY
 
ALL THREE TYRE COMPOUNDS SEEN ON THE STARTING GRID:  HAMILTON MAKES UP FOUR PLACES AFTER STARTING ON SUPERSOFT
 
SOME BLISTERING SEEN DURING THE RACE  BUT THIS DID NOT AFFECT PERFORMANCE
 
 
 Mercedes driver Valtteri Bottas won his second race of the season with a one-stop strategy at the Red Bull Ring, having started from pole on the ultrasoft and then switching to the supersoft. A number of different one-stop strategies were tried, with all three nominated compounds (soft, supersoft and ultrasoft) seen on the starting grid. In particular, Mercedes driver Lewis Hamilton started from P8 due to a grid penalty and moved from the supersoft to the ultrasoft to make up four places by the end of the race. Both Felipe Massa, driving for Williams, and Renault’s Jolyon Palmer adopted an alternative strategy by starting on soft and going onto ultrasoft, to also make up a few places from their grid positions. With a short lap featuring very few corners and none of the expected rain, the fastest average lap speeds of the entire season so far were seen in Austria this weekend. This was one of the factors that led to some visible blistering in some moments of the race; however, this did not impact on performance as it was seen by their lap times.
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “With some very fast average speeds and no rain, there was a bit of blistering but this did not affect performance – with the fastest laps being set at the end of the race. Although one stop was the standard choice, there were many different variations on the one-stop strategy, with a few drivers trying something different to make up places. On the whole, the strategy options were quite aggressive throughout the field, with some long runs even on the ultrasoft. This underlines the confidence that the teams have both in the speed and durability of the tyre range.”
 
BEST TIME BY COMPOUND
 
 
 
 
 
 
 
   Hulkenberg 1m 09.043s Ricciardo 1m07.442s Hamilton 1m 07.411s Massa 1m09.394s Raikkonen 1m07.486s Kvyat 1m08.061s Kvyat 1m09.749s Vettel 1m07.496s Massa 1m08.419s
 
 
 
 
LONGEST STINT OF THE RACE
 
 
 
TRUTHOMETER Valtteri Bottas won the race using one pit stop, going from ultrasoft to supersoft on lap 42. The theoretically fastest strategy was adopted by Lewis Hamilton, who started on supersoft then moved to ultrasoft.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
COMPOUND DRIVER LAPS
SOFT Hulkenberg 56
SUPERSOFT Vandoorne 39
ULTRASOFT Raikkonen 44
 
 
 
 
SPIELBERG PIT STOP SUMMARY
Car Driver  Start Pit 1  Pit 2   Pit 3   
77 BOT  USu SSn (41)  
5 VET  USu SSn (34)  
3 RIC  USu SSn (33)  
44 HAM  SSu USn (31)  
7 RAI  USu SSn (44)  
8 GRO  USu SSn (36)  
11 PER  USu SSn (35)  
31 OCO  USu SSn (42)  
19 MAS  Sn USn (47)  
18 STR  SSn USn (35)  
30 PAL  Sn USn (34)  
2 VAN  USn SSn (31) SSu (44)DT 
27 HUL  SSn Sn (14)  
94 WEH  SSn USn (35)  
9 ERI  USn SSn (34)  
26 KVY  USn Sn (1)  Su (9)DT USu (55)
55 SAI  USu SSn (40)  
20 MAG  SSn   
14 ALO  USn   
33 VER  Usu
 
S= Soft  SS= Supersoft  US= Ultrasoft  n=  new  u= used  
DT=Drive through
 
 

 

FÓRMULA E EM NOVA YORK

 

Prova mais longa do que a que foi disputada no sábado comprometeu a disputa por posições neste domingo (16). Ainda assim, brasileiro da ABT Schaeffler Audi Sport saiu em nono para terminar na quinta posição

Lucas di Grassi somou 22 pontos no final de semana que marcou a estreia da Fórmula E em Nova York e diminuiu de 32 para apenas 10 pontos a desvantagem em relação ao líder do campeonato, Sébastien Buemi. O quarto e o quinto lugares conquistados neste sábado e domingo no bairro do Brooklyn deixam o brasileiro com boas chances de lutar pelo título na rodada dupla final que acontece em Montreal, no Canadá, daqui a duas semanas, em 29 e 30 de julho.

As vitórias no final de semana nova-iorquino ficaram com o britânico Sam Bird, da DS Virgin Racing. As corridas tiveram 43 e 49 voltas, respectivamente, comprometendo um pouco a disputa por posições na segunda prova em virtude da maior necessidade de se economizar energia, especialmente sem nenhuma intervenção do safety car – apenas dois períodos curtos de bandeira amarela ocorreram.

Di Grassi, que lutou para encontrar o melhor acerto de seu carro, fez o possível, ganhou posições e pontos importantes. Situação que lhe coloca com possibilidades de disputa pelo campeonato. “Nosso carro não esteve bom neste final de semana, com estas condições de pista e temperatura mais altas, e por isso não conseguimos acertar. Isso se refletiu de maneira bem clara sobretudo nos treinos de classificação, e largando para trás a missão fica mais difícil”, diagnosticou.

Lucas lembrou, no entanto, da subida de desempenho dos carros da DS Virgin e da Mahindra. As duas equipes foram o destaque as corridas em Nova York. “Mesmo largando na frente, não tínhamos a mesma velocidade da Virgin e da Mahindra. Agora vamos trabalhar para tentar entender porque não conseguimos atingir o potencial esperado”, afirmou.

“Então, os 22 pontos conquistados aqui em Nova York foram o máximo que pudemos fazer. Fizemos o possível com um carro que não estava rápido. De qualquer forma, partimos para Montreal dez pontos atrás do Buemi. O campeonato continua completamente aberto, com 58 pontos em jogo na final. Vai ser muito difícil, mas vamos para o tudo ou nada, dando 100% do nosso potencial”, conclui o piloto da Audi.

ePrix de Nova York – Corrida 1 – Resultado (Top-5):
1. Sam Bird (DS Virgin Racing) – 49 voltas
2. Felix Rosenqvist (Mahindra) – a 11s381
3. Nick Heidfeld (Mahindra) – a 12s319
4. Pierre Gasly (Renault e.Dams) – a 12s355
5. Lucas di Grassi (ABT Schaeffler Audi Sport) – a 23s451

Classificação do Campeonato (Top-5):
1. Sébastien Buemi – 157 pontos
2. Lucas di Grassi – 147
3. Felix Rosenqvist – 104
4. Sam Bird - 100
5. Nicolas Prost – 84

Lucas Di Grassi é patrocinado por Qualcomm, Aethra, KNM, Oris Watches, BlueFox e Mumm

 

FÓRMULA E EM NOVA YORK

 

Fox Sports transmite etapa da Fórmula E em Nova York a partir das 14 horas

Lucas di Grassi foi o quarto colocado na prova deste sábado (15). O fim de semana é de rodada dupla na "Big Apple", com a segunda corrida sendo disputada também neste domingo (16)

A penúltima etapa da temporada 2016-2017 da Fórmula E começou neste sábado (15) com a disputa da primeira de duas corridas programadas para o final de semana, vencida pelo britânico Sam Bird, da DS Virgin Racing. O brasileiro Lucas di Grassi, da ABT Schaeffler Audi Sport, foi o quarto colocado após ter largado da décima posição.

O fim de semana em Nova York é de rodada dupla - assim como será a final em Montreal, no Canadá, dentro de duas semanas - e a segunda corrida acontece neste domingo (16) a partir das 14 horas (de Brasília).

No Brasil, o canal Fox Sports transmite o treino classificatório e a corrida ao vivo. A sessão que define o grid de largada será realizada às 10 horas, com a transmissão do canal se iniciando às 9h30. 

Às 14 horas, o Fox Sports transmite a corrida, de 49 voltas, ao vivo.

LUCAS DI GRASSI - “Amanhã é um dia completamente novo, com uma corrida muito mais longa, com seis voltas a mais. Então a gente vai ter que melhorar o carro um pouco mais – ainda não estávamos no nosso melhor em termos de velocidade -, e tentar conquistar mais pontos do que fizemos hoje. Por isso o trabalho de amanhã vai ser para vencer ou terminar no pódio, o que seria ótimo. De qualquer forma, o trabalho de hoje foi feito; a equipe está de parabéns, todos fizeram o possível. Agora vamos levantar a cabeça e partir com todo o foco para amanhã”, conclui o piloto da ABT Schaeffler Audi Sport.


ePrix de Nova York – Corrida 1 – Resultado (Top-5):
1. 2 Sam Bird (DS Virgin Racing) – 43 voltas
2. 25 Jean-Eric Vergne (Techeetah) – a 1s354
3. 33 Stéphane Sarrazin (Techeetah) – a 4s392
4. 11 Lucas di Grassi (ABT Schaeffler Audi Sport) – a 6s155
5. 6 Loïc Duval (Faraday Future Dragon Racing) – a 8s428

Classificação do Campeonato (Top-5):
1. Sébastien Buemi – 157 pontos
2. Lucas di Grassi – 137
3. Felix Rosenqvist – 86
4. Nicolas Prost – 76
5. Sam Bird - 72


Lucas Di Grassi é patrocinado por Qualcomm, Aethra, KNM, Oris Watches, BlueFox e Mumm

Vote em Lucas di Grassi no FANBOOST da Fórmula E:  http://fanboost.fiaformulae.com/

NOVO SITE OFICIAL Lucas di Grassi: www.lucasdigrassi.com.br

Curta Lucas di Grassi no Facebook:
http://www.facebook.com/lucasdigrassiofficial

Siga Lucas di Grassi no Twitter: @lucasdigrassi

E também no Instagram: @lucasdigrassi

 

Fox Sports transmite Fórmula E ao vivo neste domingo às 14 horas (de Brasília) (Audi Sport)

Fox Sports transmite Fórmula E ao vivo neste domingo às 14 horas (de Brasília) (Audi Sport)
Alta  | Web

Lucas di Grassi foi o quarto colocado na prova deste sábado em Nova York (Audi Sport)

Lucas di Grassi foi o quarto colocado na prova deste sábado em Nova York (Audi Sport)
Alta  | Web

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

2017 Austrian Grand Prix – Sets available for the race – Infographics

alt

 

FÓRMULA E EM NOVA YORK

 

Depois de um começo complicado de treinos em Nova York, Di Grassi largou em décimo lugar, fez corrida com frieza para terminar na quarta posição para somar mais 12 pontos em sua campanha. Neste domingo (16) acontece a segunda prova

A Fórmula E estreou nas ruas de Nova York com a primeira prova do final de semana na tarde deste sábado (15). A abertura da penúltima etapa da temporada teve a vitória do britânico Sam Bird, da DS Virgin Racing. Lucas di Grassi, depois de largar da décima posição, somou 12 pontos ao fazer excelente prova de recuperação para chegar em quarto lugar – a um passo do que seria seu sétimo pódio da temporada. A dupla 100% francesa da Techeetah, formada por Jean-Eric Vergne e Stéphane Sarrazin completaram os três primeiros de uma corrida extremamente disputada pelos apertados 1.953 metros do traçado nova-iorquino.

“Largamos em décimo depois de uma classificação difícil. Tivemos de trocar a bateria do carro com o qual eu iria me classificar, e acabei tendo de ir para a sessão com o outro carro, e acabou não saindo muito bem, porque ainda fui atrapalhado na minha melhor volta por uma bandeira amarela, e tive de reduzir a velocidade”, contou o brasileiro, sabendo que teria de fazer uma corrida cerebral para somar o maior número possível de pontos.

Apesar de apertado, o circuito oferecia pontos de ultrapassagem. “Na corrida foi uma briga muito grande na largada e também na prova toda, com muitas disputas. Terminar em quarto foi excelente. São mais 12 pontos na conta. Era o que precisávamos ter feito hoje”, afirmou Lucas, que diminui para 20 pontos sua desvantagem em relação a Sébastien Buemi, da e.Dams, líder do campeonato – 157 a 137.

Neste domingo (16), a categoria dos carros elétricos tem mais uma batalha na “Big Apple”. Novos treinos livres, classificação e uma corrida com seis voltas a mais do que a realizada hoje – serão 49 voltas em vez das 43 completadas neste sábado.

“Amanhã é um dia completamente novo, com uma corrida muito mais longa, com seis voltas a mais. Então a gente vai ter que melhorar o carro um pouco mais – ainda não estávamos no nosso melhor em termos de velocidade -, e tentar conquistar mais pontos do que fizemos hoje. Por isso o trabalho de amanhã vai ser para vencer ou terminar no pódio, o que seria ótimo. De qualquer forma, o trabalho de hoje foi feito; a equipe está de parabéns, todos fizeram o possível. Agora vamos levantar a cabeça e partir com todo o foco para amanhã”, conclui o piloto da ABT Schaeffler Audi Sport.

O canal Fox Sports exibe a prova também ao vivo neste domingo. A programação se inicia com a exibição da classificação às 9h30 e logo depois, às 11, o canal mostra a reprise da primeira corrida; a partir das 16h30, o Fox Sports começa a transmissão da corrida 2, que tem largada às 17 horas (de Brasília).

ePrix de Nova York – Corrida 1 – Resultado (Top-5):
1. 2 Sam Bird (DS Virgin Racing) – 43 voltas
2. 25 Jean-Eric Vergne (Techeetah) – a 1s354
3. 33 Stéphane Sarrazin (Techeetah) – a 4s392
4. 11 Lucas di Grassi (ABT Schaeffler Audi Sport) – a 6s155
5. 6 Loïc Duval (Faraday Future Dragon Racing) – a 8s428

Classificação do Campeonato (Top-5):
1. Sébastien Buemi – 157 pontos
2. Lucas di Grassi – 137
3. Felix Rosenqvist – 86
4. Nicolas Prost – 76
5. Sam Bird - 72

 

 

FÓRMULA E EM NOVA YORK

FANTÁSTICA DUPLA VITÓRIA DE SAM BIRD E DA DS VIRGIN RACING NO ePRIX DE NOVA IORQUE 
 
 O piloto britânico alcançou uma dupla vitória no ePrix de Nova Iorque, cidade que foi pela primeira vez palco de uma jornada do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula E.   Fazendo também a sua estreia em competições, o seu companheiro de equipa Alex Lynn obteve uma fantástica pole-position para a Corrida 1.  Com o acumulado pontual obtido no fim de semana, Sam Bird assume-se como potencial candidato ao título, em vésperas da última jornada – de novo um encontro com duas corridas, a realizar em Montreal a 29 e 30 de julho.  A dupla vitória garantiu, igualmente, à DS Virgin Racing o maior pecúlio de pontos de sempre.  Novo Piloto de Reserva da equipa, Sir Richard Branson juntou-se às celebrações.  Na noite de sábado, o Empire State Building iluminou-se com as cores da DS Virgin Racing.
 
 
Sam Bird, piloto da DS Virgin Racing, fez história ao tornar-se no primeiro vencedor de sempre de uma corrida realizada em Nova Iorque, no culminar da Corrida 1 do ePrix reservado a monolugares elétricos da Fórmula E, realizada no passado sábado. O britânico conquistou a vitória após uma corrida sem erros e depois de partir da 4ª posição da grelha. Não contente com o feito da véspera, alcançado frente a um vasto público que esgotou, por completo, as bancadas em redor do traçado de Brooklin, Sam Bird voltaria a guardar para si o 1º lugar na Corrida 2 do passado fim de semana que se tornou, assim, histórico para a DS Virgin Racing. Com esse duplo
 
 
 
 
 
 
 
 
feito, não só Bird se assume como candidato do título da época 2016/2017 do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula E, como contribuiu para o maior lote de pontos de sempre alcançado pela sua equipa.
Depois de no sábado a pole-position ter ficado para o estreante Alex Lynn, o até aqui piloto de testes da equipa DS Virgin Racing, que fez, em Nova Iorque, a sua estreia em competições, para a Corrida 2 de domingo essa honra coube ao vencedor da Corrida 1, Sam Bird. Contando ao seu lado com Lynn, a equipa ocupou, igualmente em estreia, toda a primeira linha de partida, deliciando os fãs presentes em Brooklyn. 
Resumo da Corrida 1 (sábado) 
Saindo da 4ª posição da grelha de partida, Sam Bird rapidamente subiu na classificação nas voltas iniciais, antes de fazer uma grande ultrapassagem pelo interior do gancho, roubando a liderança a Daniel Abt. Uma paragem muito precisa nas boxes permitiu-lhe manter a liderança e controlar a diferença para os adversários mais diretos. O breve período em que o Safety Car esteve em pista significou menos duas voltas na corrida, tendo Bird feito um reinício perfeito, até receber a bandeira de xadrez e um lugar nos compêndios da história da Fórmula E.
Já para o estreante Alex Lynn, piloto que aqui substituiu o ausente oficial José María López, a corrida revelou-se agridoce. Mostrando um ritmo impressionante logo desde o início do fim de semana, o jovem de 23 anos ritmo encabeçou a tabela de tempos logo na primeira sessão de treinos, antes de reivindicar a pole position e os seus primeiros pontos no Campeonato, surpreendendo todo o paddock da Fórmula E. Na corrida e após lutar por um lugar no top 5, viu-se forçado a abandonar a pouco menos de um quarto do seu final, devido a um problema mecânico.
Resumo da Corrida 2 (domingo) 
Saindo da pole , Bird perderia para Felix Rosenqvist na primeira curva, enquanto Lynn também caía uns lugares face ao 7º de onde saiu da grelha. A breve interrupção na volta nº 9 permitiu que o pelotão se agrupasse e Bird aproximou-se do líder. Cheio de confiança, repetiu a manobra da véspera no gancho e reassumiu a liderança.
Quanto a Lynn, a sua corrida viu-se, de novo, interrompida devido a um problema elétrico, obrigando a um conjunto de novas voltas sob bandeiras amarelas e as sequências de entrada nas boxes, findas as quais – fruto de novo excelente trabalho da equipa DS Virgin Racing – permitiu que Bird regressasse à pista na liderança, numa altura em que a corrida se reiniciava.
A partir daí houve apenas que gerir o avanço e a energia disponível – nesta corrida de 49 voltas – num processo feito de modo irrepreensível, para cruzar a linha de chegada com uma considerável margem de 11
 
 
 
 
 
 
 
 
segundos, acumulando os respetivos pontos, para um total acumulado de 56 obtidos para a equipa ao longo desta dupla jornada do fim de semana.
“Estou ainda em estado de choque!” , disse Bird, piloto que passa, agora, a ter cinco vitórias em seu nome. “Foi um fim de semana fantástico, tal como o carro que a DS Virgin Racing me deu. Sendo uma corrida mais longa a de hoje, pensei que seria difícil gerir a energia, mas conseguimos fazê-lo tão bem. A paragem nas boxes foi um ponto-chave, muito bem calculado para sair na frente. Estou satisfeito por toda a equipa, especialmente pelos engenheiros e mecânicos, que trabalharam tanto para estes resultados.”
Já Lynn afirmou: “Gostaria de agradecer à Virgem DS Racing pela oportunidade que me deu para as corridas deste fim de semana. Estou muito orgulhoso do que alcancei, especialmente com a pole-position e muito feliz pela equipa com os resultados conquistados.”
 
Alex Tai, Diretor da Equipa, comentou: “Foi um fim de semana absolutamente fantástico para a equipa e para todos os nossos parceiros. Sermos a primeira equipa a vencer em Nova Iorque é incrível, mas fazê-lo duas vezes era impensável! O Sam e o Alex fizeram um trabalho incrível, tal como todos os mecânicos e engenheiros, mostrando o verdadeiro potencial do carro. Agora vamos para o Canadá terminar a temporada em alta.”
 
Xavier Mestelan Pinon, Diretor da DS Performance, acrescentou: “Foi um feito fantástico para a DS Virgin R a cin g, c o nfirm a n d o as ev olu ç õ es q u e fiz e m o s a o lo n g o d o s últim o s m eses. N este fim d e se m a n a demonstrámos que o nosso carro é rápido na Qualificação e também muito eficiente em termos de consumo de energia nas Corridas, resultado de um difícil processo de Pesquisa & Desenvolvimento durante os nossos testes e no simulador. Gostaria de agradecer à equipa da DS Performance e à Divisão do Competição da PSA pelo seu trabalho dedicado.”
 
Fica, assim, a faltar a última prova do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula E 2016/2017, com as Corridas nº 11 e 12) a terem lugar em Montreal (Canadá) nos dias 29 e 30 de julho.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
RESULTADOS DO ePRIX DE NOVA IORQUE 2017 
Corrida 1 1. Sam Bird, DS Virgin Racing, 43 voltas 2. Jean-Eric Vergne, TECHEETAH, +1.354s 3. Stephane Sarrazin, TECHEETAH, +4.392s 4. Lucas di Grassi, ABT Schaeffler Audi Sport, +6.155s 5. Loic Duval, Faraday Future Dragon Racing, +8.428s …
 
Corrida 2 1. Sam Bird, DS Virgin Racing, 49 voltas 2. Felix Rosenqvist, Mahindra, +11.381s 3. Nick Heidfeld, Mahindra, +12.319s 4. Pierre Gasly, Renault e.dams, +12.355s 5. Lucas di Grassi, ABT Schaeffler Audi Sport, +23.451s …
 
Campeonato do Mundo de Fórmula E - Pilotos 1. Sébastien Buemi, 157 pontos 2. Lucas di Grassi, 147 3. Felix Rosenqvist, 104 4. Sam Bird, 100 5. Nicolas Prost, 84 … 8. Jose Maria Lopez, 50 … 23. Alex Lynn, 3 …
 
Campeonato do Mundo de Fórmula E - Equipas 1. Renault e.dams, 259 pontos 2. ABT Schaeffler Audi Sport, 194 3. Mahindra Racing, 182 4. DS Virgin Racing, 153 5. TECHEETAH, 94 …e225 Copye226 Copye227 Copy

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

F1 TEAM JUNIORS WIN ON PIRELLI TYRES
IN FORMULA 2 AND GP3 AT SILVERSTONE


 

FORMULA 2

Feature Race, the winner: Prema’s Charles Leclerc, part of the Ferrari Driver Academy, claimed another victory in the first F2 race of the weekend. Along with the other leading drivers, he started the race on the P Zero Yellow soft tyres and switched to the P Zero Orange hard tyres. After pulling out a lead of over six seconds, he managed to extend his first stint to the end of lap seven – one lap later than the chasing Norman Nato (Arden) and Oliver Rowland (DAMS).

Charles Leclerc: “I managed to build a bit of a gap. We were quite fast on the option tyres. We built a good gap and then on the prime tyres after our stop, we were quite fast too. I think in the beginning I took a bit my time to get back up to speed because we knew there would be some graining if I was pushing straight away. When Norman reduced the gap to me, I started to push again and the car was very good all the way to the flag.”

Feature Race, alternative strategy: ART Grand Prix’s Nobuharu Matsushita was the lead driver to try an alternative strategy of starting on the hard tyres. He ran fifth early on, then took the lead when others pitted, but this strategy proved to be second-best and he finished in 10th place.

Sprint Race, the winner: The winner of the Sprint Race, with the entire field running on the P Zero Orange hard (and no obligatory pit stops) was DAMS driver Nicolas Latifi, from pole. Tyre management was still important over the 21 laps, with the left-front tyre having the most work to do.

GP3

Feature Race, the winner: Mercedes development driver George Russell took victory on home ground in a closely-fought first race. His ART Grand Prix team-mate Anthoine Hubert took the lead at the start but Russell fought back and then opened a small advantage at the front of the field, making his P Zero Orange hard tyres last until the end on a circuit that places large demands on the tyres.

Sprint Race, the winner: Giuliano Alesi won Sunday’s race from what was effectively pole position as Damien Bocolacci was unable to take the start. The race was held in very cool conditions starting at 08.00, challenging the thermal capabilities of the hard tyre. A two-lap safety car period from lap four also affected tyre management.

PIRELLI QUOTE

Pirelli’s head of car racing Mario Isola: “In Formula 2 this weekend we saw that one strategy – starting on the soft tyre with a short initial stint – was clearly the best, and most the teams and drivers calculated this. These drivers on the same strategy could race each other closely until the end. It was a similar story in GP3: the drivers were required to use the hard tyre, chosen to cope with the high demands of Silverstone, but could enjoy some close battles, and the DRS system worked well to produce great overtaking opportunities.”

NEXT RACES
Formula 2 and GP3 will head next to the Hungaroring in Hungary on July 29-30.

 

***

 

AQ2Y4422

Leclerc leads the field at the start of the first F2 race

 54I3761

Russell took a home victory in GP3

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

HARD AND SOFT P ZERO TYRES FOR FORMULA 2 AT SILVERSTONE, HARD COMPOUND FOR GP3


 Fresh from some close races at the Red Bull Ring in Austria, the FIA Formula 2 Championship and the GP3 Series head straight to Silverstone, with track action starting on Thursday at the home of the British Grand Prix.

With its high speeds, Silverstone is one of the most demanding circuits of the season on the tyres. With this in mind, the P Zero Orange hard and P Zero Yellow soft tyres have been nominated for use in Formula 2, with GP3 to race on P Zero Orange hard.

Pirelli’s head of car racing says:

Mario Isola: “The nature of Silverstone puts high demands upon the tyres, and this is reflected in the compounds we have nominated for this weekend, which are the same as last year. In Formula 2, supplying the hard and soft tyres will create a significant difference between the two compounds. The soft will provide the performance in qualifying but will need to be managed during the race. In GP3 we provide the hard tyre to handle the high energies, but there should as always be an element of degradation for the drivers to master.”

The challenge for the tyres:

Silverstone’s most notable features are high-speed corners, such as Abbey and Copse as well as the famed Maggots and Becketts sequence. These all place high lateral loads on the tyres.

The tyres are also subjected to considerable vertical loads as the teams set the cars up with maximum downforce at Silverstone to aid cornering speeds.

Temperatures can vary considerably at Silverstone, even within the same day. If it’s hot, this can combine with the large forces to produce high surface temperatures, leading to thermal degradation. There is also the threat of rain, which could influence strategies.

The race and the rules:

Formula 2

Every car will have five sets of dry tyres and three sets of wet weather tyres available for the Formula 2 race weekend. The five sets of dry tyres comprise three sets of the hard compound and two sets of the soft compound.

The drivers can use their tyre allocation in any way they like, but at least one set of each compound must be used in the feature race (unless it is a wet race). One set of the harder compound must be returned after free practice.

The schedule is slightly different to normal this weekend, with practice taking place on Thursday at 15:30, before qualifying at 15:15 on Friday. The feature race on Saturday at 15:00 lasts 29 laps and each driver must complete one compulsory pit stop. This cannot take place within the first six laps. Unlike Formula 1, the drivers do not have to start the race using the tyres they qualified on.

The grid for the sprint race on Sunday at 09:20 is determined by the finishing order of the first race, with the top eight positions reversed. It is run over 21 laps, with no compulsory pit stops.

GP3

Every car will have four sets of dry tyres and two sets of wet weather tyres available for the GP3 race weekend. Only one compound is nominated: hard for this weekend. The drivers can use the tyre allocation in any way they like.

Usually, drivers are allowed to carry over one tyre set from the previous round for use in free practice only, but instead of carrying over the soft from Austria, teams will get a fourth new set of the hard compound.

GP3 will also have their practice session on Thursday, at 16:45, and will qualify at 16:05 on Friday. Race 1 starts at 16:30 on Saturday and lasts for 20 laps, followed by Race Two at 08:10 on Sunday (lasting 15 laps). The grid for Race 2 is determined by the finishing order of the first race, with the top eight positions reversed.

 

***

 

 56I8945

F2 will race on P Zero Orange hard and P Zero Yellow soft tyres

JL1 9907

GP3 drivers will all use P Zero Orange hard tyres

 

CAMPEONATO MUNDO DE FÓRMULA 1 - HAAS G.P.INGLATERRA

 

Evento:  Grande Prémio da Grã-Bretanha (Round 10 de 20)

Data:  Domingo, 16 de Julho

Local:  Silverstone Circuit

Layout:  5,891 quilómetros, 18 curvas

Condições climatéricas:  Enevoado

Temperatura do ar:  21,5-23,5 ºC

Temperatura da pista:  22,5-33,4ºC

Vencedor:  Lewis Hamilton da Mercedes

Haas F1 Team:  

●  Kevin Magnussen – arrancou de 16º, terminou em 12º (completou 50/51 voltas)

●  Romain Grosjean – arrancou de 10º, terminou em 13º (completou 50/51 voltas)

 

 

 

Os pilotos da Haas F1 Team, Kevin Magnussen e Romain Grosjean terminaram no décimo segundo e décimo terceiro lugares, respectivamente, o Grande Prémio da Grã-Bretanha, que se disputou este domingo no Silverstone Circuit.

 

Ambos os pilotos adoptaram uma estratégia de uma paragem para a corrida de cinquenta e uma voltas ao circuito de 5,891 quilómetros e dezoito curvas, mas o timing das suas paragens divergiu drasticamente.

 

Grosjean arrancou de décimo e realizou a sua paragem na vigésima terceira volta, trocando pneus Pirelli P Zero Vermelho/Supermacio por macios. Isto deixou-o no décimo quinto lugar.

 

Magnussen foi o último piloto a entrar nas boxes, rodando trinta e sete voltas com os pneus macios com que iniciou a corrida, trocando para um jogo de supermacios quase novo, que tinha apenas três voltas. Manter-se em pista permitiu a Magnussen subir até sétimo, com um meio de pelotão tão competitivo a realizar voltas com pneus mais frescos, Magnussen não tinha uma vantagem suficientemente grande para manter os lugares que tinha conquistado. Magnussen regressou à pista, depois da sua paragem nas boxes, no décimo quarto lugar, mas rapidamente ultrapassou o Williams de Lance Stroll, na quadragésima volta, para subir a décimo terceiro.

 

Então, Grosjean e Magnussen rodavam no décimo segundo e décimo terceiro lugares, respectivamente. Mas na quadragésima terceira volta Grosjean foi obrigado a realizar uma paragem nas boxes não planeada, uma vez que Marcus Ericsson danificou o pneu traseiro/direito do seu Haas VF-17 na Curva 16. Com um novo jogo de pneus supermacios. Grosjean regressou à pista em décimo terceiro atrás de Magnussen, que herdou o décimo segundo posto. O duo manteve as suas posições nas derradeiras seis voltas da corrida, tendo apenas os sete primeiros terminado na mesma volta do líder.

 

O tricampeão mundial, Lewis Hamilton, liderou todas as voltas, tendo vencido o Grande Prémio da Grã-Bretanha. O piloto da Mercedes registou a sua quinquagésima sétima vitória na Fórmula 1, a sua quarta da temporada e a sua quarta consecutiva em Silverstone. Foi também a quinta vitória de Hamilton no Grande Prémio da Grã-Bretanha, o que o deixou empatado com Jim Clark e Alain Prost como os pilotos que mais vitórias têm na prova britânica. Hamilton deixou o seu colega de equipa na Mercedes, Valtteri Bottas, a uns expressivos 14,063s. A vitória foi importante para o campeonato de Hamilton, uma vez que reduziu em dezanove pontos a liderança no campeonato de Vettel. Agora apenas um ponto separa os dois.

 

Após dez rounds dos vinte que compõem o Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, a Haas F1 Team mantem o sétimo posto no Campeonato de Construtores com vinte e nove pontos, mas tem apenas três pontos de vantagem para a oitava classificada, a Renault, que conquistou oito pontos graças ao sexto lugar de Nico Hulkenberg. A diferença para a Toro Rosso manteve-se nos quatro pontos, uma vez que tanto Daniil Kvyat como Carlos Sainz não terminaram entre os dez primeiros. Grosjean e Magnussen mantiveram-se no décimo terceiro e décimo quarto lugares, respectivamente, no Campeonato de Pilotos. Grosjean tem dezoito pontos e Magnussen onze.

 

A Fórmula 1 tem agora um fim-de-semana de folga para regressar à acção nos dias 28-30 em Hungaroring, Budapeste, onde se realiza o Grande Prémio da Hungria.

 

 

 

Foi um dia difícil de trabalho. Hoje, não tínhamos muito ritmo com qualquer um do tipo de pneus. Inicialmente, fiquei preso no tráfego, o que matou os supermacios. Parei para montar macios e, uma vez mais, apanhei tráfego. Tentámos no final arriscar, montando um novo jogo de pneus supermacios, na expectativa de que acontecesse alguma coisa á frente, o que acabou por não suceder. Temos que perceber o porquê de não termos ritmo de corrida e evoluir a partir daí.”

 

 

 

Senti que o Toro Rosso bateu no meu pneu no arranque, mas não aconteceu nada. Felizmente, não tive um furo. Não consegui uma boa primeira volta. Será sempre difícil quando começamos com uma estratégia inversa e com o pneu mais lento. Aquele primeiro stint manteve-me fora dos pontos. O ritmo do carro não estava mau, apenas tinha que fazer um longo stint com os pneus, esperar que os rapazes da frente parassem e realizar boas voltas. Recuperei um pouco no início, mas não foi o suficiente. Sempre que estamos fora dos pontos, não é muito interessante. Ainda assim, houve alguns aspectos positivos. Fomos rápidos e tivemos um bom ritmo de corrida.”

 

 

 

Foi um fim-de-semana mediano. Não marcámos pontos, mas o Kevin mostrou um bom ritmo de corrida. Perdemos algumas posições no arranque e foi aí que terminámos. Mais uma vez, tínhamos um ritmo semelhante ao dos nossos adversários – apenas estávamos no lugar errado. Tenho ainda confiança no carro. Podemos lutar no meio do pelotão. Desta vez, estávamos no parte final do grupo. Muda muito todos os fins-de-semana. Não é isto que queríamos, mas ainda assim, terminámos com ambos os carro. Agora vamos para a Hungria.”

 

 

 

O décimo primeiro round do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 é o Grande Prémio da Hungria, que se disputa em Hungaroring. Os treinos-livres disputam-se a 28 de Julho, a qualificação realiza-se a 29 de Julho e a corrida a 30.

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal. 

 

FÓRMULA E EM NOVA YORK

 

FÓRMULA E: 100% recuperado, Di Grassi traça objetivo para as corridas finais - vencê-las

Categoria dos carros elétricos faz sua estreia em Nova York neste final de semana, na penúltima rodada dupla do ano. Serão duas corridas: uma no sábado (15) e outra no domingo (16)

A Fórmula E segue para seu penúltimo encontro da temporada 2016-2016 fazendo sua estreia em Nova York com rodada dupla neste final de semana. As duas corridas serão disputadas no sábado (15) e domingo (16). Ambas serão transmitidas ao vivo no Brasil pelo canal Fox Sports.

A etapa da “Big Apple” é uma das mais aguardadas por todos os pilotos, principalmente por seu caráter inédito. As provas no coração do Brooklyn terão um visual de tirar o fôlego, com os arranha-céus de Manhattan e a Estátua da Liberdade ao fundo do circuito de 1.953 metros de extensão.

Com as corridas de número 9 e 10 da temporada, de um total de 12, a luta pelo título chega à sua fase decisiva. Lucas di Grassi está a 32 pontos da liderança da disputa, em segundo lugar. Na rodada dupla norte-americana, 58 pontos estão em jogo, incluindo os que são entregues ao pole position e ao autor da melhor volta de cada prova.

“Contando Nova York e Montreal, são quatro corridas. Então o nosso foco é vencer as quatro, independente da presença ou não do Buemi, porque com ou sem ele a competição ainda assim permanece bastante forte”, diz Lucas, referindo-se ao adversário e líder do campeonato. Piloto da Renault e.Dams, Sébastien Buemi não disputa as provas nova-iorquinas em virtude de um compromisso com a Toyota no Mundial de Endurance, que corre na mesma data na Alemanha.

“Estamos nos concentrando somente em nós mesmos. Nosso foco é vencer as corridas – e se não for possível, então queremos marcar o maior número possível de pontos que pudermos. É por isso que vamos lutar”, diz o piloto da ABT Schaeffler Audi Sport.

O brasileiro teve de passar por uma cirurgia na tíbia da perna direita, fraturada em uma partida beneficente de futebol no início de junho, mas já está pronto para a disputa. “A recuperação ocorreu de acordo com o planejado e estou 100% pronto para Nova York”, afirmou Lucas, que disputou as duas corridas de Berlim sustentando a fratura – e foi ao pódio em ambas.

O final de semana terá corridas de durações diferentes – fato também inédito na categoria. A disputa do sábado terá 43 voltas, enquanto no domingo serão 49. As largadas acontecem no mesmo horário: 17 horas de Brasília.

O canal Fox Sports exibe ambas as corridas ao vivo. No sábado, a programação se inicia com a exibição do treino classificatório às 13 horas; a transmissão da prova começa meia hora antes de as cinco luzes vermelhas se apagarem, às 16h30. Já no domingo, a programação se inicia com a exibição da classificação às 9h30 e logo depois, às 11, o canal mostra a reprise da primeira corrida; a partir das 16h30, o Fox Sports começa a transmissão da corrida 2.


Lucas Di Grassi é patrocinado por Qualcomm, Aethra, KNM, Oris Watches, BlueFox e Mumm

 

Lucas di Grassi 100% recuperado e pronto para a rodada dupla de Nova York (Audi Sport)

Lucas di Grassi 100% recuperado e pronto para a rodada dupla de Nova York (Audi Sport)
Alta  | Web

Penúltima etapa do campeonato acontece neste sábado (15) e domingo (16) (Audi Sport)

Penúltima etapa do campeonato acontece neste sábado (15) e domingo (16) (Audi Sport)
Alta  | Web

São 58 pontos em jogo no final de semana, com duas corridas a serem disputadas (Audi Sport)

São 58 pontos em jogo no final de semana, com duas corridas a serem disputadas (Audi Sport)
Alta  | Web

Canal Fox Sports exibe ao vivo as duas corridas para o Brasil (Audi Sport)

Canal Fox Sports exibe ao vivo as duas corridas para o Brasil (Audi Sport)
Alta  | Web

 

CAMPEONATO MUNDO DE FÓRMULA 1 - HAAS G.P.INGLATERRA

 

Evento:  Qualificação para o Grande Prémio da Grã-Bretanha (Round 10 de 20)

Data:  Sábado, 15 de Julho

Local:  Silverstone Circuit

Layout:  5,891 quilómetros, 18 curvas

Condições climatéricas:  Enevoado e com períodos de chuva

Temperatura do ar:  16,2-17,5ºC

Temperatura da pista:  19,9-21,7ºC

Pole-Position:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m26,600 – novo recorde)

Resultado:  Romain Grosjean 10º / Kevin Magnussen 17º

Nota:  Magnussen arrancará do décimo sexto lugar devido à penalização sofrida por Fernando Alonso, o décimo terceiro na qualificação

 

 

 

●  Tem a duração de 18 minutos, com a participação de todos os 20 pilotos
●  Os 15 pilotos mais rápidos avançam para a Q2

Grosjean:  15º (1m42,042s), avançou para a Q2

Magnussen:  17º (1m42,577s)

Piloto mais rápido:  Fernando Alonso da McLaren (1m37,598s)

Cutoff: 15º Romain Grosjean da Haas F1 Team (1m42,042s)

 

 

 

●  Tem a duração de 15 minutos, com a participação dos 15 pilotos mais rápidos provenientes da Q1
●  Os 10 pilotos mais rápidos avançam para a Q3

Grosjean:  9º (1m29,966s), avançou para a Q3

Piloto mais rápido:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m27,893s)

Cutoff:  10º Stoffel Vandoorne da McLaren (1m30,105s)

 

 

 

●  Tem  a duração de 12 minutos, com a participação dos 15 pilotos mais rápidos provenientes da Q2, lutando todos pela pole-position

Grosjean:  10º (1m29,549s)

Pole-Position:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m26,600s)

Segundo:  Kimi Räikkönen da Scuderia Ferrari (1m27,147s)

 

 

 

Os pilotos da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Kevin Magnussen, qualificaram-se em décimo e décimo sétimo, respectivamente, para o Grande Prémio da Grã-Bretanha, que se realiza domingo em Silverstone. No entanto, Magnussen arrancará do décimo sexto lugar devido à penalização de trinta lugares sofrida por Fernando Alonso, o décimo terceiro na qualificação, que alinhará no final da grelha de partida.

 

A qualificação começou com a pista molhada, com a chuva fraca a humedecer o circuito de 5,891 quilómetros e dezoito curvas o suficiente para as equipas escolherem os pneus intermédios Pirelli Cinturato Verde ao longo da Q1. O pilotos foram descobrindo a superfície uma vez que era difícil encontrar tracção. Grosjean encontrou forma de passar à Q2, ao assegurar o décimo quinto tempo com a marca de 1m42,042s. Magnussen não avançou, uma vez que a sua volta, 1m42,577s, deixou-o no décimo sétimo lugar e apenas os quinze mais rápidos passam à Q2.

 

A chuva diminuiu na Q2, permitindo que a pista apresentasse condições para montar pneus slicks. A Haas F1 Team montou no Haas VF-17 de Grosjean pneus Pirelli P Zero Vermelho/Supermacio e ele usou-os para assegurar o nono tempo, 1m29,966s. A volta permitiu que Grosjean subisse à Q3 pela segunda vez consecutiva e a quinta esta temporada. Apenas os dez primeiros passam à Q3.

 

A marca de Grosjean na Q3 foi de 1m29,549s, o que o colocou no décimo lugar. A tentativa para melhorar esse tempo terminou quando Grosjean foi prejudicado por Lewis Hamilton, que acabaria por ficar com a pole-position. Grosjean perdeu três décimos de segundo devido ao piloto da Mercedes e o incidente foi investigado pelos Comissários Desportivos. O Comissários Desportivos, porém, determinaram que Hamilton não causou qualquer infracção.

 

Hamilton conquistou a pole-position com a marca de 1m26,600, registando um novo recorde de qualificação para a pista e bateu Kimi Raikkonen, o segundo mais rápido, por 0,547s. Foi a sexagésima sétima pole-position na Fórmula 1 da carreira de Hamilton, deixando-o a uma do recorde absoluto de Michael Schumacher. Foi também a sexta pole-position de Hamilton da temporada, a terceira consecutiva em Silverstone, assim como a sua quinta no Grande Prémio da Grã-Bretanha, igualando Jim Clark.

 

Antes, de Grosjean, Magnussen e o resto do pelotão participarem na qualificação tiveram ainda a sessão final de treinos-livres.

 

Ambos os pilotos usaram todos os compostos para seco que a Pirelli levou para Silverstone – os médios, os macios e os supermacios – tendo ainda usado os intermédios quando começou a chover a vinte minutos do final da sessão.

 

Grosjean e Magnussen usaram programas semelhantes, realizando com pneus médios uma volta de instalação, seguindo-se sete e oito voltas lançadas, respectivamente, com macios, para depois realizarem seis voltas com supermacios. Cada um deles completou três voltas com a pista molhada, experimentando os pneus intermédios.

 

Grosjean completou catorze voltas, ficando com o sétimo tempo, 1m29,819s, na sua décima volta. Magnussen realizou quinze voltas e na sua melhor assegurou na decima primeira o decimo terceiro tempo, 1m30,270s. Ambos os pilotos conseguiram as suas melhores marcas com pneus supermacios.

 

Hamilton foi o mais rápido na terceira sessão, 1m28,063s, batendo o segundo classificado, Sebastian Vettel da Scuderia Ferrari, por 0,032s. Os pilotos da Sauber Pascal Wehrlein e Marcus Ericsson foram quem mais voltas completaram, vinte e quatro cada um.

 

 

 

Não estou nada satisfeito com o 10º lugar. Na primeira volta lançada na Q3 fui completamente boqueado pelo Lewis Hamilton na última curva e perdi com isso três décimos de segundo. Custou-me uma posição. Na segunda volta lançada pensei que poderia melhorar, mas quando cheguei à Curva 3, surpreendentemente, as rodas traseiras bloquearam de forma massiva e perdi quase meio segundo. Recuperei durante a restante volta, portanto, penso que tinha muito mais performance do que aquela que demonstrámos. Estou muito insatisfeito com a minha primeira volta, que foi completamente arruinada na última curva. Para além disso, estamos bem e estamos a desempenhar um bom trabalho. É bom estar de novo na Q3, mas poderia ter sido muito melhor, portanto, estou um pouco desapontado.”

 

 

 

O carro estava mais ou menos com a mesma performance no molhado que tínhamos no seco. Não estamos tão fortes como esperávamos. Temos que ver porquê e tentar perceber o que se passa. O nosso ritmo de corrida parece muito melhor, mas na qualificação, numa volta, não estamos muito competitivos este fim-de-semana, o que é pena. O aspecto positivo é que o ritmo de corrida é bom e é disso de que precisamos para sermos rápidos. Vamos ver o que podemos fazer.”

 

 

 

Estamos de volta à montanha russa, de volta à excitação. Tivemos uma boa terceira sessão de treinos-livres e fomos para a qualificação com optimismo. Penso que o nosso carro é competitivo. Com a chuva foi um pouco de lotaria. Uma lotaria ganhámos, outra perdemos. Infelizmente, o Kevin não passou da Q1, mas o Romain chegou à Q3. Penso que estávamos a ir bem. Então, o Romain, com o seu primeiro jogo de pneus, foi prejudicado pelo Lewis. Na sua segunda volta lançada, tivemos um pequeno problema aerodinâmico e bloqueou as rodas na Curva 3, e foi isso. Vamos arrancar de décimo, o que é uma boa posição para podermos conquistar pontos. Estou confiante nas capacidades do Kevin e na performance do carro nas séries longas e penso que podemos colocar como objectivo os pontos também para aquele carro.”

 

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal. 

 

 

FÓRMULA E EM NOVA YORK

 

To make my debut at the first Formula E event to take place in New York is a real honour...."

Alex Lynn – New York Formula E preview

 

Well, this is the first time I’ve been able to tell you I’m writing a blog with the Manhattan skyline in the background. But don’t worry – I’ve not been given a role in the next series of ‘Friends’, I’m here to make my Formula E debut!

We travelled out to New York on Monday. It’s not only beneficial to get used to the time difference, but there have been a lot of PR and Formula E activities to do. This series is very good at that type of thing. For those who don’t know, ‘E’ stands for electric and it’s the fastest-growing formula in the world, with lots of manufacturer involvement. All the races take place on street tracks in city centres, and to make my debut at the first Formula E event to take place in New York is a real honour.

I’m really excited about it. Since I signed my deal with DS Virgin Racing I knew there was a good chance that I would race in New York, because it clashes with the Nurburgring round of the World Endurance Championship, and DS Virgin’s regular driver Jose Maria Lopez has prior commitments with Toyota to do that. Jose Maria also had to miss the shakedown at the Mexico City race because of his Toyota programme, and I drove the car in that. Since then, I did a three-day test at Calafat in Spain last week alongside my team-mate Sam Bird. Calafat is one of the tightest and twistiest of tracks, so it was good to test there because it’s more representative than most circuits of a Formula E layout.

So, I’m really excited. We’ve put a lot of effort in over the past few weeks and I’m as prepared as I possibly can be. It was great to get the laps in at Calafat, and I’ve done enough time in the simulator for it all to feel quite normal. It’s not a lot different to a conventional racing car: they’ve all got four wheels and a steering wheel; it’s just that in the Formula E, instead of a combustion engine, you’ve got an electric motor propelling you along.

The energy management on the battery is something you hear a lot about in Formula E, but I’ve practised it almost to death now so I feel up to speed! Another thing is that the battery technology hasn’t quite arrived yet where you can do the whole race in one car, so we have the mid-race car changes. I did a lot of practice on that in Mexico so I feel ready – we haven’t left much to chance, and now it’s all about replicating it when it matters.

I’ve known my team-mate Sam ever since 2010 when he was racing in GP2, and he was moonlighting by doing a bit of driver coaching for Fortec Motorsport when I raced for them in Formula Renault. He’s always been really good to work with and we’re both like-minded, very similar people. DS Virgin is a British team as well so culturally it’s a very easy situation for me to slip into. Now the excitement comes from working with them in a real racing environment.

The other thing is that we get a rare Formula E double-header, with one race on Saturday and one on Sunday. That’s great for me, because it’s two opportunities to get a good result. Even though racing in New York means I have to miss the Nurburgring WEC round with G-Drive Racing, because my deal with DS Virgin was signed first so took priority, I’m happy to be here. Formula E is a fantastic championship and one in which I’d like to race full-time in the future, as is WEC, so getting experience in both is very important.

For now, though, it’s all about New York. The track has three hairpins, two chicanes, and is a quintessential Formula E track. But in the background you can see the Statue of Liberty and Manhattan, and that makes it very cool!

Oh, and of course I should mention that you can actually help me do well! Every race, three drivers are given Fanboost from an online vote to increase their power and make an overtaking manoeuvre. So please vote for me here: fanboost.fiaformulae.com

 

 

19477632 1508151025891497 4692483983955691317 o

 

CAMPEONATO MUNDO DE FÓRMULA 1 - HAAS G.P.INGLATERRA

 

Evento:  1ª e 2ª sessões de treinos-livres

Data:  Sexta-Feira, 14 de Julho

Local:  Silverstone Circuit

Layout:  5,891 quilómetros, 18 curvas

Condições climatéricas da 1ª Sessão:   Céu Encoberto

Temperatura do ar na 1ª Sessão:  14,7-17,1ºC

Temperatura da pista na 1ª Sessão:  20,9-31,8ºC

Condições climatéricas da 2ª Sessão:  Céu Encoberto

Temperatura do ar na 2ª Sessão:  16,9-18,4ºC

Temperatura da pista na 2ª Sessão:  29,7-33,9ºC

Pilotos:  Romain Grosjean, Kevin Magnussen e Antonio Giovinazzi

 

 

 

Grosjean:  14º (1m31,610), 24 voltas

Giovinazzi:  16º (1m32,031s), 24 voltas

Piloto mais rápido:  Valtteri Bottas da Mercedes (1m29,106s)

Mais voltas completadas:  Sergio Perez da Force India (34)

 

 

 

Grosjean:  14º (1m30,661s), 33 voltas

Magnussen:  17º (1m30,835s), 33 voltas

Piloto mais rápido:  Valtteri Bottas da Mercedes (1m28,496s)

Mais voltas completadas:  Sergio Perez da Force India (43)

 

 

 

O décimo round do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 iniciou-se esta sexta-feira no Silverstone Circuit, onde as equipas começaram a preparação do Grande Prémio da Grã-Bretanha, que se realiza no domingo. Foram realizadas duas sessões de treinos-livres de noventa minutos no circuito de 5,891 quilómetros e dezoito curvas com temperaturas baixas e o céu encoberto, tendo António Giovinazzi se juntado aos dois pilotos regulares da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Kevin Magnussen.

 

Giovinazzi, o terceiro piloto da Scuderia Ferrari, tomou o volante do VF-17 na primeira sessão, graciosamente cedido por Magnussen, que permitiu a que Giovinazzi ganhasse mais experiencia de Fórmula 1. O piloto de vinte e três anos de Martina Franca, Itália, substituiu no início da temporada o lesionado Pascal Wehrlein, na Sauber, durante a primeira sessão de testes de Inverno no Circuit de Barcelona – Catalunya e nos Grandes Prémios da Austrália e da China. Esta foi a primeira das sete primeiras sessões de treinos-livres em que Giovinazzi pilotará para a Haas F1 Team.

 

Giovinazzi completou um total vinte e quatro voltas, tendo a melhor sido de 1m32,031s, na sua vigésima segunda passagem pela linha de meta, o que o colocou no décimo sexto lugar. Foi uma sessão sem problemas para Giovinazzi, que rodou exclusivamente com pneus Pirelli P Zero Amarelo/Macio.

 

Grosjean também completou vinte e quatro voltas na primeira sessão com a sua melhor marca, 1m31,610s, na décima quarta vez que passou pela recta da meta, a deixá-lo no décimo quarto lugar.  Grosjean iniciou a primeira sessão com pneus médios e depois de sete voltas, mudou para pneus macios.

 

Valtteri Bottas foi o mais rápido na primeira sessão, com uma marca de 1m29,106s, deixando o segundo classificado, Lewis Hamilton, a 0,078s. Tanto Bottas como Hamilton foram mais rápidos que o anterior recorde da pista – 1m29,243s, assinado por Hamilton durante a Q2 da qualificação para o Grande Prémio da Grã-Bretanha do ano passado.

 

Magnussen regressou ao seu Haas VF-17 na segunda sessão de treinos-livres e rapidamente mostrou rapidez. Completou trinta e três voltas, tendo na melhor, a décima, registado o crono de 1m30,835s, ficando no décimo sétimo posto da tabela de tempos. Grosjean melhorou a sua marca da manhã em 0,949s, 1m30,661s, na sua décima quarta passagem pela recta da meta, alcançado o décimo quarto posto. Ambos os pilotos completaram trinta e três voltas, registando a suas melhores marcas com pneus supermacios, depois de terem iniciado a sessão com macios.

 

Grosjean e Magnussen usaram travões da Carbon Industrie (CI) nos seus respectivos VF-17 na segunda sessão, depois de Grosjean e Giovinazzi terem utilizado travões Brembo na primeira. A equipa usou pela primeira vez o pacote de travões da CI em Abril, nos testes realizados no Bahrein International Circuit, em Sakhir, e depois nas duas primeiras sessões de treinos-livres do Grande Prémio do Bahrein, no final de Abril. A segunda sessão de treinos-livres de Silverstone marcou a primeira vez que a Haas F1 Team usou travões CI desde a Rússia. Os da Brembo foram usados em toda a restante temporada.

 

O duo da Mercedes, Bottas e Hamilton, dominaram a segunda sessão, com Bottas a mostrar-se mais rápido que o seu colega de equipa por 0,047s, com uma volta de 1m28,496s. Os cinco primeiros pilotos da sessão bateram os recorde de 2016 de Hamilton.

 

No conjunto das duas sessões, a Haas F1 Team completou cento e catorze voltas – cinquenta e sete através de Grosjean, trinta e três por Magnussen e vinte e quatro por Giovinazzi.

 

 

 

Foi um dia de trabalho. Não somos tão rápidos como fomos na Áustria, neste momento do fim-de-semana. Estamos com algumas dificuldades em colocar os pneus na janela de funcionamento, possivelmente, devidos às baixas temperaturas, mas não tenho a certeza. Mudámos os travões durante o almoço, dos Brembo para os Carbon Industrie, o que não tornou a nossa vida mais fácil. Há muito mapeamento para fazer que tem que ser feito nos bastidores. Foi um grande trabalho. Tivemos também a avaliar o comportamento do carro com tanque vazio e tanque cheio. Não diria que estou cem porcento satisfeito com o carro, mas temos algumas ideias sobre o que fazer amanhã.”

 

 

 

Inicialmente, foi só habituar-me ao carro e à pista o mais rapidamente possível, depois de ter estado de fora na primeira sessão. Adaptei-me rapidamente. O vento não estava muito mau, mas mesmo assim teve um efeito – é sempre esse o caso aqui em Silverstone, que é muito plano e aberto. Não sei o que se passará amanhã, mas se o vento se mantiver, terá um efeito. No entanto, estes carros são fantásticos de pilotos aqui e as expectativas foram alcançadas. É extraordinária a velocidade com que fazemos as curvas, especialmente as de alta velocidade. Temos algumas coisas para afinar amanhã, mas estou ansioso por verificar o que podemos fazer.”

 

 

 

Antes de mais, quero agradecer à Scuderia Ferrari por esta oportunidade. Foi uma boa sessão. O meu último teste foi no Bahrein com a Ferrari já há muito tempo, portanto, poder regressar ao carro foi muito bom. Foi uma sessão para efectuar o máximo de voltas que pudesse. Não cometemos erros, tentámos algumas coisas, e eu estava confiante no carro. Estava muito satisfeito com a nossa performance. É bom perceber como diferentes equipas trabalham. Estou ansioso por realizar as minhas restantes seis sessões de treinos-livres com a Haas F1 Team. É uma equipa fantástica, estou muito satisfeito por me ter juntado e darei o meu melhor. Comecei esta sessão numa das pistas mais difíceis, com muito apoio aerodinâmico e muitas curvas rápidas. Penso que ter ficado a quatro décimos de segundo do Grosjean é muito bom. Ele, é evidente, tem muita experiência. Mal posso esperar por regressar ao carro na Hungria. É também uma pista difícil, mas tenho já alguma confiança no carro, portanto, será mais fácil para mim.”

 

 

 

Foi um dia de trabalho. O António pilotou um dos nossos carros na primeira sessão e realizou um bom trabalho. Tivemos algumas dificuldades em colocar os carros em pista, devido alguns problemas electrónicos – que resolvemos e com o segundo jogo de pneus tudo correu bem. Não houve nada de mais durante o dia. Os pilotos têm ainda que se ajustar aos novos travões, que usaram na segunda sessão de treinos-livres. Temos agora que analisar as nossas séries longas – que foram sólidas. Temos que olhar para os dados e verificar onde estamos, prepararmos a terceira sessão e conseguir uma boa afinação para a qualificação e qualificarmo-nos bem.”

 

 

 

Os pilotos têm mais uma sessão de treinos-livres no sábado (10h00-11h00) antes da qualificação que se inicia às 13h00. A qualificação consiste em três segmentos, com os quinze mais rápidos da Q1 a passar à Q2. Depois, os dez mais rápidos da Q2 passam para a Q3, onde lutam pela pole-position.

 

 

 

Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal. 

 

 

CAMPEONATO MUNDO DE FÓRMULA 1 - HAAS G.P.INGLATERRA

 

Haas F1 Team a Caminho de Silverstone ao Ritmo do Rock’n’Roll

A Haas F1 Team Procura no Grande Prémio da Grã-Bretanha o Seu Sexto Resultado Consecutivo nos Pontos

 

 – No final da sua temporada de estreia, a Haas F1 Team ficou num respeitável oitavo lugar do Campeonato de Construtores, registando vinte e nove pontos. Este número de pontos foi o mais elevado que qualquer equipa alcançou neste novo milénio. Quando a Jaguar se estreou em 2000 e a Toyota em 2002, cada uma delas conseguiu terminar nos pontos apenas por duas vezes nas suas respectivas épocas de estreia, tendo no total marcado seis pontos.

 

Uma das questões da temporada era como a Haas F1 Team se comportaria na sua segunda temporada no Campeonato do Mundo de Fórmula 1 – uma época com um novo carro construído de acordo com um novo conjunto de regulamento ao longo da campanha de 2016? Muito bem, parece.

 

Com nove corridas disputadas da sua segunda temporada na categoria, a Haas F1 Team igualou a quantidade de pontos que alcançou em 2016. Por sete vezes a equipa americana terminou nos pontos e os seus pilotos, Romain Grosjean e Kevin Magnussen, vão para o Grande Prémio da Grã-Bretanha, que se realiza no próximo fim-de-semana no Silverstone Circuit, com a ambição de conquistar pontos pela oitava vez este ano, a sexta consecutiva.

 

Estes resultados permitem à Haas F1 Team solidificar o seu sétimo posto no Campeonato de Construtores, abrindo uma vantagem de onze pontos para o oitavo classificado, a Renault, estando agora a bater à porta da sexta classificada, a Toro Rosso, que está apenas a quatro pontos.

 

Grosjean garantiu o melhor resultado da equipa até agora, ao terminar no sexto posto o Grande Prémio da Áustria, no Red Bull Ring, em Spielberg. Esta performance seguiu-se ao sétimo lugar alcançado por Magnussen no Grande Prémio do Azerbaijão. Com resultados de apenas um ponto no Grande Prémio de Espanha e no Grande Prémio do Canadá, entre as duas a Haas F1 Team conquistou o seu primeiro resultado duplo nos pontos, no Grande Prémio do Mónaco, onde Grosjean terminou em oitavo e Magnussen em décimo. Nas últimas cinco corridas foram somados vinte e um pontos.

 

Enquanto algumas equipas no paddock de Fórmula 1 lamentam as corridas seguidas, a Haas F1 Team aprecia a rápida viagem entre Spielberg e Silverstone. A ainda jovem equipa está claramente no ritmo do Rock’n’Roll na sua segunda temporada na Fórmula 1. Quanto menos tempo entre provas, melhor.

 

Haver menos tempo entre corridas é apropriado, considerando que uma volta a Silverstone levará menos tempo que nunca. O circuito de 5,891 quilómetros e dezoito curvas que está situada a cerca de uma viagem de carro de duas horas de Londres, é considerado um circuito de potência. É um dos circuitos rápidos, com médias de cerca de 225Km/h, devendo aumentar durante o Grande Prémio da Grã-Bretanha, graças às altíssimas velocidades que os pilotos alcançarão com a nova geração de carros – mais baixos, mais largos e visivelmente mais rápidos.

 

É o terceiro circuito mais longo do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, apenas atrás do Circuito de Spa-Francorchamps (7,004 quilómetros) e do Circuito Citadino de Baku (6,003 quilómetros). A maior parte do layout de Silverstone é constituída por curvas de média e alta velocidade, permitindo aos pilotos rodarem cerca de sessenta e cinco porcento das voltas com o acelerador no máximo. As equipas rodam com os seus carros em níveis aerodinâmicos médios/altos para que possam negociar da melhor forma as impressionantes velocidades alcançadas nas curvas de Silverstone. Estes níveis de apoio são obtidos porque o circuito tem relativamente poucas rectas longas, muito embora sejam alcançadas velocidades elevadas.

 

Conquistas é o que Grosjean e Magnussen esperam sempre que entram no Haas VF-17. Seja a velocidade com que igualaram os pontos alcançados o ano passado pela Haas F1 Team ou a velocidade que esperam alcançar no traçado de Silverstone, o Grande Prémio da Grã-Bretanha fornece uma oportunidade para ganhar mais pontos e mais possibilidade para estabelecer a equipa na Fórmula 1.

Silverstone Circuit

 

Perímetro: 5,891 km

Voltas: 52

Distância de Corrida: 306,198 Km

Transmissão: Sport TV5 – 13h00

 

 

Sobre a Haas Automation, Inc

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal.

 

 

O tempo entre a Áustria e Silverstone é muito curto, dado serem Grandes Prémios seguidos. De que forma se compara este tipo de situação com corridas seguidas de continentes diferentes? É mais duro, dado que os camiões têm que realizar a viagem entre a Áustria e a Inglaterra?

“É igual. Usamos diferentes tipos de transporte, mas seja como for é uma agenda apertada. Tudo é muto organizado, portanto, normalmente, não há problemas.”

 

Silverstone é a corrida caseira para a maior parte das equipas de Fórmula 1, até a Haas F1 Team tem a sua base europeia a cerca de trinta minutos da pista. A casa das equipas de NASCAR é Charlotte, e para essas corridas, cada membro da equipa chega por sua própria conta, muitas vezes conduzindo ou indo de bicicleta para o circuito. Isto é possível para os membros da equipa, ou tratam esta corrida como se fosse qualquer outra corrida e colocam toda gente num hotel de onde são transportados juntos para a pista?

“A viagem depende de cada um. Alguns ficam em casa e vão para a pista de autocarro, dado que o estacionamento é limitado, outros ficam num hotel e vão também de autocarro para a pista. Se chegarem a Banbury, a nossa base, até uma certa hora, podem apanhar um transporte para a pista.”

 

Os recordes das pistas têm vindo a ser batidos em todos as pistas que a Fórmula 1 visitou esta temporada. Sendo Silverstone o primeiro verdadeiro circuito de potência da temporada, que efeito terá o aumento de velocidade na afinação do carro comparativamente ao ano passado, quando as velocidades e o apoio aerodinâmico eram mais baixos?

“Temos sido mais rápidos em todos os circuitos este ano, devido aos novos carros do novo regulamento. Com carros mais largos e mais apoio aerodinâmico, somos mais rápidos. Quanto à afinação, vamos usar o que aprendemos ao longo das nove corridas que antecederam Silverstone.”

 

Silverstone é uma pista rápida onde os pilotos estão com o acelerador a fundo por longos períodos de tempo. Como os ajudam a encontrar os limites e determinar podem andar a fundo?

“Depende do conforto que os pilotos sentem. Podemos tirar algum apoio aerodinâmico para maior velocidade nas rectas, se se sentirem confortáveis.”

 

Considerando que a actual geração de carros é construída com uma levada quantidade de apoio aerodinâmico inerente, até que ponto conseguem reduzir o apoio aerodinâmico para permitir aos carros alcançar velocidades ponta mais elevadas nas rectas sem colocar em risco a velocidade em curva?

“Não existe um número. Existe sempre um compromisso entre velocidade em curvas e velocidade em recta e esse, se tudo correr bem, é encontrado no simulador, ainda antes do fim-de-semana. Normalmente, ficamos muito perto do compromisso ideal, mas a última afinação é efectuada na pista.”

 

Que nível de apoio aerodinâmico pretendem ter no carro para a pista de Silverstone? Até que ponto um piloto pode escorregar com o carro, ou até que ponto a equipa quer que ele escorregue e, dessa forma, diminuir a resistência aerodinâmica?

“O carro tem que estar colado à pista. Assim que tiramos demasiado apoio aerodinâmico, os pneus deixam de durar e começamos a ter granulação, coisa de que os pilotos não gostam. Temos que tirar apenas o apoio aerodinâmico suficiente para que o carro não escorregue e passe a gastar em demasia os pneus. Tem menos a ver com o que os pilotos sentem e mais com a preservação dos pneus. O piloto pode estar mais confortável quando os pneus estão a ceder, mas então corremos o risco de os pneus perderem eficácia.”

 

Com a velocidades mais elevadas, é necessária maior capacidade de travagem. Em que posição está a Haas F1 Team no que diz respeito à tecnologia de travões e existe algum plano para montar nos carros novamente travões da Carbon Industrie, como aconteceu nos treinos-livres do Grande Prémio da Rússia, no final de Abril?

“Temos planeado montar os travões da Carbon Industrie na sexta-feira – ambos os carros na primeira sessão de treinos-livres e, se tudo correr bem, na segunda – para verificar se tudo corre bem na nossa segunda tentativa. Se tudo funcionar, usá-los-emos durante o restante fim-de-semana, mas só podemos decidir depois de uma sessão de treinos-livres.”

 

Arrefecer os travões da Carbon Industrie foi problemático quando foram usados pela primeira vez no Grande Prémio da Rússia. O que foi feito para aliviar o problema de arrefecimento sem sacrificar a performance aerodinâmica?

“A equipa de aerodinamistas realizou muito trabalho de CFD e tivemos que alterar os discos de travão de acordo com as conclusões que alcançámos no CFD.”

 

Em muitos circuitos a pole-position é crítica. Mas por alguma razão, não é muito importante em Silverstone, onde o autor da pole-position só venceu cinco vezes nos últimos dezanove anos. Isto é um acaso ou é algo que o layout da pista cria, ao garantir mais oportunidades para aqueles que começam mais atrás na grelha de partida?

“Não creio que seja uma razão específica. Tenho a certeza de que, em Silverstone, é possível ultrapassar, mas penso que o facto de tão poucos pilotos vencerem a partir da pole-position se deve a um acaso.”

 

As condições climatéricas tendem a ser uma variável importante em Silverstone, com temperaturas altas a alternarem com temperaturas baixas, chuva, etc. Como se preparam para alterações climatéricas tão dramáticas, seja em Silverstone seja noutro local qualquer?

“Para além dos dados para os pneus e da forma como funcionam com as diferentes temperaturas, é muito difícil prepararmo-nos. O melhor que podemos fazer é manter o olho no tempo e ver o que acontece.”

 

 

Silverstone é uma das pistas mais rápidas da Fórmula 1, mas não é necessariamente por ter longas rectas, mas antes pelas suas curvas longas e fluídas. Podes descrever a sensação de velocidade que experimentas neste circuito de potência?

“É uma pista espectacular, especialmente as zonas rápidas de Maggotts, Becketts e Chapel. Quanto temos aderência no carro, então temos uma sensação intensa das forças G. Sentimos forças muito fortes. Queremos fazer bem a primeira zona de curvas fluídas. Se não o fizermos, perdemos muito tempo. Quando o carro está estável e tem um bom equilíbrio, podemos ir a fundo e ir até aos limites. Isto é a Fórmula 1 no seu melhor.”

 

Sabendo o quão rápidos são os carros da actual geração, quais são as tuas expectativas no que diz respeito à sensação que sentirás em Silverstone, sobretudo, as curvas Maggots, Becketts e Chapel – uma área da pista onde as forças G são sentidas no corpo?

“Penso que será uma das pistas mais excitantes no que diz respeito a pilotagem. Com os novos carros, vamos ter muito apoio aerodinâmico, com muitas forças G nas curvas de alta velocidade – que já eram muito interessantes com os carros anteriores. Agora, vamos entrar noutro nível e estou ansioso por o descobrir.”

 

Com a velocidade a deter um papel tão importante em Silverstone, é muito difícil ultrapassar? E se a oportunidade surgir, onde é possível ultrapassar?

“Há alguns locais. Nas rectas e nas curvas de alta velocidade, temos a oportunidade, se o carro estiver mais bem afinado que o que estiver à frente. Depois da Curva 3 ou Curva 4, há uma longa secção de curvas de baixa velocidade e aí temos também uma oportunidade. Mas em Silverstone a grande diferença é entre um carro bem equilibrado e um carro desequilibrado, é aí que está a oportunidade.

 

Do que precisas em Silverstone para ter um carro de corridas equilibrado?

“Silverstone não é uma pista fácil. Temos todas as secções de alta velocidade, onde queremos ter velocidade e ser rápidos. Depois temos a zona sinuosa entre as curvas três e quatro, e a última curva, que é complicada no que diz respeito a colocar a potência no chão. No geral, temos que ter uma boa traseira, e se a tivermos, podemos colocar mais asa à frente e ir mais depressa.”

 

Silverstone é a pista onde podem ir a fundo por maiores períodos de tempo?

“Penso que, provavelmente, Baku é onde vamos a fundo mais tempo, mas Silverstone é um circuito de potência, também. Precisamos de ter potência para fazer um bom tempo. Há algumas rectas e algumas oportunidades de ultrapassagem, mas Silverstone é, principalmente, aderência nas curvas de alta velocidade.”

 

Como encontras os limites para determinares quando podes ir a fundo ou não?

“Bem, rapidamente percebemos quando erramos, mas temos que tentar. Tão simples quanto isso. Podemos ir passo a passo, mas é evidente que o último passo é ir a fundo.”

 

Que nível de apoio aerodinâmico pretendem ter no carro para a pista de Silverstone? Até que ponto um piloto pode escorregar com o carro, ou até que ponto a equipa quer que ele escorregue e, dessa forma, diminuir a resistência aerodinâmica?

“Queremos sempre o máximo de apoio aerodinâmico possível.”

 

Em muitos circuitos a pole-position é crítica. Mas por alguma razão, não é muito importante em Silverstone, onde o autor da pole-position só venceu cinco vezes nos últimos dezanove anos. Isto é um acaso ou é algo que o layout da pista cria, ao garantir mais oportunidades para aqueles que começam mais atrás na grelha de partida?

“Silverstone fica no Reino Unido e no Reino Unido as condições climatéricas são instáveis, podendo estar a chover ou a fazer Sol. Isso é importante. Tudo pode mudar entre a qualificação e a corrida e, por vezes, até na própria corrida. Podemos também ter um bom carro em qualificação que não é bem equilibrado para a corrida e isso paga-se. É aqui que está o sucesso e, provavelmente, o motivo pelo o qual os vencedores não arrancam da pole-position.”

 

Tens algum resultado ou momento especial nas fórmulas de promoção que tenha acontecido em Silverstone?

“Tive algumas boas corridas, lá. Lembro-me da GP2 2009 – conquistei a pole-position por uma boa margem, o que foi divertido. Na Fórmula 1, em 2012, tive um incidente na primeira volta, danifiquei a asa dianteira e, depois, dei o máximo ao longo de toda a corrida. Lembro-me de ter ultrapassado o (Jenson) Button e o (Lewis) Hamilton em Maggots, Becketts – as curvas de alta velocidade. Recuperei de último para sexto, o que foi muito bom.”

 

Qual é a tua zona favorita de Silverstone?

“A zona de alta velocidade de Maggotts, Becketts e Chapel.”

 

Descreve uma volta a Silverstone?

“Começamos na nova recta da meta, antes de realizarmos a primeira curva a fundo. Depois temos dois ganchos. O primeiro é mais aberto que o segundo e neste queremos entrar o mais cedo possível. Então temos as antigas duas últimas curvas – a travagem é muito complicada – para depois entrarmos na velha recta da meta. É muito difícil colocar a potência no chão, aqui. Temos então a zona de alta velocidade. É uma sensação fantástica. Vamos a fundo o mais que pudermos até Maggotts e Becketts e então reduzimos uma velocidade em todas as curvas para avançarmos para Hangar Straigth e chegarmos a Stowe. Esta é outra curva complicada, onde entramos muito depressa. Queremos acelerar o mais cedo possível, mas a curva fecha mais do que pensamos. Temos então a última chicane – uma travagem muito forte e com muitos ressaltos. Assim que saímos aceleramos, com muitas forças G e cruzamos a linha de meta.”

 

 

 

 

 

 

O Grande Prémio da Grã-Bretanha marca o teu quinquagésimo Grande Prémio. Crescer, competir no karting, chegar à Fórmula 1, parece ter sido uma longa caminhada. Podes explicar o esforço que tiveste que realizar para chegar a este nível?

“Cinquenta Grandes Prémios não parece muito, mas passou muito depressa. Não é algo que ocupe muito o meu pensamento, mas foi uma longa caminhada, mas passou muito depressa. Espero fazer muitos mais. O esforço vale a pena e estou a gostar muito. Fazer o que se gosta é algo pelo qual estou muito agradecido.”

 

O facto de cumprires cinquenta Grandes Prémios dão-te a sensação de estares a estabelecer-te na categoria?

“Sinto que estou a aprender muito. Estou na minha terceira temporada de Fórmula 1, que não são muitas – muitos dos outros estão já na décima, ou mais, temporada. Estou ainda no início da minha carreira.”

 

Existem algumas notícias sobre uma corrida de Fórmula 1 na Dinamarca, mais propriamente em Copenhaga. O que pensas da possibilidade de teres um Grande Prémio caseiro?

“Seria fantástico. Espero que possa acontecer. É inesperado, mas seria fantástico.”

 

Silverstone é uma das pistas mais rápidas da Fórmula 1, mas não é necessariamente por ter longas rectas, mas antes pelas suas curvas longas e fluídas. Podes descrever a sensação de velocidade que experimentas neste circuito de potência?

“Silverstone é definitivamente um dos bons circuitos. É verdadeiramente rápido e temos algumas secções com rápidas mudanças de direcção. Gosto muito de pilotar neste circuito.”

 

Sabendo o quão rápidos são os carros da actual geração, quais são as tuas expectativas no que diz respeito à sensação que sentirás em Silverstone, sobretudo, as curvas Maggots, Becketts e Chapel – uma área da pista onde as forças G são sentidas no corpo?

“Estou ansioso por entrar em pista. Estes carros serão muito rápidos naquelas curvas que os carros anteriores. Estou verdadeiramente ansioso.”

 

Com a velocidade a deter um papel tão importante em Silverstone, é muito difícil ultrapassar? E se a oportunidade surgir, onde é possível ultrapassar?

“Será difícil ultrapassar em Silverstone, talvez mais difícil que nos anos anteriores. Provavelmente, na zona de DRS e a caminho da Hangar Straigth será possível. A qualificação será muito importante.”

 

O teu colega de equipa mencionou que a diferença em Silverstone relaciona-se com a possibilidade entre ter um carro bem equilibrado e um carro desequilibrado. Do que precisas em Silverstone para ter um carro de corridas equilibrado?

“Precisamos de um bom equilíbrio a alta velocidade, dado que a maior parte das curvas são de alta velocidade.”

 

Que nível de apoio aerodinâmico pretendem ter no carro para a pista de Silverstone? Até que ponto um piloto pode escorregar com o carro, ou até que ponto a equipa quer que ele escorregue e, dessa forma, diminuir a resistência aerodinâmica?

“Definitivamente, queremos o máximo possível.”

 

Em muitos circuitos a pole-position é crítica. Mas por alguma razão, não é muito importante em Silverstone, onde o autor da pole-position só venceu cinco vezes nos últimos dezanove anos. Isto é um acaso ou é algo que o layout da pista cria, ao garantir mais oportunidades para aqueles que começam mais atrás na grelha de partida?

“Penso que foi um acaso.”

 

Tens algum resultado ou momento especial nas fórmulas de promoção que tenha acontecido em Silverstone?

“Já lá venci muitas vezes, portanto, é um local com boas memórias para mim.”

 

Qual é a tua zona favorita de Silverstone?

“Maggots e Becketts, dado que são curvas de alta velocidade.”

 

Descreve uma volta a Silverstone?

“Normalmente, é ventoso, com ressaltos e molhado.”

 

 

 

 

Silverstone Circuit

  • Número de voltas: 52
  • Distância de corrida: 306,198 quilómetros
  • Velocidade na via das boxes: 80 Km/h
  • Este circuito de 5,891 quilómetros e 18 curvas alberga a Fórmula 1 desde 1950, tendo no ano passado albergado o seu quadragésimo nono Grande Prémio da Grã-Bretanha.
  • Mark Webber detém o recorde de Silverstone (1m33,401s), realizado em 2013 em Red Bull.
  • Lewis Hamilton detém o recorde da qualificação (1m29,243s), realizado em 2016 em Mercedes durante a Q2.
  • Com velocidades médias de cerca de 225Km/h, Silverstone é considerado um circuito de potência e uma das pistas mais velozes da Fórmula 1. A maioria do seu layout é constituído por curvas de média e alta velocidade, permitindo aos pilotos rodarem cerca de sessenta e cinco porcento da volta com o acelerador no máximo. As equipas colocam nos seus carros níveis de apoio aerodinâmico médio/elevados para poderem enfrentar as altíssimas velocidades em curva. Estes níveis de apoio aerodinâmico são alcançáveis dado que tem poucas rectas longas. As suas curvas de alta produzem ultrapassagens, apesar de complicadas devido às velocidades que os pilotos alcançam.
  • Sabia que: O icónico troféu de ouro oferecido aos vencedores do Grande Prémio de Grã-Bretanha é a Taça RAC, e é o mais antigo prémio oferecido na Fórmula 1. Ao contrário dos restantes troféus, o vencedor não o mantem. É devolvido pouco depois das celebrações do pódio.
  • Sabia que: Silverstone tem 18 curvas e cada uma tem o seu nome e a sua história.
    • Abbey (Cuva 1): Esta curva feita a fundo tem o seu nome devido à antiga Abadia de Luffield, cujas ruínas foram encontradas perto da curva. A abadia foi fundada antes de 1133 e foi fechada pelo Rei Henrique VI em 1493.
    • Farm (Curva 2): Esta lenta esquerda é a zona onde os carros regressam à pista vindo das boxes. As origens do seu nome são simples – perto da recta existia uma quinta.
    • Village (Curva 3): Uma das novas curvas introduzidas em 2010, depois da construção do novo complexo, esta direita deve o seu nome à vila de Silverstone, que se encontra a norte do circuito.
    • The Loop (Curva 4): Esta é a única curva que tem o seu nome devido à sua forma. Os pilotos descrevem-na a 90Km/h, tornando-a na curva mais lenta neste circuito de alta velocidade.
    • Aintree (Curva 5): Famoso por albergar a Grande Corrida Nacional de cavalos, Aintree foi o palco também do Grande Prémio da Grã-Bretanha nos anos cinquenta e nos anos sessenta e, num tributo, esta esquerda que antecipa a Wellington Straigth ostenta o nome dessa pista.
    • Wellington Straight: Anteriormente conhecida como a National Straight, a recta até Brooklands foi rebaptizada em 2010, quando se tornou parte do traçado de Grande Prémio de Silverstone. A Wellington Straigth deve o seu nome aos bombeiros de Wellington, que estavam sediados na pista de aviação de Northamptonshire durante a Segunda Guerra Mundial. A recta tem por base uma das antigas pista de voo.
    • Brooklands (Curva 6): Nos dias antes da guerra, Brooklands era a pista mais importante da Grã-Bretanha. Tem sentido que uma das curvas da casa do automobilismo britânico tenha o nome da antiga pista.
    • Luffield (Curva 7): Tal como Abbey, a longa direita deve o seu nome à Capela de Luffield. Introduzida no layout de Grande Prémio na corrida de 1991, Luffield era originalmente duas curvas distintas, conhecidas como Luffield 1 e Luffield 2.
    • Woodcote (Curva 8): O RAC foi o responsável pela organização das primeiras grandes corridas em Silverstone. Dessa forma, o clube teve muita influência no baptismo de muitas das curvas da pista original. Woodcote, uma direita rápida que antigamente terminava a volta, deve o seu nome ao Parque de Woodcote, um clube no Surrey possuído pelo RAC.
    • Copse (Curva 9): Silverstone é rodeado por campos verdejantes e pequenas bolsas de floresta, conhecidas como bosquetes (copse). A rápida curva de Copse, que foi durante quase sessenta anos a primeira curva do circuito, passa perto de Chapel Copse e de Cheese Copse, daí o seu nome.
    • Maggotts, Becketts and Chapel (Curvas 10-14): Abordadas a cerca de 300Km/h, a mais rápida e icónica sequência de curvas de Silverstone era composta por três curvas distintas até 1991. Hoje, estão interligadas. A secção inicial, Maggotts, foi baptizada devido à proximidade de Maggot Moor. Becketts e Chapel, entretanto, devem os seu nomes à capela medieval St. Thomas à Beckett. que foi construída em memória do arcebispo assassinado de Canterbury e que se situa perto das curvas. A capela foi demolida em 1943 para dar lugar ao aeródromo de Silverstone.
    • Hangar Straight: O uso da Silverstone por parte da Royal Air Force significa que tinha diversos hangares enormes. Dois dos maiores ficavam perto do que se tornou na recta traseira do circuito, onde hoje se alcançam velocidades de cerca de 325Km/h.
    • Stowe (Curva 15): Situada no final da Hangar Straigth, a rápida direita sempre foi um desafio para os pilotos, apesar das diversas alterações ao longo dos anos. Como muitas outras curvas de Silverstone, deve o seu nome às suas proximidades, no caso à Escola de Stowe, que se situa a sul do circuito.
    • Vale (Curva 16): Construído como um aeródromo, Silverstone é plano, e por isso, a zona mais desnivelada, que se encontra entre Stowe e Club, foi nomeada como Vale. No entanto, alguns garantem que o nome se deve simplesmente ao facto de esta porção do circuito se encontrar no distrito de Aylesbury Vale.
    • Club (Curvas 17-18): Club é a última curva do circuito. Tal como Woodcote, Club deve-se ao famoso clube do RAC em Pall Mall, em Londres.

Durante o fim-de-semana do Grande Prémio da Grã-Bretanha, as temperaturas mínimas rondarão os 12 a 13ºC e as máximas os 19 a 23ºC. A humidade relativa estará entre os 52% e os 95%. O vento variará entre os 2-21 km/h, raramente excedendo os 27 Km/h.

 

  • Pirelli is bringing three tire compounds to Silverstone:
  • P Zero Branco/Médiopouca aderência, menos desgaste (usado para séries longas de voltas)
  •  P Zero Amarelo/Macio mais aderência, desgaste médio (usado para pequenas séries de voltas e para o segmento inicial da qualificação)
  • P Zero Vermelho/Supermacio maior quantidade de aderência, elevado nível de desgaste(usado para a qualificação e para situações específicas de corridas)
  • O Grande Prémio do Azerbaijão, realizado entre 23 e 25 de Junho foi a última vez que estes três compostos foram usados juntos. O ano passado, em Silverstone, os P Zero Laranja/Duro foram disponibilizados juntamente com os médios e os macios. Silverstone marca o quinto Grande Prémio em que este pacote foi usado em 2017.
  • Os pneus macios foram usados em todos os Grandes Prémios este ano. O Supermacios foram usados em todas as pistas, excepto Barcelona. O Médios foram apenas usados no Grande Prémio da China, no Grande Prémio do Bahrein, no Grande Prémio de Espanha e no Grande Prémio do Azerbaijão.
  • Dois dos três compostos disponíveis têm que ser usados durante a corrida. As equipas podem decidir quando querem utilizar cada um dos compostos, o que proporciona um elemento de estratégia para a corrida. Cada piloto pode usar todos os três tipos de pneus na corrida, se assim desejar. (Se a corrida for disputada com a pista molhada, os Cinturato Azul, pneu de chuva, e o Cinturato Verde, intermédios, estarão disponíveis).
  • A Pirelli fornece a cada piloto 13 jogos de pneus para seco durante o fim-de-semana. Destes 13 jogos, os pilotos e as suas equipas podem escolher a especificação de dez entre os compostos selecionados pela Pirelli. Os três restantes são definidos pela Pirelli – dois jogos de pneus de especificação obrigatória para a corrida (um de P Zero Branco/Médio e outro P Zero Amarelo/Macio) e um obrigatório para a Q3 (um P Zero Vermelho/Supermacio).

Os pilotos da Haas F1 Team escolheram da seguinte forma:

Grosjean: dois jogo de P Zero Branco/Médio, quatro jogos de P Zero Amarelo/Macio e sete jogos de P Zero Vermelho/Supermacio

Magnussen: um jogo de P Zero Branco/Médio, cinco  jogos de P Zero Amarelo/Macio e sete jogos de P Zero Vermelho/Supermacio

 

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

AUSTRIAN GRAND PRIX QUALIFYING   VALTTERI BOTTAS CLAIMS HIS SECOND CAREER POLE POSITION, USING PURPLE ULTRASOFT   HIS TEAM MATE LEWIS HAMILTON WILL START P8 FOLLOWING A GRID PENALTY: USES SUPERSOFT IN Q2 AS AN ALTERNATIVE START STRATEGY   CLOUDY AND UNCERTAIN WEATHER FORECAST TO REMAIN FOR THE RACE TOMORROW, WITH ONE PIT STOP EXPECTED 
  
 
35a Copy– Mercedes driver Valtteri Bottas set fastest time in qualifying for the Austrian Grand Prix, using the purple ultrasoft tyre to go nearly two seconds faster than the best time in qualifying last year. His team mate Lewis Hamilton will start from eighth on the grid following a penalty but used an alternative strategy by selecting the supersoft tyre to set his best time in Q2. This means that he is the only one in the top 10 to start the grand prix tomorrow on this compound, which should allow him to run a longer first stint than his direct rivals. Strategy is obviously going to be directly influenced by the weather though, with the unpredictable conditions expected to remain tomorrow. If the race is dry, a one-stop strategy is likely for most competitors.    MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “The main point of strategic interest today was Lewis Hamilton’s decision to run an alternative strategy, which may have been influenced by his grid penalty. By running a long opening stint on the supersoft, he gives himself the option to go with either the ultrasoft or the soft to the end, depending on the race circumstances. It looks like a onestop strategy will be the preferred choice tomorrow, but of course this depends on the weather conditions as well, which still appear to be uncertain. Once again, we saw the speed of the latest regulations here in Austria: pole was nearly two seconds faster than the quickest time from qualifying last year.”
      Used for most of qualifying by the majority of competitors. The talking point in qualifying: Hamilton used it to get through Q2. With a small performance gap between compounds, interesting for the race.   
 
 
 
 
 
 
 
FREE PRACTICE 3 – TOP 3 TIMES
 
 
QUALIFYING TOP 10
 
 
 
MOST LAPS BY COMPOUND SO FAR
 
 
 
BEST TIME BY COMPOUND SO FAR
 
DRIVER TIME COMPOUND
Vettel 1m 05.092s ULTRASOFT NEW
Hamilton 1m 05.361s ULTRASOFT NEW
Bottas 1m 05.515s ULTRASOFT NEW
DRIVER TIME COMPOUND
Bottas 1m 04.251s ULTRASOFT NEW
Vettel 1m 04.293s ULTRASOFT NEW
Hamilton 1m 04.424s ULTRASOFT NEW
Raikkonen 1m 04.779s ULTRASOFT NEW
Ricciardo 1m 04.896s ULTRASOFT NEW
Verstappen 1m 04.983s ULTRASOFT NEW
Grosjean 1m 05.480s ULTRASOFT USED
Perez 1m 05.605s ULTRASOFT NEW
Ocon 1m 05.674s ULTRASOFT USED
Sainz 1m 05.726s ULTRASOFT USED
COMPOUND DRIVER LAPS
SOFT Raikkonen 28
SUPERSOFT Grosjean, Vettel 29
ULTRASOFT Ericsson 37
COMPOUND DRIVER TIME

 

FELIX DA COSTA CORRE EM NOVA YORK

Félix da Costa corre "em casa" este fim-de-semana em Nova Iorque

A Fórmula E visita este fim-de-semana, pela primeira vez, a cidade de Nova Iorque. Será um fim-de-semana duplo, com duas corridas, onde António Félix da Costa corre no país da sua equipa MS Amlin Andretti, num fim-de-semana onde se espera muito público e uma grande projecção da Fórmula E a nível Mundial.

No seio da equipa MS Amlin Andretti, todos os elementos têm estado bastante activos, na preparação deste fim...-de-semana, não só com sessões intensas em simulador como também com um teste efectuado com Félix da Costa e Robin Frijns. O piloto Português já se encontra nos Estados Unidos e espera um fim-de-semana"muito preenchido, não só porque temos duas corridas, como também porque temos algumas possíveis soluções para testar no nosso carro, portanto temos de ser muito assertivos nas decisões a tomar para não perdermos tempo e irmos na direcção certa. Além disso por ser aqui nos Estados Únicos é uma corrida muito especial para a Andretti e teremos certamente muita atenção sobre nós devido a isso. Quero sobretudo dar a volta aos resultados menos bons das últimas corridas e acabar a época aqui e no Canadá com boas corridas, bons progressos e boas indicações para a próxima temporada!", afirmou o piloto da MS Amlin Andretti, formação Americana lidera pelo Ex-Campeão do Mundo de Fórmula 1 - Mario Andretti.

Quanto ao traçado Nova Iorquino, de salientar a localização privilegiada, situada no bairro de Brooklyn e Red Hook, com vistas deslumbrantes sobre o icónico horizonte de Manhattan e a Estátua da Liberdade. A pista terá 1,95 km de perímetro e é composta por dez curvas, esperando-se casa cheia num evento que se espera de grande dimensão e projecção à escala Mundial. Recorde-se que a Fórmula E tem vindo a crescer e ganhar cada vez mais importância, com várias marcas a garantirem desde já a presença no campeonato, casos da Renault, Jaguar, Audi, DS, Mahindra e recentemente a BMW a confirmar a entrada em 2019.

O programa do fim-de-semana tem inicio 6ª feira com a tradicional sessão de ambientação à pista, chamado de "shakedown". No Sábado terão lugar duas sessões de treinos livres, logo seguida da qualificação, com transmissão em directo na Sporttv 2 a partir das 16.45 (hora Portuguesa). Mais ao final da tarde, a partir das 20:30 poderá acompanhar a corrida em directo na Sporttv3. No Domingo o programa repete-se na integra com novos treinos livres e a qualificação, transmitida na Sporttv3 a partir das 13:45. A partir das 18:30 terá lugar a 2ª corrida do fim-de-semana com 43 voltas programadas ao circuito de Brooklyn.

 

PORSCHE NA FÓRMULA 11 ???

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

COMENTA-SE QUE A PORSCHE PODERÁ TER INTERESSE NA F 1

 

 

 

Comenta-se nos bastidores da Fórmula 1 , que a Porsche pode regressar à F1 em 2020 ou 2021, com as novas regras de motores que seriam também capazes de interessar Lamborghini, Aston Martin, Ilmor e Cosworth (acho que haveria mais "motoristas" que equipas). Mas por Silverstone, e ontem em Londres, o que se falava mais era da união McLaren / Ferrari através da... Alfa Romeo já em 2018 ou 2019. Sean Bull pegou no tema e como tão bem sabe deu "cor" ao rumor.

 

FÓRMULA E EM NOVA YORK

 

DS VIRGIN COM GRANDES ASPIRAÇÕES PARA o ePriX De NOVA IORQUE COM EQUIPA 100% BRITÂNICA

 

  • A DS Virgin Racing aposta numa formação 100% britânica para garantir uma forte pontuação na próxima jornada do Campeonato FIA de Fórmula E, na estreia desta competição nas ruas de Nova Iorque, a 15 e 16 de Julho.

 

Numa prova que se vai desenrolar nas ruas de Brooklyn, Sam Bird vai ter a companhia do seu compatriota Alex Lynn, o habitual piloto de reserva da equipa que irá substituir José María López, constituindo-se, assim, a primeira formação 100% britânica deste campeonato.

Na anterior jornada, disputada em Berlim, a DS Virgin Racing teve um fim de semana bem-sucedido, com ambos os pilotos a pontuarem em ambas as corridas ali disputadas, resultado que a levou a ascender ao 4º lugar na classificação geral por Equipas, com 40 pontos de vantagem sobre a adversária mais direta.

Este campeonato 100% elétrico aponta agora baterias a Nova Iorque para a realização da 9ª e 10ª corridas do ano, naquela que será a penúltima cidade da época 2016/2017. Construído propositadamente para o efeito, o circuito com 1,953 km e 10 curvas vai permitir aos pilotos alcançar velocidades até aos 195 km/h em duas corridas com distâncias diferentes – 43 voltas no Sábado e 49 no Domingo – um formato concebido para tornar o evento ainda mais competitivo.

A propósito da corrida de Nova Iorque, Bird declarou: “Pelo que pude avaliar no simulador, a pista parece ser muito boa e deve proporcionar corridas bastante disputadas, para gáudio do público nova-iorquino. Com duas provas, cada uma com um total de voltas diferente, a estratégia vai ser fundamental, especialmente quando estão em jogo o dobro dos pontos.

Por seu lado, Lynn tem um sentimento muito especial: “Fazer a minha estreia na Fórmula E em Nova Iorque é uma sensação fantástica. Num ambiente tão competitivo, a preparação é fundamental, por isso trabalhámos arduamente com os engenheiros, tanto no simulador como na pista de testes. O carro está óptimo e estou confiante de que vou dar uma boa contribuição para a equipa.

 

Ao longo do fim-de-semana os pilotos irão contar ainda com o apoio do fundador da Virgin, Sir Richard Branson - recentemente anunciado como novo piloto de reserva da equipa – que vai estar presente na prova a disputar na Big Apple.

Alex Tai, Diretor da Equipa, declarou: “Estamos bastante impressionados com o Alex, piloto que, em conjunto com o Sam, fará uma excelente dupla. A equipa fez um óptimo trabalho na última corrida em Berlim, com um excelente rendimento, mas sei que há mais para dar. Um lugar no pódio em Nova Iorque é algo que está perfeitamente ao nosso alcance. Para a equipa, Nova Iorque é um acontecimento especial para todos, com muita coisa a acontecer em pista e fora dela, tal como a nossa ‘Cimeira da Inovação’, iniciativa pioneira em que Sir Richard Branson se verá acompanhado por 250 dos mais destacados e influentes empresários da cidade, num debate dedicado às alterações climáticas e ao papel da classe empresarial na matéria.

Por seu lado, o Director da DS Performance, Xavier Mestelan, refere: “Depois da corrida de Berlim, encetámos um intenso programa de testes para melhorar a eficiência de consumos e o andamento do carro com vista à prova de Nova Iorque. Ambos os pilotos passaram longas horas no simulador a tomar conhecimento com a pista e como gerir a energia. Identificámos os pontos em que tínhamos de trabalhar de forma a lhes garantir condições para lutarem pela vitória.

As corridas do ePrix de Nova Iorque, 9ª e 10ª provas do Campeonato FIA de Fórmula E 2016/2017, têm lugar nos dias 15 e 16 de julho. Para participar ativamente no sucesso da DS Virgin Racing, à medida que época prossegue, os fãs podem deixar o seu voto FanBoost a favor de Sam Bird ou Alex Lynn, bastando, para tal, que usar a app oficial, o portal www.fiaformulae.com/fanboost ou o Twitter e Instagram, enviando-se a hashtag #Fanboost, seguida de #SamBird ou #JAlexLynn. Na passada temporada, a DS Virgin Racing foi a equipa que mais #Fanboost conquistou.

CAMPEONATO FIA DE FÓRMULA E 2016-2017 – Nova Iorque (9ª e 10ª provas, de um total de 12)

PROGRAMA

Sexta feira, 14 de Julho   Shakedown                   15:00

Sábado, 15 de Julho                                              Treinos Livres 1       08:00

                                   Treinos Livres 2            10:30

                                   Qualificação – Grupo 1         12:00

                                   Super Pole                     12:45

                                   Corrida 1                       16:00

Domingo, 16 de Julho     Treinos Livres 1            08:00

                                   Treinos Livres 2            10:30

                                   Qualificação – Grupo 1         12:00

                                   Super Pole                     12:45

                                   Corrida 2                       16:00

 

 

Caraterísticas Técnicas – DSV-02

Comprimento x Largura X Altura          5 x 1,78 x 0,99 m

Distância entre eixos                 3,10 m

Peso do carro / baterias             880 kg mínimo, com condutor / 190 kg (capacidade: 28 KWh)

Motor                                        Um motor elétrico com transmissão ás rodas traseiras

Potência máxima                       200 kW (271 cv)

Regeneração de potência em prova        150 kW (Energia regenerada em travagem ou em abrandamento)

Alimentação                              700 V

Caixa de velocidades                3 relações

Travões                                     Discos em carbono ventilados, pinças de 4 êmbolos

Velocidade máxima                  225 kmh

Aceleração 0 a 100 km/h          Menos de 4s

Distância de travagem              100 m para passar de 210 km/h a 40 km/h

Pneus                                        Michelin Pilot Sport EV 2

Dimensões dos pneus 245x40R18 (dianteiros), 305x40R18 (traseirosam12 Copyam13 Copy
 

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

 

  1. CAPÍTULO X
  2. Ao quadrado na pressão. Permitam-me uma opinião pessoal: já é tempo de alguém travar esta mania britânica de se acharem diferentes, para melhor. É que, de facto, a F1 pode passar sem um GP na Grã- Bretanha com já passou sem uma prova em França ou na Alemanha e não acabou. Sei que as provas tradicionais são importantes. Mas não sei se os construtores e até os patrocinadores não preferem uma segunda corrida na China. Claro que Silverstone é uma das pátrias da disciplina. Mas há limites... na paciência para o snobismo.

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

PIRELLI TYRE STRATEGY CONTRIBUTES TO
CLOSE RACING IN F2 AND GP3 IN AUSTRIA


Tyre strategy contributed to some close racing in Formula 2 and GP3 at the Red Bull Ring.

Ferrari Driver Academy member Charles Leclerc won the feature race from his fifth pole position in a row. He started the race on the soft tyre, together with his Prema team-mate Antonio Fuoco in second and the ART Grand Prix drivers Alex Albon and Nobuharu Matsushita, who ran third and fourth in the early stages.

Most of the other drivers started the race on the supersoft tyre, led by the DAMS drivers Nicholas Latifi and Oliver Rowland, who pitted on lap six and lap seven respectively for the soft tyre.

The leading cars pitted with around 10 of the 40 laps remaining to switch from soft to supersoft. Leclerc remained in the lead, but Fuoco rejoined between Rowland and Latifi. He used the better grip offered by the supersoft to quickly pass Rowland, but it was Latifi that was fastest in the closing laps and he worked his way up to second and finished on the tail of Leclerc.

The Formula 2 sprint race was won by Artem Markelov, who set a fast pace at the front of the field after starting on reversed grid pole position, but still managed to preserve his soft tyres well. His Russian Time team-mate Luca Ghiotto also showed good performance, rising from 14th to finish fourth.

In GP3, where the soft tyre was used, the ART Grand Prix team dominated the first race and occupied the first four places, with George Russell winning after a close battle with Jack Aitken. Behind the ART quartet there was an exciting race-long battle over fifth place between several cars lapping in close proximity.

Raoul Hyman won in the second race, leading from pole position on the reversed grid and absorbing pressure from Giuliano Alesi, the son of ex-Formula 1 star Jean Alesi. Nirei Fukuzumi repeated his third place from the first race despite starting sixth.

Quotes:

Pirelli’s head of car racing Mario Isola: “We saw an entertaining Formula 2 Feature Race on Saturday with opposing tyre strategies creating some close racing until the finish. Charles Leclerc judged his strategy perfectly: the lead he built in the middle of the race was crucial late on when Nicholas Latifi was very quick on the alternate strategy. In GP3, there was some close racing throughout the field in both races, even though the degradation was low due to the nature of the Red Bull Ring.”

Charles Leclerc, Formula 2 Feature Race winner: “It wasn’t easy, definitely! At the end Nicholas was coming very, very quickly. We had a good start and I managed the tyres as much as I could, because I knew I had to do a lot of laps to the pitstop, so I was managing the gap to the end. At around the middle of the stint I could push a bit harder to open out the gap, and that helped us to win the race because at the end the gap was not huge. The last part of the race was really hard to manage, because with the soft tyres they degrade a lot quicker than we thought, and Nicholas was just very quick.”

Both Formula 2 and GP3 will be back in action at Silverstone next weekend (July 13-16).

***

 

 

 31I6668

Leclerc won F2 feature race after starting on P Zero Yellow soft tyres

 ONY2131

Markelov won F2 sprint race on soft tyres

 ONZ0823

Russell led Aitken in a close GP3 battle on soft tyres

 

HAAS NO G.P.AUSTRIA

 

Evento:  Qualificação para o Grande Prémio da Áustria (Round 9 de 20)

Data:  Sábado, 8 de Julho

Local:  Red Bull Ring em Spielberg

Layout:  4,318 quilómetros, circuito de 10 curvas

Condições Climatéricas:  Encoberto

Temperatura do Ar:  28,3-29,9ºC

Temperatura da pista:  37,9-44,3ºC

Pole-Position:  Valtteri Bottas da Mercedes (1m04,251s – novo recorde)

Resultado:  Romain Grosjean / Kevin Magnussen 15º

Nota:  Grosjean arrancará de sexto devido à penalização sofrida por Lewis Hamilton

 

 

 

●  Tem a duração de 18 minutos, com a participação de todos os 20 pilotos
●  Os 15 pilotos mais rápidos avançam para a Q2

Grosjean:  8º (1m05,902s), avançou para a Q2

Magnussen:  12º (1m06,143s), avançou para a Q2

Piloto mais rápido:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m05,064s)

Cutoff:  Stoffel Vandoorne da McLaren (1m06,316s)

 

 

 

●  Tem a duração de 15 minutos, com a participação dos 15 pilotos mais rápidos provenientes da Q1
●  Os 10 pilotos mais rápidos avançam para a Q3

Grosjean:  7º (1m05,319s), avançou para a Q3

Magnussen:  15º (s/tempo)

Piloto mais rápido:  Valtteri Bottas da Mercedes (1m04,316s)

Cutoff:  Esteban Ocon da Force India (1m05,550s)

 

 

 ●  Tem  a duração de 12 minutos, com a participação dos 15 pilotos mais rápidos provenientes da Q2, lutando todos pela pole-position

Grosjean:  7º (1:05.480)

Pole-Position:  Valtteri Bottas da Mercedes (1m04,251s)

Segundo:  Sebastian Vettel da Scuderia Ferrari (1m04,293s)

 

 

 

Os pilotos da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Kevin Magnussen, qualificaram-se em sétimo e décimo quinto, respectivamente, para o Grande Prémio da Áustria, que se realiza domingo no Red Bull Ring, em Spielberg.

 

Grosjean, contudo, arrancará de sexto devido à penalização de cinco lugares na grelha de partida a ser cumprida  por Lewis Hamilton. O piloto da Mercedes qualificou-se no terceiro posto, mas sofreu uma penalização devido a uma mudança de caixa de velocidade após o Grande Prémio do Azerbaijão. A FIA exige que as caixas de velocidades realizem seis eventos consecutivos e a do Hamilton não cumpriu esta exigência.

 

A posição de Grosjean iguala o melhor resultado na grelha de partida da Haas F1 Team. Grosjean qualificou-se no sexto posto para a primeira corrida da temporada, o Grande Prémio Austrália, há oito provas atrás.

 

O sexto posto alcançado por Grosjean deveu-se a ter avançado para a Q3 pela quarta vez esta temporada. Assinou o oitavo posto na Q1, 1m05,902s, avançando para a Q2. Depois registou o crono de 1m05,319s, marcando o sétimo tempo e avançou para o derradeiro round da qualificação. Então, uma volta de 1m05,480s antes de um problema electrónico o ter obrigado a parar em pista lançou-o para o sétimo posto.

 

Magnussen ter-se-ia, certamente, juntado ao seu colega na Q3, mas um problema na suspensão na Q1 empatou esses planos. Magnussen registou o décimo segundo tempo na Q1, 1m06,143s, o que lhe permitiu passar para a Q2. No entanto, a suspensão partida não podia ser reparada a tempo de Magnussen voltar à pista, não lhe tendo sido possível realizar um tempo na Q2, o que o deixou no décimo quinto lugar.

 

Tanto Magnussen como Grosjean rodaram exclusivamente com pneus Pirelli P Zero Roxo/Ultramacio ao longo de toda a qualificação.

 

Valtteri Bottas alcançou a pole-position para o Grande Prémio da Áustria. A sua melhor volta, 1m04,251s, representa um novo recorde, batendo o anterior tempo 1m05,092s, marcado por Sebastian Vettel, Scuderia Ferrari, algumas horas antes no terceira sessão de treinos-livres. Bottas registou a sua segunda pole-position na Fórmula 1 ao bater Vettel apenas por 0,042s.

 

Antes, de Grosjean, Magnussen e o resto do pelotão participarem na qualificação tiveram ainda a sessão final de treinos-livres. Ambos os pilotos iniciaram a sessão com pneus supermacios para realizarem uma volta de instalação, seguindo-se dez voltas lançadas. Para simular a qualificação, ambos os pilotos saíram para a pista uma última vez com pneus ultramacios.

 

Magnussen completou vinte e uma voltas, registando o sétimo crono, 1m05,936s, na sua décima sexta volta. Grosjean efectuou vinte e duas voltas, marcando o oitavo tempo – 1m06,015s, na sua décima quarta volta.

 

Vettel foi o mais rápido, tendo a sua melhor volta, 1m05,092s, deixado o segundo mais rápido, Hamilton, a 0,269s.

 

 

 

Temos sido rápidos todo o fim-de-semana, o Kevin e eu. Ambos temos estado muito satisfeitos com o carro. Infelizmente, o Kevin teve um problema com a suspensão na Q1, caso contrário, penso que também estaria na Q3. Entre a Q1 e a Q2 encontrámos alguma performance. Estávamos com uma boa aderência no carro. No final, penso que perdemos apenas uma ligação eléctrica no carro. Espero que não seja nada mais grave que isso. Amanhã temos uma longa corrida. Vais ser duro para os travões, para o motor e fisicamente. É a segunda vez, depois de Melbourne, que sinto que os pneus estão a funcionar, consigo tirar prazer da pilotagem e levar o carro até ao limite.”

 

 

 

Estávamos bem, portanto, é verdadeiramente frustrante não participar na totalidade da qualificação. Foi azar partir a suspensão traseira. Foi mesmo azar. Penso que hoje poderíamos chegar à Q3 e ter uma boa possibilidade de marcar pontos amanhã. Agora é mais difícil. Temos estado bem todo o fim-de-semana. Estávamos com bom ritmo e estávamos entre os dez primeiros. Sinto-me frustrado por não ter podido fazer nada.”

 

 

 

Foi um bom seguimento do dia de ontem na terceira sessão – foi sólida – e continuámos na qualificação. Infelizmente, o Kevin teve um problema na suspensão. O tempo dele era suficientemente bom para passar à Q2, mas não pôde participar nela. O Romain conseguiu chegar à Q3, o que é bom. Qualificou-se em sétimo. Na sua volta com pneus novos teve uma problema electrónico – que ainda estamos a investigar – mas deveremos estar na grelha, amanhã, sem mais problemas. Com o ritmo que o nosso carro demonstrou este fim-de-semana, com o Kevin a arrancar de décimo quinto, temos ainda esperanças que ele termine nos pontos e, claro, com o Romain. Esperamos que não tenhamos mais questões técnicas e tenhamos uma boa corrida amanhã.

 

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal. 

 

HAAS NO G.P.AUSTRIA

 

Evento:  1ª e 2ª Sessões de treinos-livres para o Grande Prémio da Áustria

Data:  Sexta-Feira, 7 de Julho

Local:  Red Bull Ring, em Spielberg

Layout:  4,318 quilómetros, circuito de 10 curvas

Condições climatéricas na 1ª Sessão:  Céu encoberto

Temperatura do ar na 1ª Sessão:  22,9-27,9ºC

Temperatura da pista na 1ª Sessão:  34,6-46,5ºC

Condições climatéricas na 2ª Sessão:  Céu encoberto

Temperatura do ar na 2ª Sessão:   28,7-30,9ºC

Temperatura da pista na 2ª Sessão s:  38,4-43,2ºC

Pilotos:  Romain Grosjean e Kevin Magnussen

 

 

 

Magnussen:  12º (1m07,594s), 30 voltas

Grosjean:  16º (1m08,074s), 20 voltas

Piloto mais rápido:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m05,975s)

Mais voltas completadas:  Esteban Ocon da Force India (39)

 

 

 

Magnussen:  7º (1m06,591s), 43 voltas

Grosjean:  10º (1m06,763s), 52 voltas

Piloto mais rápido:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m05,483s)

Mais voltas completadas:  Kimi Räikkönen da Scuderia Ferrari (54)

 

 

 

O nono round do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 começou esta sexta-feira no Red Bull Ring, em Spielberg, com as equipas a prepararem o Grande Prémio da Áustria, que se realiza no domingo. As duas sessões de treinos-livres realizadas no circuito de 4,318 quilómetros e 10 curvas tiveram como pano de fundo o céu encoberto.

 

Os pilotos da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Kevin Magnussen, tiveram sortes distintas na primeira sessão.

 

Um furo no pneu dianteiro/esquerdo no Haas VF-17 de Grosjean, quando tinha completado sete voltas lançadas, colocou um ponto final na sua sessão, quando ainda faltavam vinte e cinco minutos de actividade em pista. Grosjean estava com o segundo jogo de pneus Pirelli P Zero Vermelho/Supermacio quando sofreu o furo, e com as equipas impedidas de usarem os seus jogos de pneus após os primeiros quarenta minutos de sessão, de acordo com as regras da FIA, Grosjean teve que ficar fora do restante tempo da primeira sessão. A sua melhor marca, 1m08,074s, foi alcançada na sua décima oitava volta, colocando-o no décimo sexto posto da tabela de tempos. Grosjean realizou mais duas voltas antes do furo.

 

Magnussen teve uma primeira sessão mais produtiva e completou trinta voltas, com a sua melhor marca, realizada na penúltima volta, 1m07,594s, colocou-o no décimo segundo posto.

 

Ambos os pilotos iniciaram a sessão com voltas de instalação com pneus macios para depois trocarem definitivamente para supermacios.

 

Lewis Hamilton, da Mercedes, liderou a primeira sessão, com uma volta de 1m05,975s, batendo o recorde da pista – 1m06,228s que registou o ano passado durante a Q2 do Grande Prémio da Áustria. Para além disso, deixou o segundo mais rápido a 0,190s, Max Verstappen, da Red Bull.

 

A segunda sessão correu de muito melhor forma para o duo da Haas F1 Team, com ambos os pilotos a terminarem entre os dez primeiros.

 

Magnussen melhorou a sua marca matinal em 1,003s, com uma volta de 1m06,591s alcançada na sua décima oitava passagem pela meta, tinha pneus ultramacios no seu monolugar. Grosjean também melhorou, baixando em 1,311s o seu tempo da manhã, ficando com o registo de 1m06,763s, obtido na sua vigésima terceira volta, também com pneus ultramacios.

 

Ambos os pilotos realizaram programas semelhantes na segunda sessão, começando com pneus supermacios para depois mudarem para pneus ultramacios, acabando a sessão com supermacios usados. Magnussen completou quarenta e três voltas e Grosjean cinquenta e duas.

 

Hamilton manteve-se como o mais rápido, com uma marca de 1m05,483s, melhorando a sua marca da manhã em 0,492s. Foi também 0,147s mais rápido que o segundo na tabela de tempos, Sebastian Vettel, da Scuderia Ferrari.

 

Entre as duas sessões, a Haas F1 Team completou cento e quarenta e cinco voltas – setenta e três através de Magnussen e setenta e duas através de Grosjean.

 

 

 

"Foi um bom dia. Tivemos um furo de manhã, mas tivemos uma boa tarde. Herdámos algumas coisas no carro, portanto, temos algum trabalho para fazer esta noite. No geral, foi positivo.”

 

 

 

Estou satisfeito com a nossa sexta-feira. É uma pista divertida para pilotar e o carro está a comportar-se bem. Estou ansioso pelo dia de amanhã para verificar se o nosso ritmo se repete na qualificação. Vamos ver.”

 

 

 

Não foi um mau dia. Fizemos muitas voltas e aprendemos muito. Há ainda coisas a fazer, dado que tivemos alguns danos no fundo plano no carro do Romain na segunda sessão, portanto, temos que ver como tudo corre. No geral, foi um dia positivo. Espero que possamos continuar assim amanhã.”

 

 

 

Os pilotos têm mais uma sessão de treinos-livres no sábado (11h00-12h00) antes da qualificação que se inicia às 14h00. A qualificação consiste em três segmentos, com os quinze mais rápidos da Q1 a passar à Q2. Depois, os dez mais rápidos da Q2 passam para a Q3, onde lutam pela pole-position.

 

 

 

Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal. 

 

 

LUCAS DI GRASSI FALA DA FÓRMULA E

 

Brasileiro Lucas di Grassi, que defende há cinco anos a marca das quatro argolas, aposta no crescimento do time em investimento e desempenho

Da aposta vencedora de 13 edições das 24 Horas de Le Mans com a tecnologia híbrida, a Audi passa a se comprometer 100% com a tecnologia movida a eletricidade ao anunciar, nesta sexta-feira (7), que assume o controle da equipe ABT no grid da Fórmula E a partir da próxima temporada.

A equipe passará a se chamar Audi Sport ABT Schaeffler e o início da parceria já tem data marcada: 2 de dezembro em Hong Kong, na abertura da temporada 2017-2018. A Audi tem seu nome na equipe alemã desde o primeiro campeonato da categoria, em 2014, e teve, no brasileiro Lucas di Grassi, a primeira vitória da história da Fórmula E.

A marca intensificou a parceria com aporte financeiro e técnico. Agora, o passo final foi dado em fazer o time se tornar uma equipe 100% de fábrica.

“Muito importante essa mudança que está acontecendo. Como equipe, a ABT e a Schaeffler deram muitos resultados positivos, porém ainda não era uma equipe de fábrica, apesar de a Schaeffler ter feito um excelente trabalho. Agora mudamos de nível”, destsaca Lucas di Grassi.

Para o brasileiro, que defende a marca desde o final de 2012 conquistando vitórias no Campeonato Mundial de Endurance e também na Fórmula E, o sentimento só pode ser de otimismo. “A Audi muda de estratégia, partindo dos híbridos para os elétricos e torna-se a primeira montadora alemã a se comprometer com a Fórmula E. Isso deve gerar um efeito dominó, já que outras fabricantes devem entrar também, e sem dúvida isso vai representar, no nosso caso, uma melhora significativa de desempenho para os próximos anos – por causa de investimento, know-how, várias outras coisas”, enumera.

Lucas comemora o anúncio. “Do meu ponto de vista, é uma excelente notícia. Estou muito feliz que a Audi esteja 100% comprometida com a Fórmula E e enxergue a categoria como o futuro. Para mim, que sempre acreditei na Fórmula E desde o início, é sempre motivo de alegria ver montadoras se juntando”, afirmou.

“Agora, no caso da Audi, isso torna tudo mais especial, já que estou com a marca desde 2012 como piloto de fábrica e continuar com a Audi Sport é excelente. Agora temos mais chances de desenvolver um equipamento melhor e lutar por mais vitórias e títulos”, concluiu o brasileiro, que retorna à ativa no final de semana dos dias 15 e 16 de julho com a etapa dupla de Nova York da Fórmula E.

A68 Copy

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

AUSTRIAN GRAND PRIX PRACTICE SESSIONS
 
LEWIS HAMILTON BEATS LAST YEAR’S FASTEST TIME  OF THE WEEKEND AT THE RED BULL RING, IN FP2
 
LOW WEAR AND DEGRADATION, AS WELL AS SMALL GAPS OVER THE SHORT LAP IN AUSTRIA: SOFT COMPOUND COULD BE CHOSEN FOR THE RACE
 
UNCERTAIN WEATHER CONDITIONS PREVAIL:  THIS COULD BE THE CASE FOR THE REST OF THE WEEKEND 
 
  A64 Copy Mercedes driver Lewis Hamilton set the fastest time in FP2 today of 1m05.483s on ultrasoft, comfortably beating the fastest time seen during qualifying last year (which was set in Q2). Just as was the case in 2016, the weather was changeable at the Red Bull Ring, with a few drops of rain between the sessions that did not however affect track conditions significantly. FP2 started in track temperatures of 40 degrees centigrade; by the end of the session these had dropped to 36 degrees, under a cloudy sky. With smooth asphalt and a low-grip surface, wear and degradation were minimal, with practically zero graining, meaning that a one-stop strategy is likely to be considered.   
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “There were no real surprises during free practice in Austria, with the soft, supersoft and ultrasoft compounds – all of which were seen on track today – providing performance in line with our expectations. With such a short lap in terms of time and relatively few corners at the Red Bull Ring, the lap time gap between compounds seems smaller compared to what we expected from simulation data. This brings the soft into play as a viable race tyre, particularly for those thinking about a one-stop strategy. However, most drivers have only chosen a small number of soft sets, meaning that some have already been looking to save those soft tyres for possible use during the race. As ever, the weather has been a question mark and we expect that uncertainty to continue for the rest of the weekend, which will obviously have a profound additional effect on strategy.” 
 
FREE PRACTICE 1 – TOP 3 TIMES
 
 
FREE PRACTICE 2 – TOP 3 TIMES
 
DRIVER TIME COMPOUND
Hamilton 1m05.975s SOFT USED 
Verstappen 1m06.165s SUPERSOFT NEW
Bottas 1m06.345s SUPERSOFT NEW
DRIVER TIME COMPOUND
Hamilton 1m05.483s ULTRASOFT NEW
 
 
 
 
 
FP1 - BEST TIME BY COMPOUND 
 
 
 
FP2 - BEST TIME BY COMPOUND 
 
 
 
MOST LAPS BY COMPOUND SO FAR
 
 
 
TYRE STATISTICS OF THE DAY
 
 
* The above number gives the total amount of kilometres driven in FP1 and FP2 today, all drivers combined. ** Per compound, all drivers combined.
 

 

RENAULT FESTEJA

 

A RENAULT FESTEJA 40 ANOS DE PAIXÃO PELA FÓRMULA 1

E LANÇA “A CHALEIRA AMARELA DE 2017”

 


Para festejar 40 anos de sucesso, paixão e orgulho por figurar entre as marcas históricas da Fórmula 1, a Renault decidiu recriar esta «anedota» do passado e criou, desta vez, a verdadeira chaleira amarela: «The Yellow Teapot».

A decisão da Renault de entrar no exclusivo mundo da Fórmula 1 foi tomada em 1975 e tornou-se efetiva em 1977, com um primeiro monolugar denominado RS01. A entrada na Fórmula 1 estava intimamente ligada aos avanços tecnológicos, à época, no que dizia respeito ás motorizações. Depois de meses de estudos, a Renault escolheu introduzir um motor turbocomprimido, um tipo de motorização absolutamente inédito na Fórmula 1.A51 Copy

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

PIRELLI ANNOUNCES COMPOUND CHOICES AND MANDATORY SETS FOR THE 2017 UNITED STATES GRAND PRIX 
 
- Pirelli announces the following compounds for the seventeenth round of the 2017 Formula One season (October 20-22).
 
 
 
 
(1) Each driver must save for Q3 one set of the softest of the three nominated compounds. This set will be given back to Pirelli after Q3 for those who qualify in the top 10, but the remaining drivers will keep it for the race – as is the case currently.
 
(2) Each driver must have both these sets available for the race and must use at least one of them.
 
The Teams are free to choose the remaining 10 sets, thus making up 13 sets in total for the weekend.
 
 
THE TYRES NOMINATED SO FAR*
 
    Qualify1    Race2   
      Australia      China      Bahrain      Russia      Spain      Monaco      Canada      Azerbaijan      Austria      Great Britain      Hungary     
 
 
 
 
 
(*) The regulations mean that the tyre sets choice for the long-haul events has to be made by the teams 14 weeks in advance, whereas for the European races the deadline is 8 weeks in advance.

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

SELECTED SETS PER DRIVER

The FIA communicated to Pirelli each team’s tyre choices for the forthcoming British Grand Prix (Silverstone, 14-16 July).

alt

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

AUSTRIAN GRAND PRIX PREVIEW

alt

 

HAAS NO G.P.AUSTRIA

 

Haas F1 Team Apontada à Áustria

A Equipa Americana Procura a Quinta Classificação

nos Pontos Consecutiva e Sétima da Temporada

 

) – Com o Grande Prémio da Áustria, que se disputa a 9 de Julho no Red Bull Ring, em Spielberg, o Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 de 2017 inicia o seu tour europeu. Um conjunto de cinco corridas inicia-se na Áustria para depois rumar a Inglaterra, Hungria, Bélgica e Itália.

 

A Haas F1 Team chega ao Verão com quatro resultados consecutivos nos pontos, totalizando seis classificações entre os dez primeiros ao longo da temporada, o que lhe permitiu alcançar o sétimo lugar no Campeonato de Construtores. Tem uma margem de três pontos para o oitavo classificado, a Renault, ao passo que no sexto posto está Toro Rosso, com mais doze pontos.

 

Depois de ter registado vinte e nove pontos na sua temporada de estreia, a Haas F1 Team chegou a 2017 com o intuito de expandir esse número ao colocar consistentemente os seus carros nos pontos. Depois de sete corridas, a equipa americana acumulou vinte e um pontos e só em duas corridas não terminou entre os resultados.

 

No ano passado, a Haas F1 Team alcançou os pontos em cinco corridas. A formação já ultrapassou a marca alcançada no seu ano de estreia, ainda antes da temporada ter chegado ao seu meio. O sabor regular dos pontos deixou a equipa ainda mais faminta e a formação já não tem esperança de alcançar pontos, espera-os.

 

No Grande Prémio da Áustria do ano passado, o piloto da Haas F1 Team, Romain Grosjean, terminou num bom sétimo lugar, somando seis pontos. O seu regresso e o do seu colega de equipa, Kevin Magnussen, que terminou há duas semanas o Grande Prémio do Azerbaijão no sétimo posto, estão prontos para conquistar mais pontos.

 

Marcar pontos em 2017 tem provado ser um desafio extraordinário, em parte devido a um meio do pelotão excepcional. Os pináculos da Fórmula 1 – Scuderia Ferrari, Mercedes e Red Bull – continuam fortes como sempre. Mas a diferença entre os concorrentes do meio do pelotão – Force India, Williams, Toro Rosso, Haas F1 Team, Renault, Sauber e McLaren é pequeníssima. Todos já marcaram pontos e, por vezes, a equipa que lidera numa semana está em recuperação na seguinte.

 

Este meio do pelotão compacto vai agora para o compacto Red Bull Ring. O circuito de 4,326 quilómetros é uma versão condensada do Österreichring, que albergou a Fórmula 1 entre 1970 e 1987. É um circuito relativamente curto e apenas os circuitos do Mónaco, México City e Interlagos são mais curtos. Tem apenas nove curvas – o menor número na Fórmula 1 – mas cobre um largo espectro de condições.

 

A principal zona de ultrapassagem no Red Bull Ring surge na Curva 2 (Remus), onde, após uma forte travagem, os pilotos realizam a curva apertada em segunda velocidade. Por oposição, a secção com a Curva 8 (Rindt), que os pilotos descrevem em sexta velocidade, leva os carros até aos seus limites. Ambos os tipos de curvas, e as que estão pelo meio, exigem tracção extraordinária, e por isso, a Pirelli leva os seus três compostos mais macios – P Zero Amarelo/Macio, P Zero Vermellho/Supermacio e P Zero Roxo/Ultramacio – para o Grande Prémio da Áustria.

 

A Áustria marca o quinto Grande Prémio com este pacote de pneus, tornando-o, de longe, mais popular de 2017. Este mesmo pacote foi usado o ano passado na Áustria.

 

A incrementar a consistência da escolha de pneus, está a consistência que surge com a tour europeia da Fórmula 1. Depois de ter cruzado o globo desde meados de Março, nos próximos dois meses os tempos de voo serão reduzidos substancialmente, assim como o jetlag. As equipas podem levar os seus camiões, o que oferece ambientes de trabalho consistentes para os seus pilotos, os seus membros e os seus parceiros. É o mais próximo da normalidade que os viajantes da Fórmula 1 podem alcançar.

 

A Haas F1 Team abraça essa consistência, assim como o calor e os raios de Sol do Verão. É uma combinação que pode garantir mais pontos em Red Bull Ring.

Red Bull Ring

 

Perímetro: 4,326 km

Voltas: 71

Distância de Corrida: 307,020 km

Transmissão: Sport TV5 13h00

 

 

Sobre a Haas Automation

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal             

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal.

 

 

Quatro resultados nos pontos, seis no geral – mais um que no total do ano passado. Consistência e sustentabilidade eram os objectivos para este início de ano. De que forma estão a alcançar estes objectivos?

“O jogo tornou-se mais difícil. O meio do pelotão está mais compacto este ano. Logo, é mais difícil alcançar os pontos. Temos tido mais resultados nos pontos, mas menos pontos. É complicado, mas penso que mostrámos que progredimos como equipa e estamos mais consistentes. Olhem para as nossas paragens nas boxes, por exemplo. Normalmente, são muito boas. Leva tempo e não podemos comprar tempo. Temos que ter tempo para resolver os problemas e crescer. Desde que mostremos evolução, penso que estamos bem.”

 

“As equipas que estão na categoria já cá estão há décadas. As únicas com as quais nos podemos comparar são com aquelas que já não existem – as que entraram em redor de 2010. Todas essas equipas juntas marcaram menos pontos que nós numa temporada e meia. Penso que estamos a mostrar o que prometemos. Queremos ser um contendor, bem-sucedidos, mas também conhecemos as nossas limitações. No geral, estamos a realizar um bom trabalho.”

 

Um piloto teve um Grande Prémio do Azerbaijão muito bom – o Magnussen terminou no sétimo posto, o melhor resultado da temporada – e o outro, Grosjean, teve um fim-de-semana frustrante. Como é que dois pilotos, com o mesmo material, têm sortes tão distintas num mesmo fim-de-semana?

“Podemos ir rapidamente para a nossa contrariedade, que é a travagem. Não é que Kevin não tenha tido problemas com os travões. Com o estilo de pilotagem dele, é mais fácil contornar o problema, ou torná-lo menos evidente. Ele não estava satisfeito com os travões na segunda sessão de treinos-livres. Na corrida, teve que realizar ‘lift & coast’, também, devido a algumas dificuldades que tivemos. Com o estilo de pilotagem do Romain, os travões têm que estar perfeitos, ou perto disso. De momento ainda não conseguimos.”

 

Os carros são os mesmos, mas os pilotos são, de facto, diferentes. De que forma adaptam a afinação do carro de acordo com as preferências de cada um dos pilotos?

“Os carros têm uma afinação – no que diz respeito à suspensa e à aerodinâmica – que é basicamente a mesma. Mas o estilo de pilotagem deles – a forma como vão para uma curva – é um pouco diferente. No final, os carros não estão muito diferentes. Os pilotos trabalham com os seus respectivos engenheiros, mas os carros, basicamente, são muito semelhantes.”

 

No seu papel como chefe de equipa, passa muito tempo a analisar o carro ou tem mais a ver com gerir pessoas?

“Diria que, analiso muito pouco o carro. Sei o que se passa, mas tenho pessoas qualificadas para isso. O grupo em redor do Ayao Komatsu (o engenheiro de corrida chefe) faz todo esse trabalho. Não precisam de mim. O meu trabalho é gerir pessoas. Isso exige muito tempo. Também tento ajudá-los para que possam ter o que precisam. Tenho que fazer com que seja possível. Têm que me explicar que coisas faltam e, depois, preciso de encontrar formas para colocar a equipa a funcionar melhor. É essa a minha função. Eles não me querem a analisar carros.”

 

O Red Bull Ring, em Spielberg, é relativamente perto da sua cidade-natal, Merano, na Itália. Encara esta corrida como a sua corrida caseira?

“Sim, de certa forma, mas tenho muitas corridas caseiras, na minha vida. Tenho na Áustria, uma na Itália, Monza, e uma nos Estados Unidos. O Red Bull Ring é relativamente perto das minhas origens, é apenas a uma viagem de carro de cinco horas.”

 

A Áustria marca o início de uma série europeia de cinco corridas em que as equipas podem levar os seus camiões e unidades de hospitalidade para cada corrida. Isto torna mais a situação logística mais fácil?

“Não diria mais fácil, mas é mais conveniente, dado que temos todo o equipamento no local. As corridas seguidas são sempre difíceis para os rapazes, mesmo quando é na Europa e temos os nossos camiões. Ir de um lugar para o outro de camião, por vezes, é mais demorado que uma viagem de avião, uma vez que temos muito material a viajar. No entanto, é bom estar na Europa e manter-nos num fuso horário. Há menos jetlag. Sei que os mecânicos gostam de estar na Europa, uma vez que, depois de uma viagem de duas horas estão em casa. No fundo, é um pouco mais conveniente, mas não é fácil.  

 

 

 

 

O Grande Prémio do Azerbaijão foi, evidentemente, uma experiência frustrante, mas nas corridas costuma-se dizer que há sempre outro fim-de-semana de corridas. É importante realizar um reset na Áustria e ter um fim-de-semana produtivo e sistemático, que se inicie logo na primeira sessão de treinos-livres e assim continue até à corrida?

“Penso que é importante que resolvamos os nossos problemas e regressar a um nível decente. Penso que tirámos alguns aspectos positivos em Baku, como sempre. Há sempre aspectos negativos, é claro, mas estou ansioso por regressar à Áustria. Vamos trabalhar em coisas que podemos melhorar e espero poder alcançar um melhor resultado. O ano passado tivemos uma boa corrida. Espero que o carro funcione bem e deverá ser uma pista divertida.”

 

Quando os pilotos falam em encontrar um bom equilíbrio para o carro, estão a falar do equilíbrio aerodinâmico, equilíbrio mecânico, equilíbrio nos travões ou a combinação dos três?

“É uma combinação dos três. Não podemos separá-los. Os equilíbrios aerodinâmico e mecânico dependem um do outro e o equilíbrio dos travões trata-se de pequenos acertos. É difícil não ter atenção a um. Trabalhamos com a nossa filosofia e afinamos a partir daí.”

 

Se numa dessas áreas o equilíbrio não estiver correcto, acaba por ter um efeito de bola de neve no restante comportamento do carro? Como tentam ultrapassar isso?

“Sim, tem definitivamente um efeito de bola de neve. Quando perdemos, digamos o equilíbrio aerodinâmico, então tentamos compensar com o equilíbrio da travagem, passando-o para trás, depois o equilíbrio mecânico para trás, também. Não colocamos carga nos pneus da frente e, acabamos por ter blocagem das rodas. Temos que encontrar o equilíbrio correcto, encontrar o melhor compromisso, dado que nunca teremos um carro perfeito para fazer uma volta.”

 

A maior parte dos pilotos são criaturas de hábitos, onde uma rotina similar é seguida, seja qual for a pista. A Áustria marca o início de uma série europeia de cinco corridas, ajuda ter alguma uniformidade, uma vez que trocas de roupa no mesmo espaço, a unidade de hospitalidade é a mesma, assim como a sala de reuniões, etc?

“É bom ter o nosso equipamento nestas corridas. Temos bons equipamentos. Tudo é ainda novo. Mas não há muitas mudanças durante um fim-de-semana de corridas, mesmo nas corridas em outros continentes.”

 

És um homem de família e Genebra é a tua cidade. O facto de estas corridas te obrigarem as viagens mais curtas, permitindo-te mais dias em casa é importante?

“Temos viajado muito. É bom estar de volta às corridas europeias. Podemos chegar à pista na quinta-feira de manhã e estarmos em casa para o jantar de domingo, o que é bom para os meus filhos. Também nos permite mais tempo para nos prepararmos fisicamente. Não temos que recuperar do jetlag e conhecemos melhor a comida que estamos a ingerir. Ajuda-nos a alcançar o nosso pico de performance.”

 

Dado as viagens serem menos intensas, a temporada de Verão das corridas europeias permite-te melhorar o teu treino físico, ou permite-te simplesmente entrar mais na rotina?

“Agora tentamos dar um passo em frente. Quando estamos a viajar e a lidar com mudanças de fusos horários, etc, é importante manter uma rotina e manter o foco no treino físico. Agora, que estamos na Europa, temos um pouco mais de tempo. As férias de três semanas permitem-nos também trabalhar mais no físico. Começamos com um bom nível e depois temos que trabalho para o manter. O Verão é fantástico, dado que é mais fácil. Podemos fazer mais exercício na rua, o que me agrada.”

 

Qual é a tua forma preferida para fazer exercício? Correr, andar de bicicleta, levantamento de pesos, ou tem mais a ver com o que te apetece fazer num dia em particular?

“Muito depende do dia e do tempo. Por exemplo, se estiver 30ºC, vou andar de bicicleta, seguramente, e não correr. Também depende do tempo que tenho disponível. Gosto de jogar ténis, também. Por vezes é bom desafiar-nos e fazer algo muito duro. Pode motivar-nos para a corrida seguinte.”

 

Muito é dito dos níveis físicos que os pilotos tinham que alcançar para poderem lidar com o aumento das forças G e das velocidades mais elevadas destes novos carros. A exigência física era a que esperavas e, depois de oito corridas, já tudo chegou a um nível de normalidade?

“Pessoalmente, preparei-me em demasia para 2017, mas é preferível estar demasiado preparado que não estar preparado. Os carros são muito mais difíceis, fisicamente, que antigamente. São muito divertidos de pilotar. Trazem maiores desafios. Muito tem a ver como a forma como os pneus estão a funcionar. Podemos puxar pelos pneus, mas não tanto como gostaríamos. Agora, tudo parece normal. A velocidade que obtemos parecem ser normais. Penso que se voltássemos à geração anterior de carros, falharíamos todas as travagens.”

 

O Red Bull Ring é um circuito relativamente curto, mas o seu layout cobre uma gama diversa de condições. É parecido com algum outro circuito da Fórmula 1 ou é único?

“É um lugar engraçado, correr no meio de montanhas. O circuito é muito curto. O tempo por volta é quase o mesmo do Mónaco. Tem bons locais para ultrapassar. Gosto de lá ir e a paisagem é semelhante à da Suíça.”

 

Tens algum momento especial da tua carreira de promoção que tenha acontecido no Red Bull Ring?

“A primeira vez que corri no Red Bull Ring foi em 2014. Não tenho momentos especiais lá dos meus tempos das fórmulas de promoção. É uma pista de que gosto e estou ansioso por lá chegar.”

 

Qual é a tua zona preferida do Red Bull Ring?

“Gosto bastante do sector do meio. Tem curvas de média e alta velocidade. A pista, no geral, tem duas partes muito distintas. Temos a Curva 1 e a Curva 2, que são muito semelhantes. Ambas são curvas de noventa graus, com zonas de fortes de travagens, depois de longas rectas. Depois temos uma segunda parte que é mais fluída.”

 

Descreve uma volta ao Red Bull Ring.

“Começamos com uma travagem forte para a Curva 1, de noventa graus. É muito importante colocar a potência no chão o mais rapidamente possível. Temos então uma longa recta que nos leva até à Curva 2, onde deixamos a travagem para muito tarde, e temos uma mudança de camber. Vamos a fundo para a Curva 3. Mais uma vez, temos uma travagem complicada, e vamos a descer. Então temos uma curva dupla à esquerda, de média/alta velocidade. As últimas duas curvas também são rápidas e subimos para descer logo de seguida. Pode ser complicado, mas se tivermos uma boa aderência e um carro bem equilibrado, pode ser muito divertido.”

 

 

 

 

 

 

 

Tu e a equipa estão a marcar pontos regularmente. Sentes que estás bem-adaptado à equipa e que é possível marcar pontos em cada uma das corridas?

“Sinto definitivamente que os pontos são possíveis em cada corrida, o que é uma boa sensação. É bom ir para cada corrida sabendo que podemos lutar por algo. É muito bom.”

 

É satisfatório fazer parte da Haas F1 Team e contribuir para o seu crescimento?

“É muito bom. A equipa esteve muito bem na sua primeira temporada. Agora, na sua segunda época, parece que demos um bom passo em frente e continuamos a dar pequenos passos em frente e isso não é fácil no segundo ano de uma equipa de Fórmula 1.”

 

A maior parte dos pilotos são criaturas de hábitos, onde uma rotina similar é seguida, seja qual for a pista. A Áustria marca o início de uma série europeia de cinco corridas, ajuda ter alguma uniformidade, uma vez que trocas de roupa no mesmo espaço, a unidade de hospitalidade é a mesma, assim como a sala de reuniões, etc?

“Pouco interessa onde estamos, é sempre bom termos a nossa unidade de hospitalidade. Temos os nossos próprios chefes a cozinhar para nós. É um pequeno luxo. É bom termos a temporada europeia, dado que nos sentimos um pouco em casa.”

 

O facto de estas corridas te obrigarem as viagens mais curtas, permitindo-te mais dias em casa, é importante?

“É simpático não ter essas longas viagens. É um pouco melhor para os níveis de stress, dado que não temos que lidar com jetlag e tudo isso.”

 

Dado as viagens serem menos intensas, a temporada de Verão das corridas europeias permite-te melhorar o teu treino físico, ou permite-te simplesmente entrar mais na rotina?

“Ambos. Entramos um pouco mais numa rotina e também temos mais tempos disponível, portanto, podemos treinar mais, também. É positivo.”

 

Qual é a tua forma preferida para fazer exercício? Correr, andar de bicicleta, levantamento de pesos, ou tem mais a ver com o que te apetece fazer num dia em particular?

“Não diria que tenho um exercício favorito. Gosto de treinar, dado que dessa forma sinto que estou a melhorar e a fazer o melhor para a minha carreira.”

 

Muito é dito dos níveis físicos que os pilotos tinham que alcançar para poderem lidar com o aumento das forças G e das velocidades mais elevadas destes novos carros. A exigência física era a que esperavas e, depois de oito corridas, já tudo chegou a um nível de normalidade?

“Agora estamos a chegar a normalidade e estamos a ficar habituados. É duro, fisicamente, pilotar estes carros, mas agora já se sente uma certa normalidade. Não temos surpresas.”

 

O Red Bull Ring é um circuito relativamente curto, mas o seu layout cobre uma gama diversa de condições. É parecido com algum outro circuito da Fórmula 1 ou é único?

“De certa forma, é um circuito único. Está numa área muito reduzida. Recorda-me uma pista de karting, dado que podemos ver toda a pista a partir de uma bancada. É agradável e compacta, mas tem algumas curvas rápidas e longas rectas, o que dá algumas possibilidades de ultrapassagem. Quando lá corri foi muito divertido.”

 

Qual é a tua zona preferida do Red Bull Ring?

“A última curva é porreira. Temos uma travagem curta e forte logo após uma curva rápida. Estamos no limite ali. A pista desce no apex, é uma sensação porreira.

 

Descreve uma volta ao Red Bull Ring.

“É como uma volta numa montanha russa.”

 

 

 

Red Bull Ring

  • Número de voltas: 71
  • Distância de corrida: 307,020 quilómetros
  • Velocidade na via das boxes: 80Km/h
  • Este circuito de 4,326 quilómetros e nove curvas albergou a Fórmula 1 nove vezes. As primeiras sete corridas foram realizadas numa versão condensada do Österreichring, conhecida como A-1 Ring, entre 1997 e 2003, antes de ser rebaptizada de Red Bull Ring, em 2014.
  • Michael Schumacher detém o recorde de volta do Red Bull Ring (1m08,337s),  realizada em 2003 com a Scuderia Ferrari.
  • Lewis Hamilton detém o recorde da qualificação do Red Bull Ring (1m06,228s), realizada em 2016 com a Mercedes.
  • Apesar do Red Bull Ring ser relativamente curto – apenas o Mónaco, o México City e Interlagos (Brasil) são mais curtos – e compacto com apenas nove curvas, o circuito cobre uma extensa gama de condições. A zona privilegiada para ultrapassar surge na Curva 2 (Remus), onde, depois de uma forte travagem, os pilotos descrevem uma curva apertada em primeira ou segunda velocidade. Por outro lado, o circuito tem também uma curva de alta velocidade, a oitava (Rindt), que os pilotos efectuam em sexta velocidade, levando os carros até aos seus limites e aos deles próprios. Ambas os tipos de curvas, e todas as que estão entre elas, exigem boa tracção, levando a que a Pirelli tenha decidido disponibilizar para esta prova os três compostos mais macios da sua gama.
  • DYK? Hermann Tilke, o responsável pela concepção de muitos dos novos circuitos de Fórmula 1, foi responsável pela adaptação dos 5,942 quilómetros de Österreichring nos 4,326 quilómetros do A-1 Ring, conhecido agora como Red Bull Ring. Foi o primeiro grande trabalho da Tilke na Fórmula 1.
  • Durante o fim-de-semana do Grande Prémio da Áustria, a temperatura mínima estará entre os 15ºC e os 17ºC e a máxima entre os 28ºC e 29ºC. A humidade relativa estará entre os 47% e os 92%. A velocidade do vento variará entre os 2-18 Km/h, raramente excedendo os 29 Km/h.

 

  • A Pirelli leva para o Mónaco três tipos de pneus:
    • P Zero Amarelo/Macio pouca aderência, menos desgaste (usado para séries longas de voltas)
    • P Zero Vermelho/Supermacio mais aderência, desgaste médio (usado para pequenas séries de voltas e para o segmento inicial da qualificação)
    • P Zero Roxo/Ultramacio maior quantidade de aderência, elevado nível de desgaste(usado para a qualificação e para situações específicas de corridas)
  • O Grande Prémio do Canadá, disputado entre 9 e 11 de Junho foi a última vez que estes três compostos foram usados. A Áustria marca o quinto Grande Prémio em que este pacote de pneus é usado, tornando-o o mais popular da gama, em 2017. Este mesmo pacote foi usado o ano passado na Áustria.
  • Dois dos três compostos disponíveis têm que ser usados durante a corrida. As equipas podem decidir quando querem utilizar cada uma dos compostos, o que proporciona um elemento de estratégia para a corrida. Cada piloto pode usar todos os três tipos de pneus na corrida, se assim desejar.(Se a corrida for disputada com a pista molhada, os Cinturato Azul, pneu de chuva, e o Cinturato Verde, intermédios, estarão disponíveis).
  • A Pirelli fornece a cada piloto 13 jogos de pneus para seco durante o fim-de-semana. Destes 13 jogos, os pilotos e as suas equipas podem escolher a especificação de dez entre os compostos selecionados pela Pirelli. Os três restantes são definidos pela Pirelli – dois pneus de especificação obrigatória  para a corrida (um de P Zero Amarelo/Macio e outro P Zero Vermelho/Supermacio) e um obrigatória para a Q3 (um P Zero Roxo/Ultramacio). Os pilotos da Haas F1 Team escolheram da seguinte forma:
    • Grosjean: um jogos de P Zero Amarelo/Macio, cinco jogos de P Zero Vermelho/Supermacio e sete jogos de P Zero Roxo/Ultramacio
    • Magnussen: um jogos de P Zero Amarelo/Macio, cinco jogos de P Zero Vermelho/Supermacio e sete jogos de P Zero Roxo/Ultamacio

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

FORMULA 2 TO RACE ON SOFT AND SUPERSOFT P ZERO TYRES IN AUSTRIA

SOFT COMPOUND TYRES FOR GP3


. The FIA Formula 2 Championship drivers will have the P Zero Yellow soft and P Zero Red supersoft tyres at their disposal in the fifth round of the season at the Red Bull Ring in Austria.

The GP3 Series will also be in action for round two of 2017, with the P Zero Yellow soft tyre to be used throughout the weekend.

Pirelli’s head of car racing says:

Mario Isola: “Just like in Formula 1, we have selected the softest compounds in the ranges for Austria: soft and supersoft for Formula 2 and soft for GP3. This is the natural choice for a circuit where the demands on the tyres are relatively low, the third such circuit in a row for Formula 2 after Monaco and Baku. For GP3 on the other hand, it represents a rather different challenge to Barcelona, with a tyre that is two steps softer than what they used in Spain.”

The challenge for the tyres:

The Red Bull Ring is a circuit that places relatively low demands on the tyres. There are few particularly fast corners, so the longitudal demands caused by accelerating and braking are more critical than the lateral forces.

Turns 5 and 6, consecutive left-handers in the middle of the lap, do produce some lateral forces, with particular stress on the right-side tyres.

The circuit has a very smooth surface, which was laid ahead of the 2016 races. It is therefore important to be able to have good traction, particularly when coming out of slow corners and onto long straights.

The year-old asphalt might be slightly more aggressive than it was last year, as the ageing process often loses some of the surface bitumen.

Given the Red Bull Ring’s mountainous surroundings, there is often a high chance of rain, as was the case in some of last year’s races.

The race and the rules:

Formula 2

Every car will have five sets of dry tyres and three sets of wet weather tyres available for the Formula 2 race weekend. The five sets of dry tyres comprise three sets of the soft compound and two sets of the supersoft compound.

The drivers can use their tyre allocation in any way they like, but at least one set of each compound must be used in the feature race (unless it is a wet race). One set of the harder compound must be returned after free practice.

Qualifying takes place at 15:55 on Friday, after practice at 12:00. The feature race on Saturday at 15:35 lasts 40 laps and each driver must complete one compulsory pit stop. This cannot take place within the first six laps. Unlike Formula 1, the drivers do not have to start the race using the tyres they qualified on.

The grid for the sprint race on Sunday at 10:20 is determined by the finishing order of the first race, with the top eight positions reversed. It is run over 28 laps, with no compulsory pit stops.

GP3

Every car will have three sets of dry tyres and two sets of wet weather tyres available for the GP3 race weekend. Only one compound is nominated: soft for this weekend. The drivers can use the tyre allocation in any way they like.

Drivers are normally allowed to carry over one tyre set from the previous round for use in free practice only, which would usually be the hard tyre from Spain. However, as this tyre is not especially well-suited to the Red Bull Ring layout, they will instead be allowed to use a carry-over set of medium tyres from the last test (which took place after Spain).

Qualifying takes place at 09:25 on Saturday morning, after a single free practice session on Friday at 17:50. Race 1 starts at 17:10 on Saturday and lasts for 24 laps, followed by Race Two at 09:10 on Sunday (lasting 18 laps). The grid for Race 2 is determined by the finishing order of the first race, with the top eight positions reversed.

***

 

 

 L5R8799

P Zero Yellow soft and Red supersoft will be used in Formula 2

 54I2117

GP3 will use P Zero Yellow soft tyres in Austria

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

PIRELLI ANNOUNCES COMPOUND CHOICES AND MANDATORY SETS  FOR THE 2017 ITALIAN GRAND PRIX 
 
- Pirelli announces the following compounds for the thirteenth round of the 2017 Formula One season (September 01-03).
 
 
 
 
(1) Each driver must save for Q3 one set of the softest of the three nominated compounds. This set will be given back to Pirelli after Q3 for those who qualify in the top 10, but the remaining drivers will keep it for the race – as is the case currently.
 
(2) Each driver must have both these sets available for the race and must use at least one of them.
 
The Teams are free to choose the remaining 10 sets, thus making up 13 sets in total for the weekend.
 
 
THE TYRES NOMINATED SO FAR*
 
    Qualify1    Race2   
      Australia      China      Bahrain      Russia      Spain      Monaco      Canada      Azerbaijan      Austria      Great Britain      Hungary     
 
 
 
 
 
(*) The regulations mean that the tyre sets choice for the long-haul events has to be made by the teams 14 weeks in advance, whereas for the European races the deadline is 8 weeks in advance.

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

Antevisão Grande Prémio do Azerbaijão 2017

 

Comunicado de imprensa (




ANTEVISÃO GRANDE PRÉMIO DO AZERBAIJÃO
 
Ronda 8 de 20 Baku, 23 a 25 de Junho 2017 
  – Como é dos circuitos mais recentes no calendário de Fórmula 1, o circuito citadino de Baku é o que as equipas têm menos informação, tendo apenas as referências da corrida inaugural do ano passado. Deste então, os regulamentos técnicos e as caracteristicas dos pneus mudaram, logo será mais uma vez como um papel em branco. Os compostos nomeados para o circuito mais longo e rápido do ano serão os P Zero Branco (Médio), P Zero Amarelo (Macio) e P Zero Vermelho (Supermacio), esta combinação já foi utilizada este ano no Bahrein  e  também  em Baku no ano passado.
 
 
 
OS TRÊS COMPOSTOS NOMEADOS
  
 
 
 
 
 
O CIRCUITO DO PONTO DE VISTA DOS  PNEUS
 
 
 Com 6.003 kms (incluindo a reta com 2.2 km), Baku é a segunda maior volta do ano, após SPA, com 20 curvas.  É conhecido como a “cidade dos ventos”, estes por vezes fortes e com rajadas, condicionam a afinação do carro..   No inicio e na zona da parte velha da cidade, o circuito é muito estreito, este ano os carros são mais largos aproximadamente 20 centimetros.  São esperadas na reta velocidades máximas superiores a 360 KM/H, em 2016 foi de 378 KM/H.  Parte da volta tem um novo asfalto, onde as equipas vão descobrir a aderência nos treinos livres. Uma paragem foi a estratégia vencedora no ano passado, e deverá ser a mesma em  2017.
 
 
 
 
 
MARIO ISOLA – DIRETOR DESPORTIVO
 
“Depois do Mónaco e do Canadá, Baku é o terceiro circuito não permanente e com pouca aderência, mas com um carácter muito diferente. A volta é muito mais rápida, com mais esforço da parte dos pneus e a probabilidade de temperaturas mais elevadas da pista, tal como observámos no ano passado. Devido a estas razões optámos por uma gama de pneus com um espectro médio que funcionou bem no ano passado. Talvez um factor que foi uma surpresa, foi a ausência de Safety Cars, ao contrário das previsões, sendo isto um factor a considerar ao realizar a estratégia para a corrida. Com uma combinação de curvas lentas e longas retas, é bastante árduo encontrar o equilibrio perfeito, especialmente em termos aerodinâmicos. ”
 
 
 
O QUE HÁ DE NOVO?
 
 O circuito citadino de Baku está praticamente igual ao “Layout” da corrida inaugural do ano passado, com algumas barreiras de proteção alteradas em cinco ou seis curvas, especialmente na curva 15.  Se Lewis Hamilton realizar a pole position em Baku, quebra o record de 65 poles position realizadas por Ayrton Senna e fica a pouca distância de Michael Schumacher com 68.  É muito possivel que este ano se ultrapasse  o melhor tempo por volta. Atualmente a volta mais rápida em Baku é de 1m42.758s em qualificação e 1m46.485s em corrida.  
 
 
 
AS PRESSÕES MINÍMAS DE INÍCIO EM BAKU (SLICKS)
 
 
 
22  psi (dianteiros) | 21  psi (traseiros)
 
 
 
 
EOS  CAMBER (Limite)
 
 
 
 
-3.50° (dianteiro) | -2.00° (traseiro)
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
OS PNEUS NOMEADOS PARA ESTA ÉPOCA
 
 
 
 
Videos e fotos sem copyright (registo obrigatório) f1pressarea.pirelli.com
Siga-nos em @pirellisport Facebook/PirelliMotorsprt Instagram/pirelli_motorsport
 
Para mais informaçoes Racingspot.pirelli.com
 
      Australia      China      Bahrain      Russia      Spain      Monaco      Canada      Azerbaijan      Austria      Great Britain      Hungary      Belgium      Italy      Singapore      Malaysia     

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

Austrian Grand Prix: July, 7-9, 2017

SELECTED SETS PER DRIVER

– The FIA communicated to Pirelli each team’s tyre choices for the forthcoming Austrian Grand Prix (Spielberg, 7-9 July).

alt

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

Azerbaijan Grand Prix Race – Infographics

alt

alt

 

SERÃO ASSIM OS F1 DE 2018 ?

Serão assim os F1 2018?!?

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

AZERBAIJAN GRAND PRIX RACE
 
LAST YEAR’S RACE LAP RECORD BROKEN BY MORE THAN THREE SECONDS, ON SUPERSOFT TYRES
 
DANIEL RICCIARDO WINS A CHAOTIC RACE WITH STRATEGY  DICTATED BY INCIDENTS AND STOPPAGES 
 
A dramatic Azerbaijan Grand Prix was characterised by multiple safety cars and an extended red flag period in the middle of the race to sweep up debris from earlier incidents. This meant that the one-stop strategy that would have been adopted by all the leading runners went out of the window, and instead teams had to react to changing circumstances. Nearly every driver made what they thought would probably be their sole pit stop under the safety car on lap 13. But under red flag conditions on lap 22 teams were allowed to change tyres, which meant that the race concluded with a 29-lap sprint to the flag, with all the drivers then using supersoft tyres. Through all these incidents Red Bull Racing’s Daniel Ricciardo emerged as the winner, while another stand-out performance was from Valtteri Bottas, who went from last to second, also using supersoft for most of the race.
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “It was an eventful and dramatic race, during which the best strategy consisted of reacting to events rather than following a pre-determined plan. The supersoft demonstrated both durability and performance, as shown by a race lap record that was more than three seconds faster than last year.”
 
BEST TIME BY COMPOUND
 
 
 
LONGEST STINT OF THE RACE
 
 
 
  
-
Ricciardo 1m47.055s
Vettel 1m43.441s
-
Bottas 1m47.083s
Hamilton 1m43.469s
-
Ericsson 1m50.568s
Bottas 1m43.925s
COMPOUND DRIVER LAPS
SOFT Ericsson 12
SUPERSOFT
Ricciardo, Bottas, Stroll Vettel, Hamilton, Ocon Magnussen, Sainz, Alonso, Wehrlein, Ericsson
29
 
 
 
 
 
 
TRUTHOMETER The one-stop strategy was discarded as soon as the red flag came out; otherwise most drivers looked set to implement it by stopping under the safety car from lap 13. With a free choice of tyres for the second half of the race, they all ran on the supersoft to the flag, making it effectively a two-stopper. Ricciardo followed a slightly different pattern to most: he started on supersoft, switched to soft on lap six while dealing with a technical issue, emerging 16th, then went back to supersoft after the red flag.
 
 
 
 
 
 
 
BAKU PIT STOP SUMMARY
 
Car Driver  Start  Pit 1  Pit 2   Pit 3     
3 RIC  SSu  Sn (5)  SSn (13) SSn (22)  
77 BOT  SSu  Sn (1)  SSu (11) SSu (22)  
18 STR  SSu  Sn (13)  SSu (22)    
5 VET  SSu  Sn (12)  SSu (22)    
44 HAM  SSu  Sn (12)  SSn (22)    
31 OCO  Ssu  Sn (12)  SSu (20) SSu (22)  
20 MAG  SSn  Sn (12)  SSu (22) 
55 SAI  SSn  Sn (12)  SSn (22
14 ALO  SSn  Sn (12)  SSn (22)    
94 WEH  SSn  Sn (12)  SSn (13) SSu (22)  
9 ERI  Sn  SSn (12) SSn (22)    
2 VAN  Sn  SSn (5)  SSn (22) SSn (33)  
8 GRO  Sn  SSn (3)  SSn (14) SSu (22)          Ssu (36) 
7 RAI  SSu  Sn (12)  SSu (20)    
11 PER  Ssu  Sn (12)  SSu (20)    
19 MAS  SSu  Sn (12)  SSu (22)    
27 HUL  SSn  Sn (13)  SSn (22)
33 VER  SSu        
26 KVY  SSn        
30 PAL  SSn      
S= Soft  SS= Supersoft  n=  new         u= used

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

2017 Azerbaijan Grand Prix – Sets available for the race – Infographics

alt

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

AZERBAIJAN GRAND PRIX PRACTICE SESSIONS
 
SLIPPERY SURFACES IN FP1 AND LOWER TEMPERATURES IN THE LATE AFTERNOON FP2 CHARACTERISE THE DAY
 
AROUND A SECOND BETWEEN THE SOFT AND SUPERSOFT  COMPOUNDS SO FAR ON A RAPIDLY EVOLVING SURFACE
 
FINDING THE RIGHT BALANCE BETWEEN FRONT AND REAR TYRE WARM-UP THE KEY TO FAST TIMES IN BAKU  
 
31i9217 6_CopyAmbient and track temperatures were obviously lower in the late afternoon FP2 session than they were in FP1 on the Baku street circuit today. Allied to a smooth and slippery asphalt surface, this provided the biggest challenge during free practice. As drivers looked for the limits, there were a few brushes with the wall, as well as visits to the escape road. As always, grip is expected to improve as more rubber is laid down on the track over the rest of the weekend. The current gap between the soft and supersoft compounds of about a second is likely to come down as well tomorrow. 
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “As expected on any temporary circuit, it was a particularly slippery start in Baku with a very green track and smooth surface. The layout of this track is a test of traction in particular, with the rear tyres doing all of the work. On top of that, there are only short corners in Baku, which means that the fronts are less stressed, and they also cool down a bit on the long straights between those corners. Consequently, finding the right set-up to ensure the correct balance between front and rear tyre temperature is essential to a strong performance here – as we saw in Russia, Monaco and Canada as well – and this is what a lot of the work concentrated on today. When analysing today’s data, we have to bear in mind as well that the track will evolve further as the weekend goes on.”
 
FREE PRACTICE 1 – TOP 3 TIMES
 
 
FREE PRACTICE 2 – TOP 3 TIMES
 
DRIVER TIME COMPOUND
Verstappen 1m44.410s SUPERSOFT NEW
Ricciardo 1m44.880s SUPERSOFT NEW 
Vettel 1m44.967s SOFT NEW
DRIVER TIME COMPOUND
Verstappen 1m 43.362s SUPERSOFT NEW
Bottas 1m 43.462s SUPERSOFT NEW
Ricciardo 1m 43.473s SUPERSOFT USED
 
 
 
 
 
FP1 - BEST TIME BY COMPOUND 
 
 
 
FP2 - BEST TIME BY COMPOUND 
 
 
 
MOST LAPS BY COMPOUND SO FAR
 
 
 
TYRE STATISTICS OF THE DAY
 
 
* The above number gives the total amount of kilometres driven in FP1 and FP2 today, all drivers combined. ** Per compound, all drivers combined.
 
 
 
 
 
 
COMPOUND DRIVER TIME
MEDIUM Verstappen 1m 46.454s
SOFT Vettel 1m 44.967s
SUPERSOFT Verstappen 1m 44.410s
COMPOUND DRIVER TIME
MEDIUM Massa 1m 46.343s
SOFT Verstappen 1m 43.894s
SUPERSOFT Verstappen 1m 43.362s
COMPOUND DRIVER LAPS
MEDIUM Ricciardo, Verstappen 11
SOFT Ocon, Raikkonen 22
SUPERSOFT Bottas, Massa 25
 
  
Kms driven* 336 2628 2868
Sets used overall** 15 41 35
 
 
 
 
MINIMUM PRESCRIBED TYRE PRESSURES
 
 
22 psi (fronts) - 21 psi (rears)
 
 
 
 
 

 

CAMPOENATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2017

 

CURIOSIDADES DO G.P. DO AZERBEIJÃO

 

 

A Red Bull ganhou um GP mas por incrível que possa parecer é a equipa com menos voltas completadas em provas de 2017. Tem até menos que a McLaren!

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

PIRELLI ANNOUNCES COMPOUND CHOICES AND MANDATORY SETS  FOR THE 2017 GRANDS PRIX IN BELGIUM AND JAPAN 
 
 
- Pirelli will bring the following compounds to the rounds on the 2017 Formula One season in Belgium (August 25-27) and Japan (October 06-08) which will be held on the Spa-Francorchamps and Suzuka circuits respectively.  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
(1) Each driver must save for Q3 one set of the softest of the three nominated compounds. This set will be given back to Pirelli after Q3 for those who qualify in the top 10, but the remaining drivers will keep it for the race – as is the case currently.
 
(2) Each driver must have both these sets available for the race and must use at least one of them.
 
The Teams are free to choose the remaining 10 sets, thus making up 13 sets in total for the weekend.
 
 
 
    Qualify1    Race2   
    Qualify1    Race2   
 
 
 
 
THE TYRES NOMINATED SO FAR*
 
 
(*) The regulations mean that the tyre sets choice for the long-haul events has to be made by the teams 14 weeks in advance, whereas for the European races the deadline is 8 weeks in advance

 

HAAS NO AZERBEIJÃO

 

Evento:  1ª e 2ª Sessões de Treinos-Livres

Data:  Sexta-feira, 23 de Junho

Local:  Baku City Circuit, no Azerbaijão

Layout:  6,003 quilómetros, 20 curvas

Condições Climatérica na 1ª Sessão:  Sol

Temperatura na 1ª Sessão:  26,6-28,6ºC

Temperatura da pista na 1ª Sessão:  36,7-55,5ºC

Condições Climatérica na 2ª Sessão: Sol

Temperatura na 2ª Sessão25,8-28,8ºC

Temperatura da pista na 2ª Sessão:  35,1-45,3ºC

Pilotos:  Romain Grosjean e Kevin Magnussen

 

http://staticapp.icpsc.com/icp/loadimage.php/mogile/1568606/70f09d9c22a3f53f4f40afaab2d34bd9/image/jpeg

 

 

Magnussen:  12º (1m46,721s), 23 voltas

Grosjean:  13º (1m46,837s), 22 voltas

Piloto mais rápido:  Max Verstappen da Red Bull (1m44,410s)

Mais voltas completadas:  Lance Stroll da Williams (28)

 

http://staticapp.icpsc.com/icp/loadimage.php/mogile/1568606/57ea082d210233559d7f78c48be92ebf/image/jpeg

 

 

Magnussen:  14º (1m45,831s), 33 voltas

Grosjean:  20º (1m47,722s), 22 voltas

Piloto mais rápido:  Max Verstappen da Red Bull (1m43,362s)

Mais voltas completadas:  Esteban Ocon da Force India (37h)

 

http://staticapp.icpsc.com/icp/loadimage.php/mogile/1568606/8a2f0966731d20087243544dc60e5918/image/jpeg

 

 

O oitavo round do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 iniciou-se esta sexta-feira no Baku City Circuit, no Azerbaijão, tendo as equipas iniciado a preparação para o Grande Prémio do Azerbaijão, que se disputa no domingo.

 

As duas sessões de treinos-livres no circuito de 6,003 quilómetros e vinte curvas foram dramaticamente distintas. A primeira sessão correu sem problemas de maior para os vinte pilotos, ao passo que na segunda foram inúmeros os choques com os muros, sobretudo na Curva 8. Felizmente, os pilotos da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Kevin Magnussen, conseguiram evitar qualquer incidente em ambas as sessões.

 

Magnussen completou vinte e três voltas na primeira sessão, tendo o seu melhor tempo surgido na décima volta – 1m46,721s – quando montava pneus Pirelli P Zero Amarelo/Macio, o que o colocou no décimo segundo posto. Grosjean seguiu o seu colega de equipa com o décimo terceiro registo – 1m46,837s – alcançado na sua vigésima segunda passagem pela meta, das vinte e duas voltas que completou. O seu crono foi também obtido com borrachas macias. Ambos os pilotos começaram a sessão com uma volta de instalação solitária com pneus médios, para depois mudaram para macios, que mantiveram até à bandeirada de xadrez.

 

O piloto da Red Bull, Max Verstappen, liderou a primeira sessão, 1m14,410s, deixando o segundo mais rápido, o seu colega de equipa Daniel Ricciardo, a 0,470s.

 

Enquanto os pilotos e equipas refinavam as afinações dos seus respectivos carros, os tempos foram caindo na segunda sessão. Mas com o incremento de rapidez surgiram maiores exigências para os travões. O caso mais evidente foi o de Romain Grosjean que teve dificuldades com o equilíbrio da travagem ao longo da segunda sessão. Tudo conspirou para que Grosjean terminasse no vigésimo posto da tabela de tempos com vinte e duas voltas completadas. A sua melhor volta – 1m47,722s – foi realizada na quarta passagem pela meta depois de ter montado pneus macios.

 

Magnussen, por seu lado, registou trinta e três voltas numa sessão muito produtiva que o colocou no décimo quarto lugar. O seu melhor crono, 1m45,831s, surgiu na décima terceira volta, com pneus supermacios.

 

Verstappen ficou uma vez mais no topo da classificação com a marca de 1m43,362s, que deixou o segundo mais rápido, Valtteri Bottas da Mercedes, a 0,100s. No entanto, a segunda sessão teve um fim prematuro, uma vez que Verstappen despistou-se, embatendo nas barreiras na Curvas 1 nos derradeiros minutos de actividade.

 

Ao contrário das sessões de treino-livres dos Grandes Prémios anteriores, onde os recordes caíram, o recorde do Baku City Circuit, 1m42,520s, de Nico Rosberg, manteve-se. Isso deve-se aos carro de menor apoio aerodinâmico do ano passado que produziam mais velocidade de ponta, ao passo que os carros de hoje, de elevado apoio aerodinâmico, não são tão rápidos nas rectas. O Baku City Circuit tem duas rectas enormes – uma de 2,2 quilómetros, a recta da meta, e outra de um quilómetro. Apesar da actual geração de carros ser muito mais rápido nas curvas, isso não foi o suficiente para contrariar o que perdem em recta, pelo menos para já.

 

Os pilotos da Haas F1 Team, entre eles, completaram cem voltas – cinquenta e seis através de Magnussen e 44 através de Grosjean.

 

http://staticapp.icpsc.com/icp/loadimage.php/mogile/1568606/6a26748f440690ddd763e2f498bab8dc/image/jpeg

 

 

“Foi uma tarde frustrante – estava sem feeling. Não há muito que possa dizer, para ser honesto. Não tinha feeling no carro. Obviamente, temos que analisar bem as coisas, dado que perdemos a sessão da tarde. Temos muito trabalho pela frente, mas esperamos podermos focar-nos, identificar os problemas e resolvê-los.”

 

http://staticapp.icpsc.com/icp/loadimage.php/mogile/1568606/667de1fc1e01962d9244287d8abb3cf3/image/jpeg

 

 

“Hoje não foi muito mau. Tivemos um dia decente. Temos muito que analisar. Esta pista é muito especial e única, portanto, vamos ver se conseguimos recuperar o carro para amanhã. É uma pista muito divertida. Há muito para fazer e estamos a melhorar a cada volta. É bom poder fazer algumas voltas sem problemas no carro. Estou satisfeito com o dia.”

 

http://staticapp.icpsc.com/icp/loadimage.php/mogile/1568606/43be14f1df7c02e8ee5a634cc5d79251/image/jpeg

 

 

“Tivemos uma boa sessão de manhã, mas de tarde tivemos algumas dificuldades. Entre o tráfego, ir em frente, não ter feeling no carro – é como se tudo tivesse começado novamente. Temos que ver o que se alterou entre a primeira e a segunda sessões. Os rapazes têm uma noite de trabalho pela frente, mas vamos ver o que podemos fazer amanhã.”

http://staticapp.icpsc.com/icp/loadimage.php/mogile/1568606/80650d5ab991c10867ae148d216d9b6e/image/jpeg

 

 

Os pilotos têm mais uma sessão de treinos-livres no sábado (14h00-15h00) antes da qualificação que se inicia às 17h00. A qualificação consiste em três segmentos, com os quinze mais rápidos da Q1 a passar à Q2. Depois, os dez mais rápidos da Q2 passam para a Q3, onde lutam pela pole-position.

 

http://staticapp.icpsc.com/icp/loadimage.php/mogile/1568606/36e49c2314b16d708cdb3ee6433d1613/image/jpeg

 

 

Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal. 

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

MEDIUM AND SUPERSOFT P ZERO TYRES FOR F2 STREET FIGHTERS IN BAKU


Pirelli will supply the P Zero White medium and P Zero Red supersoft tyres for the FIA Formula 2 Championship races in Baku this weekend.

The capital of Azerbaijan hosts a second consecutive street circuit event for the Formula 2 drivers, but with long straights and some fairly fast corners it offers a rather different challenge to the tight and twisty Monaco.

Pirelli’s head of car racing says:

Mario Isola: “Although Baku shares some characteristics with Monaco there are a number of key differences too, most noticeably the higher speeds. With more energy going through the tyres, plus the potential for high temperatures, this means taking the medium tyre as well as the supersoft. This notable gap between the compounds should encourage more opportunities for drivers to go wheel-to-wheel. Based upon last year, one thing that may be similar to Monaco is the likelihood of a safety car and therefore the importance of strategy.”

The challenge for the tyres:

As a street circuit, there will be considerable track evolution over the course of the event, with low grip at the start of the weekend, but this will improve as more rubber is laid on the track during each session.

In order to optimise speed down the very long main straight, teams do not run with the highest possible downforce on the cars, meaning there is more reliance on the tyres to provide mechanical grip through the many corners.

With walls lining the narrow circuit and little run-off area, safety cars are a likely occurrence. Strategy, and the timing of the mandatory pit-stop, around such instances can be crucial to the result.

Managing the wear and degradation of the supersoft compound in the Feature Race will be vital for strategy and could hold the key to victory.

The race and the rules:

Every car will have five sets of dry tyres and three sets of wet weather tyres available for the Formula 2 race weekend. The five sets of dry tyres comprise three sets of the medium compound and two sets of the supersoft compound.

The drivers can use their tyre allocation in any way they like, but at least one set of each compound must be used in the feature race (unless it is a wet race). One set of the harder compound must be returned after free practice.

Qualifying takes place at 15:00 on Friday, after practice at 11:00. The Feature Race is on Saturday at 12:00 and lasts 29 laps with each driver obliged to complete one compulsory pit stop. This cannot take place within the first six laps. Unlike Formula 1, the drivers do not have to start the race using the tyres they qualified on.

The grid for the Sprint Race on Sunday at 14:00 is determined by the finishing order of the first race, with the top eight positions reversed. It is run over 21 laps, with no compulsory pit stops.

***

 L5R9753

F2 drivers will have Red supersoft and White medium tyres in Baku

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

AZERBAIJAN GRAND PRIX PREVIEW Round 8 of 20 Baku, 23-25 June 2017 
ax17 Copy
  – As the most recently arrived venue on the Formula 1 calendar, the Baku street circuit is the one that the teams have the least information about, having only driven there once for the inaugural race last year. Since then the technical regulations and tyre characteristics have changed, so it’s once more a blank sheet of paper. The tyres nominated for the longest and fastest street circuit of the year are P Zero White medium, P Zero Yellow soft and P Zero Red supersoft: a combination last seen in Bahrain this year (and also used in Baku last year).
 
THE THREE NOMINATED COMPOUNDS
  
 
THE CIRCUIT FROM A TYRE POINT OF VIEW
 
 
 At 6.003 kilometres (including a 2.2km straight) Baku is the second-longest lap of the year after Spa, with 20 corners.  It’s known as ‘the city of winds’: these gusting winds can make car set-up tricky.  At the beginning of the up-hill old town section the circuit is very narrow: and the cars are 20 centimetres wider this year.  High top speeds over 360kph are expected on the straight: in 2016, it was 378kph.  Part of the lap is on new asphalt, so teams will discover the grip in free practice. One stop was the winning strategy last year and this should be the case again in 2017.
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING
 
“Following Monaco and Montreal, Baku is the third non-permanent, low-grip venue in succession, but it has a very different character. The lap is a lot faster, with more energy going through the tyres, and track temperatures could be very high, like last year. For these reasons, we’ve chosen a range of tyres in the middle of the spectrum, which worked well in 2016. Maybe a surprise back then was that there were no safety cars, despite predictions to the contrary, so this could be a factor to consider when formulating race strategy. With a combination of low-speed corners and long straights, it’s quite hard to find the right balance, especially in terms of downforce.”
 
 
 
 
 
 
WHAT’S NEW?     The Baku street circuit is largely unchanged in layout from the inaugural race last year, with safety barriers having been altered in five or six corners, especially Turn 15.  If Lewis Hamilton claims pole position in Baku, he will have broken the record of 65 poles established by Ayrton Senna and will be within touching distance of Michael Schumacher’s all-time record of 68 poles this year.  It’s much more than possible that the lap record will be broken this year. Currently the fastest lap ever of Baku is 1m42.758s in qualifying and 1m46.485s in the race.
 
BAKU MINIMUM STARTING PRESSURES (SLICKS)
 
 
22  psi (front) – 21  psi (rear)
 
EOS  CAMBER LIMIT
 
 
-3.50° (front) | -2.00° (rear)
 
THE TYRES NOMINATED THIS SEASON
 
      Australia      China      Bahrain      Russia      Spain      Monaco      Canada      Azerbaijan      Austria      Great Britain      Hungary      Belgium     

 

CALENDÁRIO CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1 - 2018

CALENDÁRIO CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

 

 

  1. F1 já tem calendário para 2018. 21 provas, com regresso de Alemanha e França e a saída da Malásia. Baku mais cedo e Sochi para a parte final. O restante é mais do mesmo. E há três provas em três fins-de-semana seguidos na Europa. Sem começar mais cedo e sem zonar o calendário, vai ser difícil encaixar 25 corridas no futuro. Importante: há um buraco para Le Mans em Junho.

  2.  

    25 March: Australia (Melbourne)
    8 April: China* (Shanghai)
    15 April: Bahrain (Sakhir)...
    29 April: Azerbaijan (Baku)
    13 May: Spain (Barcelona)
    27 May: Monaco
    10 June: Canada (Montreal)
    24 June: France (Le Castellet)
    1 July: Austria (Spielberg)
    8 July: Great Britain (Silverstone)
    22 July: Germany (Hockenheim)
    29 July: Hungary (Budapest)
    26 August: Belgium (Spa-Francorchamps)
    2 September: Italy (Monza)
    16 September: Singapore*
    30 September: Russia (Sochi)
    7 October: Japan (Suzuka)
    21 October: USA (Austin, TX)
    28 October: Mexico (Mexico City)
    11 November: Brazil (Sao Paulo)
    25 November: Abu Dhabi (Yas Marina)

 

 

HAAS NO AZERBEIJÃO

 

Um Conto de duas Cidades no Baku City Circuit

O Grande Prémio do Azerbaijão mistura o Novo e o Antigo, a Velocidade e a Lentidão

 

Romain Grosjean apelida-o de “dois circuitos num” e Kevin Magnussen afirma que “é uma mistura entre Monza e Mónaco”. É o Baku City Circuit, um traçado citadino de 6,003 quilómetros e vinte curvas, o placo do Grande Prémio do Azerbaijão no dia 25 de Junho.

 

Os dois pilotos da Haas F1 Team e os restantes dezoito pilotos percorrem a alta velocidade duas longas rectas em forma de haltere realizadas no sentido contrário do ponteiro dos relógios. A pista concebida por Herman Tilke mistura o antigo com o moderno por entre rápidas rectas e curvas lentas. Navega por entre o moderno, o lado oriental onde bancos e lojas da moda estão localizados, e a área histórica, onde as ruas são estreitas e ingremes para regressar de seguida à recta da meta. A rápida esquerda que apresenta aos pilotos o final da recta, não é muito distinto do Circuit of the Americas, em Austin, Texas, também concebido pela Tilke e alberga o Grande Prémio dos Estados Unidos da América. É um layout único e desafiante potenciado pelos ventos de Baku, que estão sempre presentes. De facto, a Cidade do Vento é o apelido oficioso de Baku, mas é literal.

 

Os ventos de mudança têm vindo a fazer-se sentir na Fórmula 1 ao longo de todo o ano, com a nova geração de carros com mais apoio aerodinâmico que tem vindo a bater recordes em todos os circuitos que visitámos até agora no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1. Baku seguirá essa tendência, uma vez que a pista albergou o seu primeiro Grande Prémio o ano passado quando os carros tinham menos apoio aerodinâmico, apesar de produzirem velocidades de ponta mais elevadas.

 

Os carros de elevado apoio aerodinâmico de hoje não são tão rápidos em recta, mas graças à sua asa dianteira mais larga, derivas laterais maiores, asa traseira mais baixa e larga, ao difusor mais alto e largo e pneus vinte e cinco porcento mais largos que o ano passado, descrevem as curvas a velocidades nunca vistas anteriormente.

 

Com vinte curvas, o Baku City Circuit, os pilotos testarão os limites do circuito citadino mais rápido do mundo num esforço para compensar a velocidade perdida nas duas rectas – a recta de meta que tem 2,2 quilómetros, seguida de outra de um quilómetro que leva os pilotos de Azadliq Square. As descrições de Grosjean e Magnussen são amplamente justificadas.

 

Por ser tão recente, existem muitas oportunidades para aprender no Baku City Circuit. Grosjean terminou no décimo terceiro lugar a corrida do ano passado, depois de um potencial resultado nos pontos ter ficado pelo caminho devido a detritos que entraram para o radiador. Logo atrás de Grosjean ficou Magnussen, tendo alcançado o décimo quarto posto ao serviço da sua antiga equipa – a Renault.

 

Por mencionar a Renault, a Haas F1 Team chega ao Grande Prémio do Azerbaijão na luta com a equipa do construtor francês. A Renault está no sétimo posto do Campeonato de Construtores, apenas com três pontos de avanço sobre a Haas F1 Team. Mas com cinco resultados nos pontos nas sete corridas da temporada, Grosjean e Magnussen anseiam por mais resultados entre os dez primeiros em Baku não só para melhorarem as suas posições no Campeonato de Pilotos – décima segunda e décima terceira, respectivamente – mas também para chegar ao sétimo lugar na competição de construtores e, potencialmente, entrar na luta pela sexta posição com a Williams, que de momento tem uma margem de sete pontos para a Haas F1 Team.

 

Em 2016, a Haas F1 Team marcou pontos em apenas cinco corridas. Tendo esse número sido já igualado, com ainda treze corridas por disputar, a equipa americana acredita que em Baku pode ser o palco de outro resultado nos pontos que lhe permita suplantar a marca de 2016 e manter-se na luta do meio do pelotão nas apertadas curvas do histórico castelo Sabayil de Baku.

Baku City Circuit

 

Perímetro: 6,003 km

Voltas: 51

Distância de corrida: 306,153 km

TransmissãoSport TV1 14h00

 

 

Sobre a Haas Automation, Inc

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal..

 

 

Estamos actualmente a caminho do primeiro terço da segunda temporada da Haas F1 Team. Como descreveria até agora a temporada e o desenvolvimento da equipa?

“Tivemos os nossos altos e baixos, mas marcámos pontos em cinco das sete corridas. E numa dessas corridas estávamos a caminho de marcar pontos, mas tivemos um problema mecânico. O meio do pelotão é muito duro e marcar pontos em cinco das sete ocasiões não é mau. É claro que precisamos de marcar mais pontos, não apenas um, mas no geral a equipa está a maturar e estou confiante que continuaremos a maturar.”

 

Quais são as áreas onde a Haas F1 Team tem que melhorar?

“A curto prazo, é difícil realizar melhoramentos. Tentamos sempre ter algumas evoluções aerodinâmicas no carro, mas por outro lado, são mais melhoramentos de meio de temporada, que estamos a fazer e a equipa está a desenvolver. Também passa por ganhar experiência – este é um dos melhoramentos que faremos de uma forma ou de outra. Penso que estamos no bom caminho.”

 

Marcaram por cinco vezes em sete corridas, esta temporada, e no ano passado marcaram pontos por cinco vezes em toda a época. Apesar de não terem somados mais pontos que no ano passado, estão satisfeitos por conseguirem pontuar de uma forma mais consistente?

“Claro, por que isso permite aos nossos rapazes regressar a casa com alguma coisa, não temos que esperar quatro ou cinco corridas para voltar aos pontos. É evidente, gostaríamos de marcar mais pontos em cada evento, e não apenas um ou dois pontos, mais chegaremos lá. Se estivermos consistentemente nos lugares finais dos pontos, chegaremos às melhores posições onde há mais pontos para conquistar.”

 

Baku tornou-se no circuito citadino mais rápido da Fórmula 1, quando foi estreado o ano passado, e a rapidez dos carros foi incrementada este ano. O que espera destes novos carros, mais rápidos e largos num circuito com apenas um ano?

“Como todos os circuitos, temos que ver como serão os nossos tempos. Os registos descem mais em circuitos lentos com os novos carros que nos circuitos mais rápidos, dado que a velocidade máxima não é muito mais elevada que no ano passado. Para além disso, não sei como estará o piso este ano em Baku. O ano passado estava muito escorregadio, não sei se o asfalto estará ainda escorregadio. Só saberemos na primeira sessão de treinos-livres.”

 

Há alguma coisa da corrida do ano passado de Baku que possa ser aplicada na corrida deste ano, ou nada será útil dado os carros serem tão diferentes?

“Podemos usar todos os dados, dado que agora, após sete corridas, conseguimos traduzir os dados do ano passado para o carro deste ano de uma forma fácil. Tudo ajuda, e conseguimos chegar a esta corrida bem preparados.”

 

A maior parte dos eventos que se estreiam têm algumas dores de crescimento. Mas no ano passado a corrida correu incrivelmente bem. O que achou da primeira corrida em Baku?

“É um local fantástico. O ano passado todos fizeram um bom trabalho. Os organizadores estiveram muito bem e a pista era muito boa. Sabiam o que fazer e estavam bem-preparados.”

 

Existe muitas discussões sobre o futuro calendário da Fórmula 1. Como o vê, tanto no que diz respeito ao número de corridas como à forma como as corridas são escalonadas?

“Não sou contra mais corridas. O que gostaria era que as corridas fossem agrupadas – que ficássemos numa região e não estejamos sempre a ir e voltar à Ásia, aonde vamos uma semana e depois regressamos na outra. Qual o tamanho da área que agrupamos, não sei. É necessário estudar o número de corridas que cada área deverá ter. Por exemplo, penso que é difícil ter uma corrida em Abu Dhabi e outra no fim-de-semana seguinte no Bahrein, dado que estão muito próximos. Mas algumas corridas mais, se estiver bem organizado, não obrigará às equipas estarem foram muito mais tempo. No geral, não tenho nada contra termos vinte e cinco corridas.”

 

Se o calendário superar as vinte e uma corridas, o que seria necessário fazer para assegurar que o pessoal lide com o aumento da carga de trabalho?

“Temos apenas que ter um plano para ajudar as pessoas. Talvez nem todas as pessoas vão aos vinte e cinco eventos, mas penso que é uma situação que pode ser gerida, se o fizermos de uma forma inteligente, não é muito mais. É claro que há mais custos envolvidos, dado que há mais viagens. Precisamos de mais peças para o carro, dado que rodamos mais. Mas, no geral, se tivermos tempo para nos prepararmos devidamente, encontramos sempre uma forma de as coisas funcionar.”

 

Existe alguma zona do globo onde gostaria que houvesse uma corrida de Fórmula 1?

“Uma corrida na África do Sul seria interessante.” 

 

 

 

Estamos actualmente a caminho do primeiro terço da segunda temporada da Haas F1 Team. Como descreverias até agora a temporada e o desenvolvimento da equipa?

“Foi um bom início. Penso que relativamente ao ano passado demos grandes passos em todos os aspectos. Estamos mais consistentes. Temos sido capazes de marcar pontos mais vezes este ano, o que é bom. Há muitas áreas onde podemos melhorar e conseguimos melhorar. No geral, estou muito satisfeito como a forma como a equipa está a evoluir.”

 

O Grande Prémio do Canadá foi outro exemplo de como o meio do pelotão está competitivo este ano, com as equipas separadas apenas por décimos de segundo. Toda gente está a falar da luta entre a Ferrari e a Mercedes, mas como caracterizas a batalha no meio do pelotão entre a Force India, a Toro Rosso, a Williams, a Renault e a Haas?

“Na verdade, é excitante. Se tirarmos da equação as três grandes equipas da frente e deixarmos apenas o meio do pelotão, haveria um vencedor novo a cada Grande Prémio. A diferença entre a pole-position e a segunda posição no Canadá foi muito maior que a entre o décimo classificado e o décimo sétimo ou décimo oitavo. Isso demonstra o quão competitivo é o meio do pelotão e a forma como temos que tirar o máximo de partido do carro em todas as ocasiões.”

 

Tendo o ano passado sido a primeira corrida no Baku City Circuit, o simulador era a única forma de preparar a corrida. Como foi que a tua experiência no simulador se comparou com a realidade demonstrada pela tua primeira volta à pista? E se não houvesse simulador, de que forma te prepararias para competir num traçado desconhecido?

“Os simuladores são uma grande ajuda, mas nunca se compara a pilotar na pista verdadeira pela primeira vez. Especialmente num novo Grande Prémio, situação em que o layout nunca é completamente correcto no simulador. Penso que o melhor é caminhar na pista, ver como é, depois ser seguro nas primeiras voltas e evoluir a partir daí.”

 

Baku tornou-se no circuito citadino mais rápido da Fórmula 1, quando foi estreado o ano passado, e a rapidez dos carros foi incrementada este ano. O que esperas destes novos carros, mais rápidos e largos num circuito com apenas um ano?

“Vai ser excitante. Penso que algumas zonas do circuito serão muito estreitas para estes carros mais largos, mas outras curvas serão fantásticas. A velocidade deverá ser um pouco mais baixa. Penso que será uma pista porreira para estes carros – travar tarde, levar muita velocidade para as curvas e dançar com os muros em algumas das curvas mais rápidas.”

 

Há alguma coisa da corrida do ano passado de Baku que poderá ser aplicada na corrida deste ano, ou nada será útil dado os carros serem tão diferentes?

“Penso que há sempre muitas coisas do passado que podemos usar, mesmo quando os carros são diferentes. Vamos olhar para o que fizemos o ano passado, para a nossa afinação, e para o que podíamos ter feito. Acredito que temos algumas ideias e aplicá-las-emos tendo em conta as diferenças deste ano. Há sempre coisas que podemos aprender e melhorar.”

 

A maior parte dos eventos que se estreiam têm algumas dores de crescimento. Mas no ano passado a corrida correu incrivelmente bem. O que achaste da primeira corrida em Baku?

“Foi uma boa corrida. É uma cidade bonita e uma pista bonita. O único problema que notei foram os sacos de plásticos que voavam na pista – custaram-nos pontos na corrida, uma vez que um entrou na entrada de ar para o radiador. Vamos esperar que esse aspecto tenha melhorado. Para mim, esse foi o único problema de um bom fim-de-semana.”

 

Qual foi a zona mais desafiante do Baku City Circuit e porquê?

“Diria a parte final – contornar o castelo, na subida da colina, e depois a descida para as duas últimas curvas, que na verdade são muito complicadas.”

 

Qual é a tua zona preferida do Baku City Circuit e porquê?

“Na verdade, a mesma zona. É a mais desafiante. É de alta velocidade e temos que ter o equilíbrio correcto nestas curvas, assim como nas travagens. É muito excitante quando tudo bate certo.”

 

Descreve uma volta ao Baku City Circuit.

“Temos a primeira parte do circuito – longas rectas e depois temos uma forte travagem para curvas de 90º. Não é muito excitante, mas é bom para as ultrapassagens. Depois a pista muda muito. Temos curvas muito apertadas, mas fluidas. Em redor do castelo temos uma subida muito rápida. As últimas duas curvas são a descer com muito camber antes da recta traseira. Na verdade, são dois circuitos num.” 

 

 

 

 

 

 

Estamos actualmente a caminho do primeiro terço da segunda temporada da Haas F1 Team. Como descreverias até agora a temporada e o desenvolvimento da equipa?

“Penso que é muito boa. A primeira temporada da equipa foi impressionante. Alcançaram bons resultados. A segunda temporada seria sempre mais difícil melhorar, mas na verdade penso que é isso que estamos a fazer. Já terminámos nos pontos as mesmas vezes nos que o ano passado durante todo o ano, portanto, estamos a trabalhar bem e a dar um passo em frente. Esse era o nosso principal objectivo – pelo menos melhorar relativamente ao ano passado e dar um passo em frente.”

 

O Grande Prémio do Canadá foi outro exemplo de como o meio do pelotão está competitivo este ano, com as equipas separadas apenas por décimos de segundo. Toda gente está a falar da luta entre a Ferrari e a Mercedes, mas como caracterizas a batalha no meio do pelotão entre a Force India, a Toro Rosso, a Williams, a Renault e a Haas?

“É tudo muito próximo, mesmo o mais pequeno dos erros pode custar muito. É assim que as corridas têm que ser. Foi assim em todas as categorias em que participei até chegar à Fórmula 1. Penso que é porreiro estarmos de volta às verdadeiras corridas novamente.”

 

Tendo o ano passado sido a primeira corrida no Baku City Circuit, o simulador era a única forma de preparar a corrida. Como foi que a tua experiência no simulador se comparou com a realidade demonstrada pela tua primeira volta à pista? E se não houvesse simulador, de que forma te prepararias para competir num traçado desconhecido?

“Nunca experimentei o Baku City Circuit num simulador antes de correr lá. Foi uma experiência porreira ir para uma pista onde nem sequer sabia para que lado eram as curvas. Tive mesmo que aprender o circuito do zero. Foi uma experiência porreira, estou ansioso por regressar.”

 

Baku tornou-se no circuito citadino mais rápido da Fórmula 1, quando foi estreado o ano passado, e a rapidez dos carros foi incrementada este ano. O que esperas destes novos carros, mais rápidos e largos num circuito com apenas um ano?

“Vai ser divertido. As curvas serão rápidas este ano, devido ao aumento do apoio aerodinâmico. Vamos ser um pouco mais lentos nas rectas, portanto, suspeito que Baku será uma das poucas pistas onde não vamos ser mais rápidos do que com os carros, mas será muito divertido e desafiante nas corridas.”

 

Há alguma coisa da corrida do ano passado de Baku que poderá ser aplicada na corrida deste ano, ou nada será útil dado os carros serem tão diferentes?

“Agora que conheço a pista e aprendi para que lado são as curvas, este ano será mais fácil ajustar-me à pista. Algumas corridas deverão ser agora facilmente a fundo, talvez até a curva treze seja agora a fundo, o que não acontecia o ano passado. Será uma experiência porreira.”

 

A maior parte dos eventos que se estreiam têm algumas dores de crescimento. Mas no ano passado a corrida correu incrivelmente bem. O que achaste da primeira corrida em Baku?

“Foi uma corrida porreira. Baku oferece boas oportunidades de ultrapassagem. Há muita acção na corrida – o que é sempre bom.”

 

Qual foi a zona mais desafiante do Baku City Circuit e porquê?

“A zona mais desafiadora foi o segundo sector. A velocidade é muito baixa, é tudo muito estreito. É fácil cometer um erro.”

 

Qual é a tua zona preferida do Baku City Circuit e porquê?

“Diria o segundo sector, em todas as zonas estreitas. É divertido e temos que ser muito precisos.”

 

Descreve uma volta ao Baku City Circuit.

“Penso que é uma mistura entre Monza e o Mónaco – o que é pouco usual. Estou ansioso.” 

 

 


 

 

Baku City Circuit

  • Número de voltas: 51
  • Distância de corrida: 306,153 quilómetros
  • Velocidade na via das boxes: 80 Km/h
  • Este circuito de 6,003 quilómetros e 20 curvas estreou-se em 2016 no calendário da Fórmula 1. O piloto da Mercedes Nico Rosberg venceu a corrida inaugural na sua caminhada para a conquista do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 de 2016
  • Rosberg detém o recorde da volta no Baku City Circuit (1m46,485s).
  • Rosberg detém o recorde da volta de qualificação no Baku City Circuit (1m42,520s), registado durante a Q2.
  • Concebido por Hermann Tilke, Baku City Circuit é o traçado citadino mais rápido do mundo com uma volta ao circuito de 6,003 quilómetros e 20 curvas realizada em menos de 105 segundos. O traçado em forma de haltere será realizado no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio, com uma curva à esquerda a dar as boas-vindas aos pilotos no final da recta da meta, semelhante ao Circuit of the Americas em Austin, o palco do Grande Prémio dos Estados Unidos da América, também desenhado pela Tilke. O Circuito Citadino de Baku é único, uma vez que combina o antigo com o moderno. Na zona Este elevam-se os hotéis e as lojas, na zona histórica as ruas são estreitas e íngremes, para depois regressar à zona frontal do circuito. O traçado desafiador será potenciado pelos ventos que são sempre uma presença. De facto, a Cidade dos Ventos é nome oficioso, mas literal, de Baku.
  • Sabia que: Baku está localizada a 28 metros abaixo do nível do mar, tornando-a na capital mundial de mais baixa altitude e a maior cidade localizada abaixo do nível do mar. 
  • Durante o fim-de-semana do Grande Prémio de Baku as temperaturas mínimas rondarão os 20/21ºC e as máximas os 28/29ºC. A velocidade do vento pode variar entre entre os 5Km/h e os 30Km/h, raramente excedendo os 47Km/h.

 

 

A Pirelli leva para o Azerbaijão três compostos:

  • P Zero Branco/Médiopouca aderência, menos desgaste (usado para séries longas de voltas)
  •  P Zero Amarelo/Macio mais aderência, desgaste médio (usado para pequenas séries de voltas e para o segmento inicial da qualificação)
  • P Zero Vermelho/Supermacio maior quantidade de aderência, elevado nível de desgaste(usado para a qualificação e para situações específicas de corridas)
  • O Grande Prémio do Bahrein, realizado entre 14 e 16 de Abril foi a última vez que estes três compostos foram usados juntos. O ano passado, no Azerbaijão, os P Zero Roxo/Ultramacio foram disponibilizados juntamente com os supermacios e os macios.
  • Dois dos três compostos disponíveis têm que ser usados durante a corrida. As equipas podem decidir quando querem utilizar cada um dos compostos, o que proporciona um elemento de estratégia para a corrida. Cada piloto pode usar todos os três tipos de pneus na corrida, se assim desejar. (Se a corrida for disputada com a pista molhada, os Cinturato Azul, pneu de chuva, e o Cinturato Verde, intermédios, estarão disponíveis).
  • A Pirelli fornece a cada piloto 13 jogos de pneus para seco durante o fim-de-semana. Destes 13 jogos, os pilotos e as suas equipas podem escolher a especificação de dez entre os compostos selecionados pela Pirelli. Os três restantes são definidos pela Pirelli – dois jogos de pneus de especificação obrigatória para a corrida (um de P Zero Branco/Médio e outro P Zero Amarelo/Macio) e um obrigatório para a Q3 (um P Zero Vermelho/Supermacio).

Os pilotos da Haas F1 Team escolheram da seguinte forma:

Grosjean: um jogo de P Zero Branco/Médio, quatro jogos de P Zero Amarelo/Macio e oito jogos de P Zero Vermelho/Supermacio

Magnussen: um jogo de P Zero Branco/Médio, quatro jogos de P Zero Amarelo/Macio e oito jogos de P Zero Vermelho/Supermacio

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

PIRELLI ANNOUNCES COMPOUND CHOICES AND MANDATORY SETS  FOR THE 2017 MALAYSIA GRAND PRIX 
 
- Pirelli announces the following compounds for the fifteenth round of the 2017 Formula One season (September 29 - October 1).
 
 
 
 
(1) Each driver must save for Q3 one set of the softest of the three nominated compounds. This set will be given back to Pirelli after Q3 for those who qualify in the top 10, but the remaining drivers will keep it for the race – as is the case currently.
 
(2) Each driver must have both these sets available for the race and must use at least one of them.
 
The Teams are free to choose the remaining 10 sets, thus making up 13 sets in total for the weekend.
 
 
THE TYRES NOMINATED SO FAR*
 
    Qualify1    Race2   
      Australia      China      Bahrain      Russia      Spain      Monaco      Canada      Azerbaijan      Austria      Great Britain      Hungary     
 
 
 
 
 
(*) The regulations mean that the tyre sets choice for the long-haul events has to be made by the teams 14 weeks in advance, whereas for the European races the deadline is 8 weeks in advance.

 

KUBICA SENTA-SE DE NOVO NUM F 1

 

at46 Copyat47 CopyRobert Kubica volta a sentir AS SENSAÇÕES da Formula 1

Pela primeira vez em seis anos, Robert Kubica voltou a sentar-se aos comandos de um Fórmula 1, num teste privado com a equipa Renault Sport Formula One Team, no Circuito Ricardo Tormo em Valência.

 

Robert Kubica completou 115 voltas ao traçado, num Fórmula 1 com as especificações de 2012, equipado com um motor Renault V8, tendo realizado diversos testes com diferentes níveis de combustível.at46 Copyat47 Copy

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

SELECTED SETS PER DRIVER

– The FIA communicated to Pirelli each team’s tyre choices for the forthcoming Azerbaijan Grand Prix (Baku, 23-25 June).

alt

 

FÓRMULA E EM BERLIM

 

DS VIRGIN RACING CONTINUA A PONTUAR EM BERLIM

 

  • José María López (5º) e Sam Bird (7º) terminam nos pontos.
  • Os pilotos enfrentaram condições meteorológicas difíceis na mais longa corrida de sempre da Fórmula E.
  • A equipa avança para as próximas duas rondas, a disputar em Nova Iorque, ocupando um confortável quarto lugar.

 

 

Depois da dupla pontuação obtida no Sábado, a DS Virgin Racing voltou a conquistar mais pontos no decorrer da segunda corrida do ePrix FIA de Berlim, disputado este fim-de-semana. O ePrix de Berlim totalizou a 7ª e a 8º provas do calendário de 2017 do Campeonato de Fórmula E 2017.

Realizado no Aeroporto de Tempelhof, o ePrix germânico viu José Maria López e Sam Bird terminaram a prova na quinta e na sétima posição, respectivamente, colocando a equipa no quarto posto da geral antes do ePrix de Nova Iorque, deixando o rival mais direto a 40 pontos de distância.

As sessões de treinos da manhã de domingo mostraram, mais uma vez, o andamento do DSV-02 com José Maria López no topo da tabela dos melhores tempos na segunda sessão e a rubricar a volta mais rápida de todo o fim-de-semana. Este desempenho prolongou-se nas sessões de qualificação, onde Bird e López ocuparam o primeiro e o segundo lugares, respectivamente, os que o tornou candidatos à Super Pole. Contudo, os dois pilotos acabaram por perder, por uma margem mínima, um lugar da linha da frente, arrancando em P3 e P4.

Foi uma partida limpa para López e Bird e à medida do desenrolar das 46 voltas da corrida, o consumo de energia provou se rum fator crucial. Rodando em quarto e quinto, Bird tentou ultrapassar López na Curva 1 à 17ª volta, mas o argentino defendeu bem a sua posição, mas com perda de tempo e de alguns lugares.

 

 

 

 

Bird conseguiu recuperar um lugar durante a paragem nas boxes, com os dois agora a rodar em sexto e sétimo, numa altura em que a corrida se aproximava da sua reta final. López subiu então ao quinto lugar depois de uma espetacular manobra por fora que lhe permitiu ultrapassar Jean-Eric Vergne, piloto da Tcheetah,

 

 

mantendo-se nessa posição até à bandeirada de xadrez. Entretanto, Bird deu tudo por tudo para também ultrapassar Vergne, mas não conseguiu mais do que cruzar a linha de chegada no sétimo posto.

 

A equipa tem vindo a fazer um grande trabalho ao longo das últimas provas, e sabemos que há muito mais para dar em termos do andamento em corrida”, declarou López. “Todos trabalharam arduamente e temos conseguido alcançar boas pontuações.” O seu colega de equipa, Sam Bird, disse o seguinte: “Foi uma pena não termos conseguido ir mais longe nesta prova, mas, no geral, estou satisfeito com mais estes pontos conquistados. A equipa deu-me um bom carro mas vamos trabalhar mais no consumo de energia e tentar melhorar nas próximas corridas.

Por sua vez, o Diretor do DS Virgin Team, Alex Tai, declarou: “As altas temperaturas em pista e a  longa distância desta corrida constituíram, sem dúvida, condições difíceis tanto para os carros como para os pilotos, mas estamos muito felizes por termos arrecadado mais pontos no campeonato. Estamos claramente com o andamento certo, como ficou bem visível nas sessões de qualificação, e sei que a equipa pode muito bem dar conta do recado e converter este nível de performance em lugares no pódio.

O Diretor da DS Performance, Xavier Mestelan Pinon, acrescentou: “Foi um bom fim-de-semana para a equipa e melhor ainda foi ter os pilotos na Super Pole nos dois dias, o que ajudou a fortalecer a nossa posição no campeonato. Vamos agora trabalhar no melhoramento do nosso andamento em prova para Nova Iorque, de forma a lutarmos por melhores resultados.

As próximas rondas (nona e décima) do Campeonato FIA de Fórmula E têm lugar, pela primeira vez, em Nova Iorque, nos próximos dias 15 e 16 de julho.

 

 

FIA FÓRMULA E – ePrix de Berlim

Classificação final

1. Sebastien Buemi, Renault e.dams, 46 voltas
2. Felix Rosenqvist, Mahindra Racing, +7.195s
3. Lucas di Grassi, ABT Schaeffler Audi Sport, +10.862s

4. Daniel Abt, ABT Schaeffler Audi Sport, +13.631s
5. José María López, DS Virgin Racing, +20.324s

 

7. Sam Bird, DS Virgin Racing, +21.959s

 

 

 

 

 

CAMPEONATO FIA DE FÓRMULA E - Pilotos

1. Sebastien Buemi, Renault e.dams – 157 pontos
2. Lucas di Grassi, ABT Schaeffler Audi Sport – 125 pontos
3. Felix Rosenqvist, Mahindra Racing – 86 pontos

 

 

4. Nico Prost, Renault e.dams – 72 pontos
5. Nick Heidfeld, Mahindra Racing – 63 pontos

7. José María López, DS Virgin Racing – 50 pontos

8. Sam Bird, DS Virgin Racing – 47 pontos

 

 

CAMPEONATO FIA DE FÓRMULA E - Equipas

Renault e.dams – 229 pontos
2. ABT Schaeffler Audi Sport – 171 pontos
3. Mahindra Racing – 149 pontos
4. DS Virgin Racing – 97 pontos
5. TECHEETAH – 57 pontos

 aq6 Copyaq7 Copy

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

Hamilton e Valtteri alcançam a 1ª e 2ª posição em Montreal

  • Lewis Hamilton conquistou ontem a 56ª vitória da sua carreira, a 6ª no circuito Gilles-Villeneuve e a 3ª vitória esta época
  • Hamilton alcançou o seu 4º Grand Slam, conquistando a pole position, a vitória na prova, a volta mais rápida e mantendo a liderança durante toda a prova
  • Valtteri Bottas acabou na 2ª posição depois de ter partido na 3ª posição, conseguindo assim os dois primeiros lugares da temporada para a equipa
  • Hamilton (129 pontos) encurtou a distância para Sebastian Vettel (141 pontos) para apenas 12 pontos no Mundial de Pilotos, com Valtteri (93 pontos) a surgir na terceira posição a 36 pontos
  • A equipa Mercedes-AMG Petronas Motorsport (222 pontos) continua a liderar o Mundial de Construtores em 2017as72 Copyas73 Copy
 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

Canada Grand Prix Race – Infographics

alt

 alt

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

CANADA GRAND PRIX RACE
 
MERCEDES DRIVER LEWIS HAMILTON DOMINATES IN MONTREAL  WITH A ONE-STOP ULTRASOFT-SUPERSOFT STRATEGY
 
WIDE VARIETY OF STRATEGIES ADOPTED: TWO STOPS FOR BOTH FERRARI DRIVERS TO SET UP A SPRINT FINISH
 
LOW WEAR AND DEGRADATION ON ALL THE COMPOUNDS  WITH SOME VERY LONG OPENING STINTS, HELPED BY EARLY SAFETY CARS

  as69 Copy– A wide variety of strategies were seen at the Canadian Grand Prix, with Mercedes driver Lewis Hamilton winning with an ultrasoft-supersoft strategy. The second and third place finishers also stopped only once but used the soft during the second stint. Hamilton completed a long first stint on the ultrasoft, which allowed him to make his sole pit stop without losing the lead. Ferrari adopted a different approach, stopping twice in order to compete the race on the faster ultrasoft and make up positions at the end. In Sebastian Vettel’s case, this was influenced by front wing damage at the beginning of the race. All the drivers started on ultrasoft apart from Haas’s Kevin Magnussen and Sauber’s Pascal Wehrlein. 
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “Conditions today were more blustery than they were during the weekend and the race got underway with an early safety car. These factors added more variables to the strategy calculations, and so we saw many teams trying different approaches, while reacting to changing race circumstances. Hamilton’s long opening stint on the ultrasoft enabled him to complete the race on the supersoft: the same strategy adopted by Force India, which used it to challenge for the podium. Ferrari reacted to Vettel’s early first pit stop by then using a different approach to make up places at the finish.” 
 
BEST TIME BY COMPOUND
 
 
 
LONGEST STINT OF THE RACE
 
   Bottas 1m 15.894s Hamilton 1m 14.551s Vettel 1m 14.719s Ricciardo 1m 16.165s Alonso 1m 15.853s Raikkonen 1m 15.388s
-
Stroll 1m 15.979s
Hamilton 1m 16.037s
COMPOUND DRIVER LAPS
SOFT Ricciardo 52
SUPERSOFT Grosjean 68
ULTRASOFT Vandoorne 45
 
 
 
 
 
 
TRUTHOMETER Lewis Hamilton won the race using one pit stop and the strategy that we predicted was theoretically the second-fastest approach to the race. Hamilton went from ultrasoft to supersoft on lap 32, while his team mate Valtteri Bottas in second completed a shorter opening stint in accordance with our fastest strategy prediction, switching from ultrasoft to soft on lap 23.
 
 

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

2017 Canada Grand Prix – Sets available for the race – Infographics

alt

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

CANADA GRAND PRIX QUALIFYING
 
MERCEDES DRIVER LEWIS HAMILTON TAKES POLE POSITION ON ULTRASOFT SETTING THE FASTEST EVER LAP OF MONTREAL
 
FERRARI THE ONLY TEAM TO GET THROUGH Q1  USING THE SUPERSOFT TYRES ONLY
 
ONE PIT STOP EXPECTED AS FASTEST STRATEGY FOR THE RACE 
 
  – Mercedes driver Lewis Hamilton claimed pole position for the Canadian Grand Prix, setting the fastest time ever seen around the Montreal circuit, using the P Zero Purple ultrasoft tyres. Ferrari driver Sebastian Vettel and his team mate Kimi Raikkonen (who qualified second and fourth) were the only drivers to get through Q1 using the supersoft tyre only, which is reckoned to be just under a second slower than the ultrasoft. Conditions remained warm and dry for qualifying, with the ultrasoft used by all drivers from Q2 onwards. A one-stop strategy is expected for the majority of competitors tomorrow: however, a two-stopper is also possible. Track evolution continued throughout the qualifying sessions.
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “Today, we saw the fastest lap ever of Montreal that improved on the 2016 pole by more than 1.3 seconds: a remarkable difference given that this has been gained purely from traction, as there aren’t many big corners here. The times were extremely close in a thrilling session, just as we saw in FP3. The challenge in Montreal consisted of getting the front and rear tyres working in harmony: as the rears are normally working harder than the fronts. Hooking them up together was key to a fast time in qualifying. Montreal isn’t one of the races where pole position means everything, so the prospects for the grand prix remain wide open.”
 
HOW THE TYRES BEHAVED TODAY
      Not seen in qualifying but race performance quite close to supersoft. Only used by Ferrari in Q1: just under a second slower than ultrasoft. The key choice for qualifying: all the top 10 will start on this tyre.   
 
 
 
 
 
 
 
FREE PRACTICE 3 – TOP 3 TIMES
 
 
QUALIFYING TOP 10
 
 
 
MOST LAPS BY COMPOUND SO FAR
 
 
 
 
 
 
 
 
DRIVER TIME COMPOUND
Vettel 1m12.572s ULTRASOFT NEW
Raikkonen 1m12.864s ULTRASOFT NEW
Hamilton 1m12.926s ULTRASOFT NEW
DRIVER TIME COMPOUND
Hamilton 1m11.459s ULTRASOFT NEW
Vettel 1m11.789s ULTRASOFT NEW
Bottas 1m12.177s ULTRASOFT NEW
Raikkonen 1m12.252s ULTRASOFT NEW
Verstappen  1m12.403s ULTRASOFT NEW
Ricciardo 1m12.557s ULTRASOFT NEW
Massa 1m12.858s ULTRASOFT NEW
Perez 1m13.018s ULTRASOFT NEW
Ocon 1m13.135s ULTRASOFT NEW
Hulkenberg 1m13.271s ULTRASOFT NEW
COMPOUND DRIVER LAPS
SOFT Wehrlein 20
SUPERSOFT Vettel 29
ULTRASOFT Massa 29
 
 
 
 
BEST TIME BY COMPOUND SO FAR 
 
 
 
 
 
 
 
 
as65 Copy
  
 
 
COMPOUND DRIVER TIME
SOFT Bottas 1m14.079s
SUPERSOFT Vettel 1m13.046s
ULTRASOFT Hamilton 1m11.459s

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

CANADA GRAND PRIX PRACTICE SESSIONS
 
HIGH TRACK EVOLUTION IN MONTREAL  STARTS FROM A PARTICULARLY DIRTY TRACK IN FP1
 
FASTEST TIMES IN FP2 ALREADY CLOSE TO LAST YEAR’S POLE POSITION: JUST 0.8 SECONDS SEPARATE SUPERSOFT AND ULTRASOFT
 
NO GRAINING ON A SEMI-PERMANENT CIRCUIT  THAT IS NORMALLY NOTED FOR THIS PHENOMENON 
 
  as64 CopyThe top FP2 times in Montreal were close to last year’s pole position time, despite a track that was initially dirtier than usual, causing a high degree of track evolution throughout the day. The FP1 times were just under a second faster than last year’s equivalent in the morning; by FP2 in the afternoon this margin had increased to around 1.3 seconds. All three nominated compounds (soft, supersoft and ultrasoft) were used today, with the drivers assessing the behaviour of each compound on both short and long runs with varying fuel loads. After a cool and cloudy start, which threatened rain, conditions remained dry all day with ambient temperatures reaching 26 degrees centigrade. Dry weather is expected for the rest of the weekend as well.
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “Free practice today went as expected, with the soft tyre also proving to be very close in performance to the supersoft, making the soft a viable alternative from what we can see so far. As far as we can tell at the moment, the supersoft is slower of less than a second compared to the ultrasoft and the soft is slower of more than a second compared to the ultrasoft. There has been an even higher degree of track evolution than usual during FP1 in Montreal due to a particularly dirty track. This is a circuit that is normally known for graining, but we’ve not seen any of that with the latest 2017 tyres – as has also been the case at all the other circuits this season.”
 
 
FREE PRACTICE 1 – TOP 3 TIMES
 
 
FREE PRACTICE 2 – TOP 3 TIMES
 
DRIVER TIME COMPOUND
Hamilton 1m13.809s
 
ULTRASOFT NEW
Vettel 1m14.007s
 
ULTRASOFT NEW
Bottas 1m14.046s
 
ULTRASOFT NEW
DRIVER TIME COMPOUND
Raikkonen 1m12.935s ULTRASOFT NEW
 
 
 
 
 
FP1 - BEST TIME BY COMPOUND 
 
 
 
FP2 - BEST TIME BY COMPOUND 
 
 
 
MOST LAPS BY COMPOUND SO FAR
 
 
 
TYRE STATISTICS OF THE DAY
 
 
* The above number gives the total amount of kilometres driven in FP1 and FP2 today, all drivers combined. ** Per compound, all drivers combined.
 
Hamilton 1m13.150s ULTRASOFT NEW
Vettel 1m13.200s ULTRASOFT NEW
COMPOUND DRIVER TIME
SOFT Perez 1m 15.943s
SUPERSOFT Verstappen 1m 14.861s
ULTRASOFT Hamilton 1m 13.809s
COMPOUND DRIVER TIME
SOFT Bottas 1m 14.079s
SUPERSOFT Hamilton 1m 13.955s
ULTRASOFT Raikkonen 1m 12.935s
COMPOUND DRIVER LAPS
SOFT Wehrlein 20
SUPERSOFT Vettel 29
ULTRASOFT Massa 29
 
  
Kms driven* 640 2350 2232
Sets used overall** 17 35 30
 
 
 
 
 
 
MINIMUM PRESCRIBED TYRE PRESSURES
 
 
20 psi (fronts) – 18.5 psi (rears) 
 
 
 
 

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

CANADA GRAND PRIX PREVIEW Round 7 of 20 Montréal, 09-11 June 2017

  07-ca-preview-4k-en2 6_CopyFollowing two events in Europe, Formula 1 heads to the Canadian Grand Prix, widely acknowledged as one of the most unpredictable races of the year. Just like Monaco, the three softest compounds in the P Zero Formula 1 range are present: soft, supersoft and ultrasoft. But this semi-permanent track is much quicker, with top speeds exceeding 300kph, and so poses a bigger challenge for both cars and tyres. With a slippery surface, changeable weather and a relatively high incidence of safety cars – thanks mainly to the famous ‘wall of champions’ – a wide variety of race strategies has been seen in the past. But this year, we have a brand-new range of tyres and different characteristics…
 
THE THREE NOMINATED COMPOUNDS
  
 
THE CIRCUIT FROM A TYRE POINT OF VIEW
 
 
 Canada is all about traction and braking: longitudinal rather than lateral forces. This affects tyres and especially brakes.  Warming up the front tyres effectively is one of the keys to a quick lap time in Canada.  Being a rarely-used semi-permanent track, the surface tends to evolve rapidly.  Some graining has been seen in the past: this is now less likely with the new family of 2017 tyres, based on previous experience.  Weather can range from heat to full rain.
 
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “Montreal has many unique features, but with its smooth surface, it actually contains some similarities to Sochi. Last year the winner did one stop, while the second-placed driver made two stops using all three compounds, which just goes to show the very wide variety of strategies that are possible. Finding the right set-up, with the correct aerodynamic and mechanical balance, is never easy in Montreal: this is one of the key factors to making the tyres work effectively there. It’s also important to take an openminded approach to strategy, given the variable weather and safety cars that are historically possible.”
 
 
 
 
 
WHAT’S NEW?     This is only the second time this year that the teams have been able to choose their own tyres, with Ferrari and Mercedes making slightly different choices.  In Monaco, Red Bull had its well-known floating motorhome: in Canada, Pirelli has a floating fitting area!  The current lap record in Canada stands at 1m13.622s (from 2004). Given last year’s lap times and the improvement seen so far, there is a strong chance it will be broken.  Pirelli has been expanding its sporting horizons: as well as being a partner and sponsor of Formula 1, the Italian tyre firm also became sponsor of the recentlyconcluded Giro d’Italia cycle race and Team Emirates New Zealand in the America’s Cup.
 
MONTRÉAL MINIMUM STARTING PRESSURES (SLICKS)
 
 
20  psi (front) – 18.5  psi (rear)
 
EOS  CAMBER LIMIT
 
 
-3.50° (front) | -2.00° (rear)
 
THE TYRES NOMINATED THIS SEASON
 
      Australia      China      Bahrain      Russia      Spain      Monaco      Canada      Azerbaijan      Austria      Great Britain      Hungary     
 
 
 
 
 
 
 
 

 

FÓRMULA E EM BERLIM

FÓRMULA E EM BERLINas42 Copyas43 Copy

 

 

  1. A penalização aplicada a Rosenqvist após o final da corrida entrega a Buemi aquilo que o sueco tinha ganho na pista durante 2ª prova da Fórmula E em Berlim. António Félix da Costa recuperou seis lugares mas ficou a um passo dos pontos.

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

G.P.DA CANADA

 

 

 

  1. Por esta imagens pode-se ver o que um piloto na F1 pode fazer pelo desporto automóvel no seu país, sobretudo quando pontua em casa.

 

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

G.P.CANADA DE FÓRMULA 1

 

 

  1. Lewis Hamilton ganha no dia de anos de Jackie Stewart, o outro único triplo campeão do mundo britânico de F1. Mas mais importante, ficou provado que na temporada 2017 tudo pode acontecer entre Mercedes e Ferrari. E quase sempre aquilo que parece acaba por não o ser na realidade.
    Vai ser prova a prova, erro a erro, brilhantismos de uns ou de outros, seja ao volante, seja nas afinações, seja nas estratégias, ou até na capacidade (será isso a sorte?) de escapar às incidências alheias.... Que mais podíamos desejar à F1?

    PS: adorava ser mosca e ir ao debrief da Force India. Acho que o "rapaz galego" tem umas contas a ajustar com o "salero".

    PS2: Stroll escolheu aquele sítio certo para marcar pontos. Agora é pensar em fazer ainda melhor, mais liberto daquela pressão de "tem de ser"...

    PS3: o que dizer de Alonso? Que anda a estragar a carreira de Stoffel...

 

HAAS NO G.P DO CANADA

 

Evento:  Qualificação (Round 7 de 20)

Data:  Sábado, 10 de Junho

Local:  Circuit Gilles Villeneuve, Montreal

Layout:  4,361 quilómetros , 14 curvas

Pole-Position:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m11,459s – novo record)

Resultado:  Romain Grosjean 14º/ Kevin Magnussen 18º

 

 

 

●  Tem a duração de 18 minutos, com a participação de todos os 20 pilotos
●  Os 15 pilotos mais rápidos avançam para a Q2

Grosjean:  11º (1m13,780s), avançou para a Q2

Magnussen:  18º (1m14,318s)

Piloto mais rápido:  Valtteri Bottas da Mercedes (1m12,685s)

Cutoff:  15º Carlos Sainz Jr. da Toro Rosso (1m14,051s)

 

 

 

●  Tem a duração de 15 minutos, com a participação dos 15 pilotos mais rápidos provenientes da Q1
●  Os 10 pilotos mais rápidos avançam para a Q3

Grosjean:  14º (1m13,839s)

Piloto mais rápida:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m12,496s)

Cutoff:  10º Nico Hulkenberg da Renault (1m13,406s)

 

 

 

●  Tem  a duração de 12 minutos, com a participação dos 15 pilotos mais rápidos provenientes da Q2, lutando todos pela pole-position

Pole-Position:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m11,459s)

Segundo:  Sebastian Vettel da Scuderia Ferrari (1m11,789s)

 

 

 

Os pilotos da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Kevin Magnussen, qualificaram-se em décima quarta e décima oitava posições, respectivamente, para o Grande Prémio do Canadá, que se realiza no domingo no Circuit Gilles Villeneuve.

 

Grosjean realizou no décimo primeiro crono na Q1 com uma volta ao circuito de 4,631 quilómetros e catorze curvas que parou o cronómetro em 1m13,780s. Magnussen foi décimo oitavo mais rápido com o registo de 1m14,318s. Apenas os quinze primeiros passaram para a Q2.

 

A primeira tentativa de Magnussen foi prejudicada pelo tráfego em pista, não conseguindo uma volta limpa e, quando Pascal Wehrlein entrou em pião com o seu Sauber na Curva 1, embatendo no muro, a sessão foi interrompida com menos de quarenta segundos por completar.

 

Na Q2, Grosjean assegurou o décimo quarto crono, 1m13,839s. Apenas os dez primeiros da Q2 passaram para a Q3.

 

Tanto Grosjean como Magnussen rodaram exclusivamente com Pirelli P Zero Roxo/Ultramacio durante a qualificação.

 

Lewis Hamilton, da Mercedes, garantiu a pole-position para o Grande Prémio do Canadá. A sua melhor volta, 1m11,459s, assegurou-lhe um novo recorde da pista, que durava desde 2004, quando Ralf Schumacher garantiu o registo de 1m12,275s ao serviço da Williams. Hamilton bateu o Ferrari de Sebastian Vettel por 0,330s. Foi a sexagésima quinta pole-position de Hamilton na Fórmula 1, o que o coloca par a par com o lendário Ayrton Senna, estando os dois na segunda posição do ranking da história da Fórmula 1. Apenas Michael Schumacher tem mais, com sessenta e oito. Esta foi também a quarta pole-position da temporada de Hamilton, a sua terceira consecutiva  no Grande Prémio do Canadá e a sua sexta em Montreal, o que o deixa empatado com Schumacher enquanto piloto com mais pole-positions no Circuit Gilles Villeneuve.

 

Antes, Grosjean, Magnussen e os seus adversários participarem na qualificação, tomaram parte numa derradeira sessão de treinos-livres para afinar os seus carros. O duo da Haas F1 Team tirou o máximo de partido da sessão de uma hora, tendo cada um deles rodado com cada um dos compostos que a Pirelli levou para o Canadá. A voltas de instalação foram realizadas com pneus macios, realizando depois uma série de oito voltas com os supermacios, para depois culminar numa simulação de qualificação de sete voltas com os ultramacios.

 

Sendo os ultramacios as borrachas mais aderentes da gama da Pirelli, foi sem surpresa que foram eles que permitiram os melhores tempos. Grosjean assinou o décimo quarto crono, 1m13,994, na sua décima sétima voltas. Magnussen assegurou o seu melhor registo na décima sexta volta – 1m14,392s, o que o colocou no décimo sétimo posto. Grosjean completou dezanove voltas e Magnussen dezoito.

 

O mais rápido na terceira sessão foi Vettel, com a marca de 1m12,572s, deixando o seu colega de equipa na Scuderia Ferrari, Kimi Raikkonen, a 0,292s.

 

 

 

Não tem sido fácil. Sabíamos que não estávamos na Q3, mas estava à espera de alcançar um pouco de magia na qualificação. A Q1 correu bem. Na Q2, não consegui encontrar qualquer aderência no último jogo de pneus. Dei o meu melhor, consegui um bom tempo, mas foi impossível alcançar uma posição melhor. Vamos trabalhar e analisar tudo. O aspecto positivo é que nesta pista é possível ultrapassar. Será uma longa corrida e pode ser dura nos travões. Vamos esperar conseguir alcançar alguns pontos amanhã.”

 

 

 

Foi muito frustrante. Houve muitas coisas acontecerem – sobretudo tráfego. Pelo segundo fim-de-semana consecutivo que não fazemos boas voltas por causa do tráfego. Não tive uma boa sensação com o carro e não consegui fazer uma boa volta. O mais importante é tentar estar numa estratégia semelhante a quem está ao nosso redor para que não façamos voltas rápidas quando os outros estão em voltas lentas. Não conseguimos mostrar o nosso verdadeiro potencial, hoje. Temos que melhorar.

 

 

 

Não foi a qualificação que queríamos. Tivemos algumas dificuldades com os pneus em ambos os carros. Depois, o Kevin, na sua última volta, apanhou duplas bandeiras amarelas – foi assim o dia dele. O Romain deu o seu melhor, mas o seu último jogo de pneus não funcionou bem. Temos que perceber porquê. Foi uma sessão muito competitiva. Tudo era possível, mas nada é também possível. Amanhã temos um dia longo pela frente. Esta é uma das pistas onde existe a possibilidade de realizar ultrapassagens, portanto, temos que tirar vantagem disso e estar prontos para o dia de amanhã. Temos que entender os pneus e realizar uma boa corrida.

 

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal. 

 

HAAS NO G.P DO CANADA

 

Evento:  1ª e 2ª sessões de treinos-livres

Data:  Sexta-Feira, 9 de Junho

Local:  Circuit Gilles Villeneuve, em Montreal

Layout:  4,361 quilómetros e 14 curvas

Condições climatéricas na 1ª Sessão:  Parcialmente encoberto

Temperatura do ar na 1ª Sessão:  21,4-22,2ºC

Temperatura da pista na 1ª Sessão:  27,9-29,9ºC

Condição climatéricas na 2ª Sessão:  Parcialmente encoberto

Temperatura do ar na 2ª Sessão23,6-25,4ºC

Temperatura da pista na 2ª Sessão:   33,8-38,3ºC

Pilotos:  Romain Grosjean e Kevin Magnussen

 

 

 

Magnussen:  12º (1m16,233s), 25 voltas

Grosjean:  14º (1m16,345s), 18 voltas

Piloto mais rápido:  Lewis Hamilton da Mercedes (1m13,809s)

Mais voltas completadas:  Lewis Hamilton da Mercedes e Lance Stroll da Williams (36 voltas)

 

 

 

Grosjean:  11º (1m14,566s), 33 voltas

Magnussen:  14º (1m14,676s), 35 voltas

Pilotos mais rápidos:  Kimi Räikkönen da Scuderia Ferrari (1m12,935s)

Mais voltas completadas:  Esteban Ocon da Force India (46 laps)

 

 

 

O sétimo round do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 de 2017 começou esta sexta-feira no Circuit Gilles Villeneuve em Montreal, com as equipas a preparem-se para o Grande Prémio do Canadá, que se realiza no domingo.

 

As duas primeiras sessões – a primeira e a segunda sessões de treinos-livres – tiveram como função sobretudo limpar o circuito semi-permanente de 4,361 quilómetros e catorze curvas. Com o uso pouco frequente das ruas em que o circuito é baseado, o asfalto provou estar demasiado verde para haver tracção disponível.

 

Os pilotos da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Kevin Magnussen, foram dos primeiros pilotos a aventurem-se na primeira sessão, e protagonizaram uma primeira sessão sólida com Magnussen, assegurando o décimo segundo tempo e Grosjean a ficar dois lugares mais atrás.

 

Magnussen registou vinte e cinco voltas, tendo o seu melhor tempo surgido na penúltima volta – 1m16,233s registado com pneus Pirelli P Zero Vermelho/Supermacio. Grosjean totalizou dezoito voltas, tendo seu melhor crono surgido também na penúltima volta – 1m16,345s, conquistado com o mesmo tipo de pneus.

 

Lewis Hamilton, da Mercedes, foi o mais rápido na primeira sessão, com o registo de 1m13,809s, deixando o segundo melhor, Sebastian Vettel da Scuderia Ferrari, a 0,198s.

 

Com a pista a ficar com mais borracha, as velocidades aumentaram e os tempos desceram na segunda sessão de treinos-livres. Grosjean foi quem conseguiu um maior ganho, terminando a segunda sessão no décimo primeiro posto com o registo de 1m14,566, melhorando 1,799s o seu tempo da manhã. O seu melhor tempo surgiu na décima sexta volta das trinta e três voltas que completou, com pneus ultramacios no seu carro. Magnussen baixou seu tempo da primeira sessão em 1,557s, marcando 1m14,676s na sua décima oitava volta, enquanto usava pneus macios ultramacios. Terminou a sessão no décimo quarto lugar com trinta e cinco voltas completadas.

 

No topo ficou a Scuderia Ferrari, com Kimi Raikkonen, com a melhor volta de 1m12,935s. O seu registo deixou Hamilton, o segundo mais rápido, a 0,215s mas quedou-se a 0,123s da pole-position do ano passado, assinada por Lewis Hamilton, e a 0,660s da melhor volta de sempre realizada no Circuit Gilles Vileneuve – 1m12,275s assinado por Ralf Schumacher no seu Williams durante a qualificação para o Grande Prémio do Canadá de 2004.

 

Entre as duas sessões, a Haas F1 Team completou cento e onze voltas – sessenta realizadas por Magnussen e cinquenta e uma por Grosjean.

 

 

 

Foi um dia decente. Tentámos algumas alterações nas afinações. Foi bom que tenha corrida bem. Gosto de conduzir nesta pista. É sempre um grande desafio, mas é um bom desafio. Estamos a trabalhar nas afinações do nosso carro – estamos a tentar extrair um pouco mais de performance. Parece que os tempos estão muito juntos, não desde a frente, mas sim desde a Force India, nós, a Toro Rosso e a Renault. Será importante encontrar aqueles últimos décimos de segundo. Estou satisfeito com o carro. A série longa não correu mal. Estou ansioso por amanhã.”

 

 

 

Foi um bom dia para nós. Gostei muito de pilotar nesta pista. O carro inicialmente estava bom. Temos alguns aspectos que podemos melhorar e nos quais estamos a trabalhar para amanhã, vamos ver até onde vamos. Amanhã deverá estar mais calor, com menos nuvens, portanto, a pista deverá ficar mais quente e os pneus devem ser mais fáceis de colocar a trabalhar. Estou satisfeito com o nosso dia.”

 

 

 

Não foram más sessões. Tivemos algumas dificuldades com um novo jogo de travões na segunda parte da primeira sessão, mas na segunda sessão já estava resolvido. Então tivemos uma boa sessão. Fizemos todos os testes que pretendíamos. O carro está onde sempre está – no segundo pelotão. Uma vez mais, o segundo pelotão é muito apertado. A pista parece estar escorregadia. Todos estão aos piões devido ao vento e à pista suja. Penso que estamos bem e prontos para amanhã.”

 

 

 

Os pilotos terão mais uma sessão de treinos-livres no sábado (10h00-11h00) antes do início da qualificação, às 13h00. A qualificação consiste em três segmentos, com os dezasseis mais rápidos da Q1 a passarem para a Q2. Os dez mais rápidos da Q2 avançam para a Q3, onde disputam a pole-position.

 

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal.

 

FÓRMULA E EM BERLIM

 

Fórmula E: Pole e segundo lugar em Berlim deixam Di Grassi mais próximo da ponta

Com os 21 pontos conquistados neste sábado (10) e a desclassificação do rival Sébastien Buemi, brasileiro da ABT Schaeffler Audi Sport diminui diferença de 43 para 22 pontos. Segunda corrida acontece neste domingo (11)

Mesmo enfrentando problemas - físicos e técnicos - Lucas di Grassi encerrou o sábado de forma positiva, com um troféu e mais 21 pontos no bolso. O brasileiro cravou a pole position e terminou em segundo lugar a primeira prova da sétima etapa da temporada 2016-2017 da Fórmula E, disputada no circuito do antigo aeroporto Tempelhof, em Berlim.

O lucro para o piloto da ABT Schaeffler Audi Sport o fez diminuir a distância em relação à liderança do campeonato de 43 para 22 pontos; isso porque o líder Sébastien Buemi, que largou em 14º e terminou em sexto, foi desclassificado por uma irregularidade com a pressão dos pneus estipulada por regulamento.

A pole-position de Lucas - sua segunda nesta temporada, repetindo o feito de Buenos Aires -, foi conquistada pela menor margem já registrada nas três temporadas da Fórmula E: apenas um milésimo de segundo separou o brasileiro do argentino José Maria López (1min08s312 e 1min08s313), diferença que representa, na pista do Tempelhof, míseros três centímetros caso os carros estivessem na pista ao mesmo tempo.

Na corrida, Di Grassi liderou praticamente toda a primeira metade, mas cedeu a ponta a Felix Rosenqvist, da Mahindra, que largou melhor e superou o argentino da Virgin para tomar a segunda posição. O sueco se aproximou de Lucas quando o carro do brasileiro começou a apresentar problemas de superaquecimento da bateria.

A ultrapassagem aconteceu na volta anterior ao pit stop, e Di Grassi voltou na mesma posição após a troca do carro. Mas o problema persistiu e o piloto da Audi Sport teve de lutar para se manter atrás do sueco.

"Começamos o fim de semana completamente perdidos, e tentamos algumas mudanças no acerto. Pude fazer uma volta muito boa na classificação, mas se analisar o ritmo que apresentamos pela manhã, esta não foi a melhor corrida para nós", afirmou. "Tive que segurar tudo o que pude, e no final da primeira metade eu comecei a perder a regeneração de energia por causa da temperatura da bateria, que subia demais. E o mesmo aconteceu no segundo stint", descreveu o piloto, que correu sustentando uma contusão no tornozelo direito, adquirida durante uma partida de futebol beneficente disputada nesta semana no estádio Stanford Bridge, em Londres.

Lucas, no entanto, tenta olhar também o lado bom da situação. "No geral, temos de encarar como um dia positivo. Pole position e um segundo lugar é muito bom, mas na realidade não era o que esperávamos. Tivemos estes problemas de temperatura, e por causa disso eu tive que diminuir o ritmo - e Felix pôde me ultrapassar. Depois passei a me concentrar em somar os pontos do segundo lugar. No entanto, amanhã eu espero lutar mais uma vez pela vitória", afirmou o brasileiro, que subiu ao pódio pela 18ª vez em sua carreira na Fórmula E.

A etapa de Berlim acontece em sistema de rodada dupla, por isso Di Grassi e a equipe ABT Schaeffler Audi Sport têm, neste domingo, mais uma chance de diminuir a distância em relação à liderança do campeonato. No momento, Buemi soma 132 pontos, contra 110 de Lucas.

A segunda prova na capital alemã tem largada às 11 horas (de Brasília), com transmissão ao vivo pelo Fox Sports 2.

e-Prix de Berlim, corrida 1:
1. Felix Rosenqvist, Mahindra Racing, 44 voltas em 53min19s661
2. Lucas di Grassi, ABT Schaeffler Audi Sport, +2s232
3. Nick Heidfeld, Mahindra Racing, +4s058
4. Jose Maria Lopez, DS Virgin Racing, +13s638
5. Nico Prost, Renault e.dams, +19s068
6. Daniel Abt, ABT Schaeffler Audi Sport, +19s799
7. Sam Bird, DS Virgin Racing, +20s065
8. Jean-Eric Vergne, TECHEETAH, +20s689
9. Maro Engel, Venturi Formula E, +39s030
10. Oliver Turvey, NextEV NIO, +40s985
11. Stephane Sarrazin, TECHEETAH, +42s682
12. Nelson Piquet Jr, NextEV NIO, +42s980
13. Jerome D'Ambrosio, Faraday Future Dragon Racing, +45s712
14. Adam Carroll, Panasonic Jaguar Racing, +49s658
15. Loic Duval, Faraday Future Dragon Racing, +59s010
16. Antonio Felix da Costa, Andretti Formula E, +1min00s269
17. Robin Frijns, Andretti Formula E, +1min02s463
18. Tom Dillmann, Venturi Formula E, +1min07s695
19. Mitch Evans, Panasonic Jaguar Racing, não completou
20. Sebastien Buemi, Renault e.dams, Desclassificado

Classificação do Campeonato:
1. Sebastien Buemi, Renault e.dams - 132 pontos
2. Lucas di Grassi, ABT Schaeffler Audi Sport - 110
3. Nico Prost, Renault e.dams - 68
4. Felix Rosenqvist, Mahindra Racing - 65
5. Nick Heidfeld, Mahindra Racing - 62
6. Jean-Eric Vergne, TECHEETAH - 44

Lucas Di Grassi é patrocinado por Qualcomm, Aethra, KNM, Oris Watches, BlueFox e Mumm

 

HAAS NO G.P DO CANADA

 

Que Seja a Dobrar

Pontos Duplos no Mónaco Motivam

A Haas F1 Team a Dobrar para Montreal

 

– Na mais recente corrida do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 de 2017, a Haas F1 Team colocou ambos os seus carros entre os dez primeiros classificados, com Romain Grosjean a terminar o Grande Prémio do Mónaco no oitavo posto e Kevin Magnussen no décimo.

 

Foi a vigésima sétima corrida da ainda curta história da Haas F1 Team e marcou a primeira vez que a equipa americana marcou duplos pontos, com Grosjean a assegurar quatro pontos e Magnussen um. Este conjunto de pontos elevou a Haas F1 Team ao sétimo posto do Campeonato de Construtores, empatada com a equipa oficial da Renault, com catorze pontos cada.

 

Desde que Alan Jones e Patrick Tambay terminaram em quarto e quinto, respectivamente, o Grande Prémio da Austrália de 1986, em Österreichring, que uma equipa americana não terminava com dois carros nos pontos. Ironicamente, Jones e Tambaý alcançaram esses resultados para o Team Haas, que apesar do nome, não tem qualquer relação com a Haas F1 Team. O falecido Carl Haas era o dono do Team Haas, ao passo que o industrialista Gene Haas possui a Haas F1 Team.

 

A Haas F1 Team tornou-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana em trinta anos, quando se estreou no Grande Prémio da Austrália do ano passado. Desde então, alcançou diversas estreias no seu caminho até se tornar num dos nomes seguros da Fórmula 1.

  • Primeiros pontos: sexto lugar alcançado por Grosjean no Grande Prémio da Austrália de 2016
  • Primeira vez que ambos os carros avançaram da Q1 para a Q2: Grande Prémio do Bahrein 2016
  • Primeiro Top-5: quinto lugar alcançado por Grosjean no Grande Prémio do Bahrein de 2016
  • Primeira aparição na Q3: Esteban Gutiérrez no Grande Prémio de Itália de 2016 
  • Primeira vez que ambos os carros avançaram da Q2 para a Q3: Grande Prémio do Japão de 2016
  • Primeira vez que ambos os carros terminaram nos pontos: Grande Prémio do Mónaco de 2017

A sétima corrida da temporada de 2017 é o Grande Prémio do Canadá, que se realiza a 11 de Junho no Circuit Gilles Villeneuve, em Montreal. A Haas F1 Team, com um conjunto de estreias na sua mão, procura situações que se repitam duas, três, quatro, cinco vezes. Especificamente, depois dos pontos duplos no Mónaco, a Haas F1 Team procura uma repetição em Montreal.

 

Em cinco participações na corrida de Fórmula 1 no circuito de semi-permanente de 4,361 quilómetros e catorze curvas, Grosjean tem dois resultados entre os dez primeiros, incluindo o seu melhor resultado de sempre, um segundo lugar obtido em 2012, que foi o seu primeiro Grande Prémio do Canadá. Magnussen tem também um resultado nos dez primeiros em Montreal. Terminou em nono no seu ano de estreia, 2014.

 

Com performances individuais com direito a pontos no Grande Prémio do Canadá, Grosjean e Magnussen anseiam duplicar o seu resultado de duplos pontos no Mónaco. Apesar do Mónaco e Montreal diferirem amplamente, existe alguma consistência entre os dois circuitos – curvas apertadas, muros impiedosos e a mesma gama de pneus Pirelli – macios, supermacios e ultramacios.

 

Montreal é mais rápido que o Mónaco, tornando essas curvas apertadas ainda mais complicadas de descrever e exigem muito da performance dos travões. Apesar de ambas as pistas terem uma natureza de para e arranca, as velocidades alcançadas no Circuit Gilles Villeneuve coloca muita pressão sobre os travões – um uso duro e pouco tempo para arrefecer os travões. E uma zona particularmente reconhecida – o Muro dos Campeões, na última chicane da pista – fez com que muitos campeões mundiais passassem de bestiais a bestas.

 

É um layout desafiante amenizado pelo charme de Montreal, um equilíbrio sublinhado pelos duelos que são levados a cabo por entre os restos da Expo 67 e dos Jogos Olímpicos de 1976. Onde medalhas foram conquistadas há mais de quarenta anos, Grosjean e Magnussen vão andar a fundo para perseguir mais um duplo resultado nos pontos.

Circuit Gilles-Villeneuve

 

Perímetros do circuito: 4,361 km

Voltas: 70

Distância de corrida: 305.270 km

Transmissão: Sport TV5 – 19h00

 

 

Sobre a Haas Automation, Inc

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal.

 

 

O Mónaco marcou o primeiro resultado com ambos os carros nos pontos na curta história da Haas F1 Team. Mencionou que isto não tinha acontecido por magia, que a equipa tem vindo a trabalhar para isto há algum tempo. Pode explicar o progresso que a equipa realizou desde a sua estreia até agora, com possibilidade de chegar aos pontos com os seus dois pilotos?

“Penso que muitas coisas só surgem com o tempo. Maturamos. É normal se todos trabalharem arduamente, e eu diria que todos na equipa trabalharam verdadeiramente e arduamente. Na Fórmula 1 é difícil colocar ambos os carros dentro dos dez primeiros, como todos sabemos. Todos – a equipa, os pilotos – realizaram um trabalho fantástico em Monte Carlo. Dizer que poderemos colocar sempre dois carros entre os dez primeiros, isso é subestimar o desafio, mas é o nosso objectivo. Se estivermos ou, pelo menos, a bater à porta, vai voltar a acontecer. Essa é a minha filosofia. Estamos muito mais consistentes que no ano passado, o que nos dá a esperança de isto acontecer mais vezes no futuro.”

 

Quando alcança um bom resultado, consegue desfrutar um pouco do sucesso antes de virar a sua atenção para a corrida seguinte?

“O prazer é sempre muito curto, temos que pensar no que segue nos dias seguintes e queremos sempre melhorar. Fomos oitavo e décimo em Monte Carlo e da próxima vez queremos fazer melhor. Portanto, temos que começar a pensar imediatamente sobre a próxima corrida. Deixamos o prazer para trás, mas isso não é o mais importante. Estamos felizes e isso dá-nos confiança para a tarefa seguinte.”

 

A Haas F1 Team está agora empatada com a equipa de fábrica da Renault no sétimo posto do Campeonato de Construtores. Parece um pouco a batalha entre o David e o Golias no que diz respeito a recursos, mas sublinha igualmente a colaboração técnica entre a Haas F1 Team a Ferrari e a Dallara.

“Sem os nossos parceiros não estaríamos onde estamos e estamos muito satisfeitos por o dizer. É difícil bater equipas que têm duas ou três vez o nosso orçamento e cinco vezes o número de pessoas que temos. No entanto, se trabalharmos bem e usarmos os nossos recursos de forma inteligente, podemos conseguir. Há dois anos, ninguém pensou, quando começámos, que teríamos dois carros entre os dez primeiros em Monte Carlo. Não creio que muita gente acreditasse nisso. É possível, mas é um trabalho duro e deve-se às pessoas que temos na equipa.”

 

Disse que um dos seus objectivos para este ano era a consistência, especificamente, terminar com a tendência de altos e baixos da performance da Haas F1 Team. Alcançar mais um resultado de pontos duplos no Canadá seria bom para alcançar esse objectivo?

“É claro que ajudaria, mas estamos já confiantes, uma vez que nas últimas seis corridas estivemos nos pontos por quatro vezes. Na Austrália, antes de um turbo partido, estávamos sem sétimo. Portanto, a única corrida onde não estivemos em posições pontuáveis foi na Rússia. Em todas as outras corridas estivemos em boas posições, portanto, estamos muito mais estáveis que no ano passado. Não podemos estar lá sempre, mesmo as equipas maiores, como a Force India, que está no quarto lugar do Campeonato de Construtores, não conseguiu pontos em Monte Carlo, e isso acontece por que o segundo pelotão é muito competitivo. Penso que o poderemos alcançar, dado que, se estivermos por lá, acabará por acontecer.”

 

Quando seis dos dez primeiros lugares estão, teoricamente, reservados para as três equipas mais fortes – Ferrari, Mercedes e Red Bull – é difícil colocar dois carros nos pontos? Têm que lutar com outras seis equipas e doze pilotos por quatro lugares.

“É claro, é muito difícil. A diferença entre ser bestial e besta é muito ténue. Se não estivermos nos pontos é muito mau, mas normalmente, seis lugares já estão ocupados. Estamos a lutar por quatro lugres. É muito difícil de alcançar, mas já o fizemos quatro vezes este ano. Vemos a diferença entre nós, que estamos no sétimo posto, e a Toro Rosso, que é quinta. Eles têm vinte e nove e nós catorze. Têm mais do dobro dos nossos pontos, mas não é uma diferença inultrapassável. Temos dois bons resultados e estamos lá. Isto mostra a competitividade que existe no segundo pelotão. Portanto, estarmos nos pontos por quatro vezes em seis corridas e uma boa medida de sucesso.”

 

O Circuit Gilles Villeneuve é um circuito semi-permanente. Existe algum ensinamento alcançado no Mónaco que possam aplicar em Montreal, considerando que a Pirelli leva os mesmos compostos?

“Esperamos que possamos aplicar os dados que reunimos no Mónaco e que funcionem da mesma forma, ou de uma forma muito semelhante, na superfície do Canadá. O resto tem a ver com ajustamentos aerodinâmicos e da suspensão. Temos alguns dados do ano passado e esperamos estar bem lá.”

 

Apesar de usarem os pneus mais macios da gama da Pirelli pelo segundo fim-de-semana consecutivo, os pilotos afirmam que não são suficientemente macios. No mundo ideal, o que procuram os pilotos nos pneus? Mais aderência, uma estrutura mais rígida ou uma combinação de ambas?

“Procuram uma janela mais ampla na qual o pneu opera no que diz respeito a temperatura. Actualmente, temos janela muito apertada. Para além disso, os pneus deveriam ter uma descida de performance mais pronunciada, para que possamos fazer diferença com as estratégias. Com os actuais pneus é difícil de fazer.”

 

De que forma encontram a janela de funcionamento dos pneus e o que é preciso fazer para se manterem dentro dessa janela?

“Para a encontrar, é quase uma filosofia de tentativa e erro. Temos que ir para a pista e perceber quando temos aderência, depois, tentamos replicar temperaturas. Este é o problema que enfrentamos agora, como na qualificação. Muitos, se observarem na última curva, agrupam-se, porque todos estão a tentar chegar a recta da meta com as temperaturas certas. Outros abrandam e estragam as nossas temperaturas. É uma linha muito ténue. Na corrida, assim que há um Safety-Car Virtual ou um Safety-Car, entramos em dificuldades, dado que não conseguimos gerar temperatura nos pneus. Como vimos em Monte Carlo, com Safety-Car Virtual, os únicos que tinham temperatura no recomeço eram os dois pilotos que entraram nas boxes para realizar uma troca de pneus de graça e puseram pneus novos, que estavam nos cobertores. Todos os outros tiveram dificuldades em manter as temperaturas e (Marcus) Ericsson despistou-se, dado que não tinha temperatura. É muito difícil.”

 

O Canadá é conhecido como o circuito mais difícil do ano para os travões. De que forma tira o máximo de capacidades do carro em travagem e de que forma os pilotos gerem os travões ao longo de toda a corrida de setenta voltas?

“O mais importante é manter a confiança dos pilotos nos travões. Mais confiança significa mais velocidade. Têm que estar confiantes que os travões tenham sempre o mesmo comportamento, no mesmo local, ao mesmo tempo. Isso é o mais importante. A equipa pode monitorizar o desgaste com a telemetria, portanto, se chegarmos a uma zona perigosa podemos informar o piloto através da rádio de que estão a ter um problema.”

 

Vimos no Mónaco alguns novos designs para a T-wing. A Haas F1 Team planeia apresentar alguma evolução da sua T-wing nas próximas corridas?

“Não nas próximas corridas. Talvez no futuro, mas teríamos que encontrar alguma coisa que faça sentido no túnel de vento e que faça sentido introduzir. A actual é a T-wing que vamos usar no futuro próximo.”

 

A Haas F1 Team coloca muitos recursos na T-wing e na barbatana de tubarão, considerando que estes apêndices não serão permitidos na temporada de 2018?

“Penso que estamos muito perto do estágio em que deixamos de pensar nisso. Sabendo que para o ano não poderão ser usados, a decisão torna-se mais simples. Se não encontramos algo de uma forma simples, se não encontrarmos apoio aerodinâmico de uma forma simples, deixamos como está, dado que estamos a desenvolver um componente apenas para algumas corridas. Até que o desenvolvamos e o introduzamos, estamos a meio da temporada, portanto, não faz sentido a não ser que, claro, evoluamos bastante, mas penso que não seja o caso, uma vez que fizemos testes extensivos. Não creio que haja muito a ganhar com as T-wings.”

 

 

 

O Mónaco marcou o primeiro resultado com ambos os carros nos pontos na curta história da Haas F1 Team. Guenther Steiner mencionou que isto não tinha acontecido por magia, que a equipa tem vindo a trabalhar para isto há algum tempo. Podes explicar o progresso que a equipa realizou desde a sua estreia até agora, com possibilidade de chegar aos pontos com os seus dois pilotos?

“O ano passado começámos muito bem, depois tivemos algumas dificuldades, quando nos estávamos a preparar para 2017. O carro é muito bom. Tivemos muitas possibilidades para alcançar os pontos. Nem sempre tivemos a sorte de que precisávamos, mas acabou por chegar no Mónaco. Não foi, provavelmente, o lugar onde esperaríamos colocar os dois carros entre os dez primeiros, mas conseguimos, e isso demonstra de que a equipa é agora capaz de encontrar a afinação correcta, a melhor estratégia e dar o máximo. Foi uma grande conquista. Penso que é tão importante como a nossa primeira aparição na Q3 e estou muito satisfeito com isso.”

 

Quando alcanças um bom resultado, consegues desfrutar um pouco do sucesso antes de virares a tua atenção para a corrida seguinte?

“Bem, normalmente, tiro a segunda-feira de folga. É o dia em que estou satisfeito ou maldisposto, dependendo da corrida. Depois, já estou focado na corrida seguinte. Converso com os engenheiros, temos uma conferência na quinta-feira e já estamos a trabalhar a todo vapor para a corrida seguinte.”

 

Quando seis dos dez primeiros lugares estão, teoricamente, reservados para as três equipas mais fortes – Ferrari, Mercedes e Red Bull – é difícil colocar dois carros nos pontos? Têm que lutar com outras seis equipas e doze pilotos por quatro lugares.

“É muito complicado lá chegar. Há corridas, como a de Barcelona, onde muitos carros têm acidentes, como aconteceu com um Mercedes, um Ferrari e um Williams, e torna tudo mais fácil, mas não conseguimos chegar tão longe como gostaríamos. No Mónaco nada aconteceu nos lugares da frente. Era complicado seguir os carros que estavam à nossa frente. Para as equipas mais pequenas, que como nós estão no segundo pelotão, é complicado não há muitos lugares.”

 

Apesar de usarem os pneus mais macios da gama da Pirelli pelo segundo fim-de-semana consecutivo, os pilotos afirmam que não são suficientemente macios. No mundo ideal, o que procuras nos pneus? Mais aderência, uma estrutura mais rígida ou uma combinação de ambas?

“Mais aderência. Durante a última corrida realizei quarenta voltas com ultramacios, que é um pneu de qualificação. Deveria ser possível fazer algumas voltas com ele, mas não tantas. Estamos a pedir que os pneus tenham uma melhor fase de aquecimento, para sermos melhor a depois do Safety-Car e para sermos mais rápidos. Acreditamos que podemos ser mais rápidos.”

 

Outro elemento dos pneus são as temperaturas de funcionamento de cada composto. De que forma encontram a janela de funcionamento dos pneus e o que é preciso fazer para se manterem dentro dessa janela?

“Acredito que muita gente não saiba completamente como lá chegar. É complicado. É algo em que temos que trabalhar com a Pirelli. Temos que tornar esse processo mais simples, uma vez que estamos a gastar muito tempo com o aquecimento dos pneus. É um pouco frustrante não ser possível trabalhar no comportamento do carro. Num mundo ideal, gostaríamos de ter uma janela mais ampla, e mais pontos em comum entre os compostos, para que, quando mudássemos de compostos não tenhamos uma queda abrupta de performance.”

 

O Circuit Gilles Villeneuve é um circuito semi-permanente. Existe algum ensinamento alcançado no Mónaco que possam aplicar em Montreal, considerando que a Pirelli leva os mesmos compostos?

“Sim, há alguns que podemos usar, algumas afinações que experimentámos. Esperamos que possamos ter um bom pacote. O Canadá é, claro, muito mais rápido que o Mónaco. É um circuito citadino, mas muito diferente do Mónaco. Usamos menos apoio aerodinâmico devido às longas rectas. Mecanicamente, penso que algumas coisas que também podemos usar.”

 

O Canadá é conhecido como o circuito mais difícil do ano para os travões. Do que precisas para tirar o máximo de capacidades do carro em travagem e de que forma geres os travões ao longo de toda a corrida de setenta voltas?

“Vamos estar a trabalhar nos nossos travões. Não é a nossa maior força, mas estamos a melhorar. Para o Canadá precisamos de saber que, quando colocamos o pé no pedal dos travões, temos exactamente aquilo que queremos. Não queremos uma sensação distinta da que desejamos. É nisso que temos que trabalhar. Para a corrida, vamos ver que arrefecimento poderemos usar. No pior dos cenários, teremos que levantar um pouco pé para os gerir.”

 

Foi em Montreal que conquistaste um dos teus melhores resultados na Fórmula 1 – o segundo posto de 2012. Do que recordas da corrida e como foi que alcançaste essa classificação?

“Essa foi uma grande corrida. Arranquei de sétimo. Tinha uma estratégia de uma paragem, ao passo que todos os outros estavam em estratégias de duas paragens. Inicialmente, pensei que iria terminar em quinto ou sexto, dado que estava preso atrás do Mercedes do (Nico) Rosberg. Não o conseguia ultrapassar. Depois, todos pararam. Os que não pararam estavam com dificuldades de aderência e consegui ultrapassá-los. Não tinha andamento para perseguir o Lewis (Hamilton) e conquistar a vitória.”

 

Esse segundo lugar em Montreal, 2012, foi importante para o início da tua carreira na Fórmula 1?

“Foi uma grande corrida e, evidentemente, um grande resultado. Tento sempre dar o meu melhor. Foi uma boa corrida. Gostei. É sempre importante lutar pelo melhor resultado possível e estar o mais alto possível no pódio.”

 

Qual é a tua zona preferida do Circuit Gilles Villeneueve e porquê?

“Gosto de todo o circuito. Sempre gostei deste circuito e de correr lá. Dá sempre uma boa sensação.”

 

Descreve uma volta ao Circuit Gilles Villeneuve.

“Depois da recta da meta vamos para a Curva 1. É uma travagem complicada com tendência para bloquear as rodas. Estamos já na Curva 2 – um gancho com muitos ressaltos. Depois temos uma chicane. Usamos muito corrector e temos que ser cuidadosos na saída, devido ao muro. Temos então outra esquerda-direita com uma travagem complicada. Vimos da direita a fundo e depois temos um longo período com o acelerador a fundo e com muitas forças G. Travamos para as curvas 8 e 9. Por baixo da ponte temos muitos ressaltos. Não é fácil conseguir aderência naquela zona. Temos o gancho. É uma travagem muito forte. Tentamos levar alguma velocidade para não perdermos muito tempo. Temos que colocar bem a potência no chão, na saída. Depois temos a famosa chicane no final da volta, onde travamos o mais tarde possível para fazermos o mais depressa possível esse ponto complicado.”

 

 

 

 

 

 

O Mónaco marcou o primeiro resultado com ambos os carros nos pontos na curta história da Haas F1 Team. Guenther Steiner mencionou que isto não tinha acontecido por magia, que a equipa tem vindo a trabalhar para isto há algum tempo. Podes explicar o progresso que a equipa realizou desde a sua estreia até agora, com possibilidade de chegar aos pontos com os seus dois pilotos?

“É visível que temos crescido em todas as corridas enquanto equipa. Cada vez estamos mais experientes e, mais importante, estamos a usar essa experiência. Penso que estamos a demonstrar isso. Tivemos o primeiro resultado com os dois carros nos pontos. Isso demonstra o progresso que a equipa está a progredir.”

 

Quando alcanças um bom resultado, consegues desfrutar um pouco do sucesso antes de virares a tua atenção para a corrida seguinte?

“Ficamos satisfeitos, é óbvio, e orgulhosos da equipa. Não é uma sensação que desapareça. É claro que, se a corrida seguinte for desapontante, sinto-me desapontado. No geral, estou muito orgulhoso da equipa e estou muito satisfeito com o nosso progresso. Nem todas as corridas serão fantásticas, mas é uma boa bitola, colocar ambos os carros nos pontos e mostrar que o podemos fazer.”

 

Quando seis dos dez primeiros lugares estão, teoricamente, reservados para as três equipas mais fortes – Ferrari, Mercedes e Red Bull – é difícil colocar dois carros nos pontos? Têm que lutar com outras seis equipas e doze pilotos por quatro lugares.

“Significa que temos que bater alguns dos pilotos das grandes equipas e isso não é fácil. Temos que nos sentir orgulhosos disso.”

 

Apesar de usarem os pneus mais macios da gama da Pirelli pelo segundo fim-de-semana consecutivo, os pilotos afirmam que não são suficientemente macios. No mundo ideal, o que procuras nos pneus? Mais aderência, uma estrutura mais rígida ou uma combinação de ambas?

“A aderência surge quando os pneus estão a funcionar. No entanto, é muito difícil colocá-los na janela correcta, dado que são muito duros. O Mónaco foi uma situação difícil, dado ser uma pista de baixa velocidade e a energia a que os pneus são sujeitos é muito baixa, o que torna difícil colocar os pneus a funcionar. No Canadá será um pouco melhor, mas ainda assim acredito que seja um desafio. É o mesmo para todos, mas algumas equipas gerem melhor a situação que outras e essa é a parte que temos que aprender.”

 

Outro elemento dos pneus são as temperaturas de funcionamento de cada composto. De que forma encontram a janela de funcionamento dos pneus e o que é preciso fazer para se manterem dentro dessa janela?

“Penso que é uma ciência por si mesma. É uma boa questão e uma em que estamos a trabalhar arduamente. É claro que, nas pistas de alta velocidade, com carros que geram tanto apoio aerodinâmico, são melhores, dado que colocamos mais pressão e mais energia nos pneus. Os pneus de Fórmula 1 gostam de pressão e de energia, mas não podemos fazer escorregar os pneus, dado que dessa forma desgastamo-los. O piso é muito frágil. Temos que colocar energia nos pneus sem desgastar o piso.”

 

O Circuit Gilles Villeneuve é um circuito semi-permanente. Existe algum ensinamento alcançado no Mónaco que possam aplicar em Montreal, considerando que a Pirelli leva os mesmos compostos?

“É semelhante na medida em que precisamos de muita coragem no Canadá. É um circuito agradável. Sempre que os muros estão perto, tudo se torna mais excitante.”

 

O Canadá é conhecido como o circuito mais difícil do ano para os travões. Do que precisas para tirar o máximo de capacidades do carro em travagem e de que forma geres os travões ao longo de toda a corrida de setenta voltas?

“Será complicado. Tivemos algumas dificuldades com as temperaturas e com o desgaste nos travões, este ano. O Canadá será outro circuito complicado, mas estou seguro de que poderemos gerir a situação.”

 

Qual é a tua zona preferida do Circuit Gilles Villeneueve e porquê?

“Diria que a última chicane é porreira, por um lado é uma viagem cheia de sobressaltos e temos que ser muito precisos na entrada na curva, por outro, temos o famoso Muro dos Campeões na saída e isso é sempre muito excitante.”

 

Descreve uma volta ao Circuit Gilles Villeneuve.

“Tem muitos ressaltos e temos que ter bons pontos de travagem.”

 

 


 

 

Circuit Gilles Villeneuve

  • Número de voltas: 70
  • Distância de corrida: 305,270 quilómetros
  • Velocidade na via das boxes: 80 Km/h
  • Este circuito de 4,361 quilómetros e catorze curvas alberga a Fórmula 1 desde 1978, tendo no ano passado albergado a trigésima sétima edição do Grande Prémio do Canadá.
  • Rubens Barrichello detém o recorde do Circuit Gilles Villeneuve (1m13,622s), realizado em 2004 ao serviço da Scuderia Ferrari.
  • Ralf Schumacher detém o recorde de qualificação no Circuit Gilles Villeneuve (1m12,275s), realizado em 2004 ao serviço da Williams.
  • Conhecido pelos seus complicados ganchos e longas rectas, o Circuit Gilles Villeneuve é também conhecido pela seu “Muro dos Campeões”. Localizado no final de uma longa recta, uma recta de alta velocidade, a última chicane do circuito (curvas 13 e 14) foi madrasta para muitos pilotos, as mais notáveis vítimas foram três Campeões Mundiais, em 1999 – Michael Schumacher, Jacques Villeneuve e Damon Hill – que se despistaram neste local. Tinha nascido o “Muro do Campeões”, cuja escapatória consiste num pequeno corrector e numa estreita tira de asfalto.
  • O Circuit Gilles Villeneuve é um dos quatro locais de Fórmula 1 que tem laços com as Olimpíadas, dado que a recta das traseiras é adjacente à pista de remos usada durante os Jogos Olímpicos de Verão de 1976. O Circuit Barcelona – Catalunya, Sochi e o Autodromo Hermanos Rodriguez têm também ligações Olímpicas.
  • DYK? O Circuit Gilles Villeneuve está localizado no Parque Jean-Drapeau, o nome do Mayor de Montreal em dois mandatos distintos, entre 1954 e 1957 e entre 1960 e 1986. Drapeau organizou a Expo 67, que foi a principal celebração do Canadá durante o seu centenário. O circuito situa-se no ilha de Notre Dame, uma ilha artificial construída para a Expo 67 no rio St. Lawrence. A ilha vizinha de Saint Helen foi alargada artificialmente para acomodar parques de diversões e alberga ainda um proeminente edifício da Expo 67 – a Biosfera, que pode ser vista regularmente durante a transmissão televisiva do Grande Prémio do Canadá. 
  • Durante o fim-de-semana do Grande Prémio do Canadá, a temperatura mínima estará entre os 12ºC e os 13ºC e a máxima entre os 16ºC e os 21ºC. A humidade relativa estará entre os 46% (confortável) e os 87% (muito húmido). A velocidade do vento variará entre os 2 Km/h e os 11 Km/h, raramente excedendo os 14 Km/h.

 

  • A Pirelli leva para o Mónaco três tipos de pneus:
    • P Zero Amarelo/Macio pouca aderência, menos desgaste (usado para séries longas de voltas)
    • P Zero Vermelho/Supermacio mais aderência, desgaste médio (usado para pequenas séries de voltas e para o segmento inicial da qualificação)
    • P Zero Roxo/Ultramacio maior quantidade de aderência, elevado nível de desgaste(usado para a qualificação e para situações específicas de corridas)
  • Dois dos três compostos disponíveis têm que ser usados durante a corrida. As equipas podem decidir quando querem utilizar cada uma dos compostos, o que proporciona um elemento de estratégia para a corrida. Cada piloto pode usar todos os três tipos de pneus na corrida, se assim desejar.(Se a corrida for disputada com a pista molhada, os Cinturato Azul, pneu de chuva, e o Cinturato Verde, intermédios, estarão disponíveis).
  • A Pirelli fornece a cada piloto 13 jogos de pneus para seco durante o fim-de-semana. Destes 13 jogos, os pilotos e as suas equipas podem escolher a especificação de dez entre os compostos selecionados pela Pirelli. Os três restantes são definidos pela Pirelli – dois pneus de especificação obrigatória  para a corrida (um de P Zero Amarelo/Macio e outro P Zero Vermelho/Supermacio) e um obrigatória para a Q3 (um P Zero Roxo/Ultramacio). Os pilotos da Haas F1 Team escolheram da seguinte forma:
    • Grosjean: dois jogos de P Zero Amarelo/Macio, quatro jogos de P Zero Vermelho/Supermacio e sete jogos de P Zero Roxo/Ultramacio
    • Magnussen: dois jogos de P Zero Amarelo/Macio, quatro jogos de P Zero Vermelho/Supermacio e sete jogos de P Zero Roxo/Ultamacio

 

TODOS NO CANADA

CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

TODOS NO CANADÁ

 

Ontem grande parte dos pilotos de Fórmula 1, fizeram a pista citadina de MOntreal, para reconhecer as alterações que eventualmente a pista tenha sofrido.Para além disso os bastidores também estiveram animados.ax7 Copyax8 Copyax9 Copyax10 Copyax11 Copyax12 Copyax13 Copyax14 Copyax14 Copyax15 Copyax16 Copyax17 Copyax18 Copyax19 Copy

 

HUMOR NA FÓRMULA 1

HUMOR NA FÓRMULA 1

 

  1. YES! Carey & Co trazem de volta a corrida mais importante do fim de semana de Montreal. Pedro Nascimento Sérgio Veiga

 

KUBICA VOLTA A SENTAR-SE NUM FÓRMULA 1

 

SEGUNDO A INFORMAÇÃO DO JORNALISTA PEDRO NASCIMENTO

 

KUBICA VOLTA A SENTAR-SE NUM FÓRMULA 1

 

Fez 155 voltas com um Lotus... ahem, Renault E20, ainda teve tempo para se queixar dos pneus, da subviragem e que o carro estava muito difícil de guiar.

Robert Kubica, esta terça-feira, em Valência: parece que nunca esteve ausente.

 

FÓRMULA E EM BERLIM

 

PANASONIC JAGUAR RACING RUMA A BERLIM

PARA DUPLA CORRIDA DO EPRIX

 

AS7 CopyAS8 Copy

 

Depois de terminar seis corridas do campeonato de Fórmula E da FIA, a equipa Panasonic Jaguar Racing dirige-se para Berlim para a final da ronda europeia da presente temporada. O ePrix de Berlim é uma corrida dupla que tem lugar nos dias 10 e 11 de junho no Tempelhof Park, o antigo aeroporto principal da capital alemã. Depois desta corrida, a temporada termina com as corridas duplas de Nova Iorque e Montreal, nos dias 15-16 de julho e 29-30 de julho, respetivamente.

Até à data, o ePrix de Berlim fez parte das três temporadas da Fórmula E. O circuito decorre em sentido contrário aos ponteiros do relógio e tem dez curvas e 2,25 kms que percorrem a plataforma do histórico aeroporto. O traçado foi desenhado após a corrida inaugural para aumentar a velocidade e as oportunidades de ultrapassagem, para júbilo do público alemão.

Os espetadores do ePrix de Berlim também podem tirar partido de um ampliado Allianz eVillage, onde o Jaguar I-PACE Concept será exibido no stand da Panasonic Jaguar Racing. O protótipo do SUV de alto rendimento é uma apresentação inicial do primeiro veículo 100% elétrico da Jaguar, que estará em circulação na segunda metade de 2018.

Depois de conseguir 19 pontos em três corridas consecutivas e subir para a oitava posição da classificação por equipas, a marca britânica continua a aprender após cada corrida, nesta que é a sua primeira temporada na competição. Ultrapassada a experiência das duas corridas de Fórmula E de Mónaco e Paris, a equipa prepara-se agora para um novo desafio: três corridas duplas consecutivas nas próximas oito semanas.

Têm estado a preparar a equipa para a sua primeira corrida dupla?

James Barclay, Team Director da Panasonic Jaguar Racing: "Uma das muitas peculiaridades da Fórmula E reside no facto de que toda a ação decorre apenas num único dia do fim-de-semana. Se calhar foi devido a este aspeto que a nossa aprendizagem foi exponencial desde a entrada da equipa no campeonato, feito que nos tem obrigado a planear as provas com calma e tranquilidade, mas que também influencia a forma como comunicamos e tomamos decisões previamente pensadas num dia completamente frenético.”

“Vai ser muito difícil lidar com dois dias seguidos de corrida. No entanto, estamos aqui para competir, e as corridas duplas multiplicam as oportunidades para compilar dados importantes, além de termos pela frente mais voltas neste circuito extraordinário onde corremos na presença do fantástico e exigente público alemão. Estamos ansiosos por chegar a Berlim.”

A alteração do traçado da pista é a vantagem que têm de aproveitar as equipas que correm pela primeira vez no campeonato, como é o caso da Panasonic Jaguar Racing?

J. B.: "Somos a equipa mais nova do campeonato, o que faz com que todas as corridas representem uma oportunidade para aprender acerca desta competição tão peculiar. Os nossos adversários já nos levam dois anos de avanço, mas estamos a progredir rapidamente e os nossos pilotos Adam e Mitch são apaixonados pela Fórmula E.”

“Este circuito vai ser um pouco familiar para as restantes equipas, mas a grande novidade reside na superfície, algo que deu muito que falar na primeira temporada. O pavimento áspero é muito diferente das superfícies urbanas a que os pilotos estão habituados, o que faz com que as outras equipas tenham dados essenciais acerca do circuito. A verdade é que temos uma vontade enorme de chegar à pista de Berlim.”

Como se prepararam para o ePrix de Berlim?

Adam Carroll, n.º 47: "Estou muito entusiasmado com este novo desafio que é terminar a minha primeira dupla corrida em Berlim. É um formato ao qual nos teremos de adaptar, uma vez que as corridas até ao final da temporada vão ser sempre assim. Para mim é uma sorte ter muita experiência em corridas de resistência. Em termos de preparação física, introduzi mais boxe e exercícios cardiovasculares no meu esquema de treino e estou a gostar muito.”

“Acho que o verdadeiro desafio para a equipa será conseguir toda a informação necessária acerca das duas corridas. É muito especial estar num habitáculo de Fórmula E, uma vez que ali dentro acontecem muitas coisas. É necessário ter presente uma grande quantidade de dados e confiar sempre na equipa. Se tivermos em conta os treinos livres, a classificação e a corrida, são oito sessões em 48 horas. É uma questão de manter uma comunicação clara e meticulosa com os nossos engenheiros, e tanto Mitch como eu teremos de ser muito precisos nas nossas avaliações. A equipa poderá descansar calmamente depois da noite do ePrix de Berlim".

Qual é a vossa opinião acerca do circuito?

A. C.: "O circuito parece ser muito divertido. É um ambiente muito diferente daqueles a que estamos acostumados na Fórmula E. Para começar, se bem que o traçado seja muito idêntico a um circuito urbano, na verdade é uma plataforma aeroportuária, o que significa que corremos num pavimento áspero muito diferente dos outros.”

 “Esta versão atualizada do circuito é mais complexa e bastante rápida. Há zonas muito estreitas e também retas rápidas que podem oferecer boas oportunidades para ultrapassar os adversários. Preparámo-nos muito bem no simulador, mas estou cheio de vontade de experimentar a pistas nos testes de sexta-feira.”

Mitch, cada corrida que passa estás mais confiante ao volante do teu Jaguar I-TYPE. Estás a gostar da tua primeira temporada no campeonato?

Mitch Evans, n.º 20: "A Fórmula E é uma verdadeira corrida entre pilotos. Inclui a seleção dos melhores circuitos do mundo e tenho a impressão de que é um dos campeonatos mais competitivos da atualidade. Aprendemos imenso em todas as corridas e acho que estamos a aperfeiçoar o processo até chegar a um ponto em que nos vamos sentir muito cómodos na pista. Além disso, estou a adorar a experiência de pilotar o Jaguar I-TYPE. É um veículo muito fiável que te permite ganhar confiança em cada volta que fazes.”

Qual foi a sensação que vos deu o simulador do circuito de Berlim?

M. E.: "Pessoalmente gostei muito de fazer o circuito de Berlim no simulador. É bastante rápido e estou ansioso por chegar à pista para experimentar o pavimento. Uma vez que são duas corridas, teremos todos mais tempo para nos familiarizar com o traçado e colocar em prática no domingo tudo o que aprendemos no sábado. Será um fim-de-semana muito atribulado para a equipa, mas sei que estamos todos preparados para enfrentar este desafio.”

 

Notas à redação:

A Jaguar regressou à competição em outubro de 2016, tornando-se o primeiro fabricante premium a participar na competição elétrica FIA Fórmula E.

O programa de Fórmula E da Jaguar trará vantagens notórias de I+D para a eletrificação dos futuros automóveis de estrada da Jaguar Land Rover, tendo sido concebido com base no princípio fundador da equipa: "Race to innovate". 

Os fabricantes podem projetar os seus próprios sistemas de propulsão, que incluem o motor, a transmissão, o inversor e a suspensão traseira. Entre os componentes comuns a todas as equipas incluem-se o chassis e a bateria em fibra de carbono, que contribuem para o controlo de custos. O principal objetivo é o desenvolvimento de sistemas de propulsão elétricos.

Para além do seu conceito 100 % elétrico, a Fórmula E também se distingue no mundo da competição automóvel pela escolha dos locais das corridas. Com a exceção do ePrix do México, todas as rondas do campeonato se realizam em circuitos temporários nas ruas do centro das principais cidades mundiais.

Cada dia de corrida envolve a ação total na pista, incluindo os treinos, a classificativa e a corrida em si, que se realizam num único dia. O calendário de 2016/17 conta com 12 corridas em nove cidades, incluindo provas duplas em Berlim, Nova Iorque e a final da temporada em Montreal.

 

 

FÓRMULA E EM BERLIM

 

DS VIRGIN RACING NA CORRIDA AOS PONTOS DE BERLIM

  • A DS Virgin Racing ruma a Berlim (Alemanha) para o primeiro duplo encontro da presente temporada 2016/2017 do Campeonato FIA de Fórmula E, representando as suas 7ª e 8ª provas.
  • Animada pela subida ao pódio alcançada em Paris, a equipa está concentrada no objetivo de fazer crescer o seu pecúlio de pontos.

 

A Fórmula E regressa ao Aeroporto de Tempelhof, por ocasião da jornada de Berlim deste campeonato 100% elétrico. Pela primeira vez na presente temporada serão duas as corridas a disputar num mesmo fim de semana, uma no sábado (dia 10 junho) e outra no domingo (dia 11). O velhinho aeroporto, que já havia recebido a disciplina em 2015, viu o circuito deste ano redesenhado, apresentando um perímetro de 2,27 km e 10 curvas, prevendo-se velocidades de topo que devem ultrapassar os 200 km/h.

Também pela primeira vez, os dois ePrix terão distâncias diferentes, sendo 44 as voltas a percorrer no sábado, para a jornada de domingo ter mais duas. Pilotos e equipas terão, assim, um novo elemento de estratégia a ter em conta na sua gestão de corrida.

Para a DS Virgin Racing, esta deslocação a Berlim será a oportunidade de aproveitar o impulso do 2º lugar conquistado por José María López no pretérito ePrix de Paris, prova em que a equipa também garantiu o seu terceiro pódio da temporada, o primeiro com o piloto argentino que continua a ganhar confiança aos comandos do DSV-02. “O objetivo da equipa é alcançar um bom resultado em Berlim. Mostrámos em Paris e nas corridas anteriores o potencial dos nossos monolugares e que era possível obter resultados muito bons, se tudo corresse normalmente. Estamos a trabalhar muito e Berlim apresenta-se como uma nova pista para a maioria dos pilotos, eu incluído. Esta será, talvez, a minha vantagem, pelo que espero ter a oportunidade de ser ainda mais competitivo, de modo a alcançar outro bom resultado,” refere José María López.

A sexta ronda da temporada não ficou em branco para Sam Bird, piloto que marcou 1 ponto referente à volta mais rápida da corrida, feito que realizou pela segunda vez consecutiva: “As duas últimas corridas foram difíceis do meu lado da box, mas mostrámos o nosso nível de performance com a melhor volta. Estou convencido de que, se continuarmos a trabalhar desta forma, os resultados irão chegar em Berlim.”

Numa altura em que a temporada vai a meio, a DS Virgin Racing ocupa o 4º lugar da classificação, com 63 pontos. Na hierarquia dos pilotos, Sam Bird e José María López estão no 7º e 9º lugares, respetivamente.

Alex Tai, Responsável da Equipa: “A equipa fez um trabalho fantástico em Paris. Vamos agora para Berlim após um primeiro pódio para o José María e com duas melhores voltas consecutivas para o Sam. Não duvido, por um momento que seja, que esta tendência se quebre, neste primeiro fim de semana da temporada com duas corridas. Queremos transformar os pódios em vitórias.”

Xavier Mestelan-Pinon, Diretor da DS Performance: “Estamos, neste momento, a meio da temporada. Sabemos que ainda há muitos pontos por conquistar com uma sucessão de jornadas duplas. O promissor ePrix realizado em Paris é o resultado das melhorias desenvolvidas no DSV-02 durante as sessões de treinos e uma melhor compreensão da utilização do carro. A equipa técnica começou a preparar a prova de Berlim desde o final da jornada de Paris. As sessões nos simuladores foram particularmente importantes para estabelecer estratégias de gestão da energia para as duas corridas com distâncias diferentes. A equipa está totalmente concentrada na importante sequência de corridas que se segue.”

A fim de participar plenamente no sucesso da DS Virgin Racing, convidamos todos a votar para garantir um FanBoost ao Sam Bird ou ao José María López. Para o fazer, há que usar a app oficial, o portal www.fiaformulae.com/fanboost ou o Twitter e Instagram, enviando-se a hashtag #Fanboost, seguida de #SamBird ou #JoseMariaLopez. Na passada temporada, a DS Virgin Racing foi a equipa que mais #Fanboost garantiu.


 aa57 Copy_Copy

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

PIRELLI ANNOUNCES COMPOUND CHOICES AND MANDATORY SETS  FOR THE 2017 SINGAPORE GRAND PRIX 
 
Pirelli announces the following compounds for the fourteenth round of the 2017 Formula One season (September 15 - 17).
 
 
 
 
(1) Each driver must save for Q3 one set of the softest of the three nominated compounds. This set will be given back to Pirelli after Q3 for those who qualify in the top 10, but the remaining drivers will keep it for the race – as is the case currently.
 
(2) Each driver must have both these sets available for the race and must use at least one of them.
 
The Teams are free to choose the remaining 10 sets, thus making up 13 sets in total for the weekend.
 
 
THE TYRES NOMINATED SO FAR*
 
    Qualify1    Race2   
      Australia      China      Bahrain      Russia      Spain      Monaco      Canada      Azerbaijan      Austria      Great Britain      Hungary     
 
 
 
 
 
(*) The regulations mean that the tyre sets choice for the long-haul events has to be made by the teams 14 weeks in advance, whereas for the European races the deadline is 8 weeks in advance.
 
 

 

GIOVINAZZI COM A HAAS EM TESTES

 

Antonio Giovinazzi Pronto para Sessões de Sexta-Feira com Haas F1 Team

O Terceiro Piloto da Scuderia Ferrari Pilota o VF-17 a Partir de Silverstone

 

– António Giovinazzi, o terceiro piloto da Scuderia Ferrari no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, ganhará experiência na Fórmula 1 com a Haas F1 Team, assumindo os comandos do VF-17 em sessões de treinos-livres de sexta-feira em sete Grandes Prémios de 2017.

 

O piloto de 23 anos de Martina Franca, Itália, pilotou um carro de Fórmula 1 este ano, quando substituiu o lesionado Pascal Wehrlein na Sauber durante a primeira semana de testes de Inverno no Circuit de Barcelona – Catalunya e, posteriormente, durante o Grande Prémio da Austrália e o Grande Prémio da China.

 

Giovinazzi inicia a sua série de treinos-livres com a Haas F1 Team a 14 de Julho no Silverstone Circuit, Inglaterra, fazendo parte do programa do Grande Prémio da Grã-Bretanha. Regressará ao VF-17 a 28 de Julho em Hungaroring, na primeira sessão de treinos-livres do Grande Prémio da Hungria, a 1 de Setembro no Autódromo Nazionale di Monza, durante o Grande Prémio de Itália, a 29 de Setembro no Sepang International Circuit durante o Grande Prémio da Malásia, a 27 de Outubro no Autódromo Hermanos Rodríguez durante o Grande Prémio do México, a 10 de Novembro no Autódromo José Carlos Pace durante o Grande Prémio do Brasil e a 24 de Novembro no Yas Marina Circuit durante o Grande Prémio de Abu Dhabi.

 

O piloto da Haas F1 Team, Kevin Magnussen, cederá o seu lugar em seis sessões de treinos-livres, ao passo que Romain Grosjean cederá o seu carro a Giovinazzi durante a primeira sessão do México.

 

“Num ano que já se mostrou cheio de oportunidades, estou orgulhoso por ter outra com a Haas F1 Team”, disse Giovinazzi, que alcançou a Fórmula 1 este ano, depois de uma boa companha de estreia no Campeonato FIA de Fórmula 2 de 2016 (anteriormente conhecido como GP2), que o viu terminar no segundo posto, seguindo o seu colega de equipa, Pierre Gasly. “Ser o terceiro piloto da Scuderia Ferrari é obviamente um bom lugar, e estas sessões de sexta-feira com a Haas F1 Team dar-me-ão tempo de pista para me manter em forma. Poderei aplicar o que aprendi no simulador em condições de corrida. Estou orgulhoso pela Ferrari e a Haas acreditarem em mim e agradecido pelo tempo de pista que o Kevin e o Romain estão a partilhar comigo”.

 

Como muitos dos pilotos que chegaram à Fórmula 1, Giovinazzi mostrou talento no karting. Venceu em todos as categorias em que competiu, conquistando múltiplos campeonatos, tendo sido o mais recente o WSK Master Series – KF2 de 2011. Giovinazzi deu o salto para os monolugares. Continuou a sua senda vitoriosa, assegurando seis vitórias a caminho do título da Formula Pilota China, triunfando, paralelamente, em duas corridas da Fórmula ACI-CSAI Abarth Euroseries. Giovinazzi subiu ao Campeonato Britânico de Fórmula 3 em 2013, vencendo duas corridas e terminou no segundo posto do Campeonato de Pilotos. Em 2014 e 2015 disputou o Campeonato Europeu FIA de Fórmula 3, ganhando oito corridas – duas em 2014 e seis em 2015. Depois de terminar em sexto em 2014, em 2015 foi Vicecampeão. Giovinazzi graduou-se na GP2 Series em 2016 e terminou em segundo no rebaptizado Campeonato FIA de Fórmula 2, assegurando cinco vitórias e mais três pódios. Com uma temporada de estreia tão positiva, Giovinazzi foi contratado pela Scuderia Ferrari como terceiro piloto, juntando-se ao tetracampeão mundial Sebastian Vettel e ao Campeão Mundial de 2007 Kimi Raikkonen.

 

“António Giovinazzi assegurou um bom conjunto de experiência de Fórmula 1 durante as duas corridas que disputou com a Sauber, este ano, e estas sessões de sexta-feira com a nossa equipa permitir-lhe-ão desenvolver-se um pouco mais”, disse Guenther Steiner, o chefe de equipa da Haas F1 Team. “Ele é muito valorizado pela Ferrari e teve o ano passado uma boa temporada da Fórmula 2. É uma boa oportunidade para ele e estamos satisfeitos por a poder proporcionar. Temos também que agradecer ao Kevin e ao Romain por, graciosamente, partilharem os seus respectivos carros com o António”.

 

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

Canada Grand Prix: June 9-11, 2017

SELECTED SETS PER DRIVER

– FIA communicated to Pirelli each team’s tyre choices for the forthcoming Canada Grand Prix (9-11 June).

alt

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

 

Monaco Grand Prix Race – Infographics

alt

alt

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

MONACO GRAND PRIX RACE
 
SEBASTIAN VETTEL WINS FOR FERRARI  USING A ONE-STOP ULTRASOFT-SUPERSOFT STRATEGY
 
WIDE WINDOW OF DIFFERENT ONE-STOP STRATEGIES  RED BULL’S VERSTAPPEN GOES FOR A SECOND STOP UNDER SAFETY CAR
 
HIGH TRACK TEMPERATURES APPROACHING 50 DEGREES  ADD TO THE CHALLENGE OF ONE OF THE FASTEST-EVER RACES
IN MONACO   as54 Copy– Ferrari’s Sebastian Vettel won the Monaco Grand Prix with a one-stop ultrasoft-supersoft strategy as expected, after running a longer first stint than his team mate Kimi Raikkonen at a quicker pace, who qualified on pole and finished second.
 
The same ‘overcut’ strategy was also used by Red Bull’s Daniel Ricciardo to make up two places from his grid position and claim a podium finish. McLaren’s Jenson Button and Sauber’s Pascal Wehrlein instead tried an early stop in the hope of gaining track position.
 
Most drivers adopted a one-stop tactic, although some tried an alternative approach. During the safety car period with about 15 laps to go, Red Bull’s Max Verstappen took on a final set of ultrasofts in an attempt to get past the Mercedes of Valtteri Bottas.
 
Mercedes driver Lewis Hamilton started from 13th on the grid and completed a long opening stint on the ultrasoft before ending up in a points-scoring seventh. A couple of punctures were noted during the race, because of a problem with the track at the exit of Turn 1 towards the end of the grand prix.
 
Leaving aside the safety car period, this was one of the fastest grands prix in Monaco ever held, with the fastest race lap set by Force India’s Sergio Perez being more than three seconds faster than the 2016 equivalent (which was already beaten on lap two today).
 
MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING “Although it was always clear that a one-stop strategy would be optimal, there was a very wide range of possibilities as to when the drivers could stop, clearly seen throughout the race. As expected, wear and degradation were low, which allowed for long stints even on the ultrasoft, even though track temperatures were quite high for Monaco. Congratulations to Ferrari for sealing a historic one-two at this very special circuit.”
 
BEST TIME BY COMPOUND
 
  
-
Raikkonen 1m15.527s
Perez 1m14.820s
-
Ricciardo 1m15.756s
Vettel 1m15.238s
 
 
 
 
 
 
LONGEST STINT OF THE RACE
 
 
 
TRUTHOMETER Ferrari’s Sebastian Vettel won the race using a one-stop strategy, as we expected. He started on the ultrasoft tyre and stopped for the supersoft on lap 39, five laps after his pole-sitting team mate Kimi Raikkonen.
 
 

 

SEGUNDO A OPINIÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

SEGUNDO A INFORMAÇÃO DO JORNALISTA JOÃO CARLOS COSTA

 

 

O piloto de Formula 1 Fernando Alonsodeixou as Indy500 votado como o Rookie do Ano, com uma oferta de carro disponível sempre que quiser voltar por parte de Michael Andretti e mais rico 305 mil USD. Ou seja, ganhou num mês em Indianápolis 1/10 do que ganha... num mês de F1!

 

SEGUNDO AS PREVISÕES DA PIRELLI

MONACO GRAND PRIX QUALIFYING
 
KIMI RAIKKONEN CLAIMS POLE FOR MONACO GRAND PRIX ON ULTRASOFT  AS MORE LAP RECORDS TUMBLE DURING THE DAY
 
VERY HIGH TRACK TEMPERATURES FOR MONACO: 46 DEGREES CENTIGRADE
 
VIRTUALLY NO DEGRADATION MEANS ONE PIT STOP TOMORROW

  as46 Copy– Ferrari driver Kimi Raikkonen has claimed pole position for tomorrow’s Monaco Grand Prix. All the drivers used the P Zero Purple ultrasoft tyres from start to finish of qualifying, which was held in quite high track temperatures of 46 degrees centigrade. Raikkonen’s pole time was 1m12.178s, lowering the fastest-ever lap time of Monte-Carlo that was set during free practice on Thursday. Only one pit stop is expected for tomorrow’s grand prix. However, expected low degradation also means that the stop can happen more or less when the teams choose at any point in the race, enabling them to take advantage of changing circumstances.   MARIO ISOLA - HEAD OF CAR RACING  “It was a truly unpredictable qualifying session, where we saw another lap record being set. The ultrasoft was used from start to finish in qualifying, which was always going to be the most likely scenario, especially as the drivers can do multiple runs on this compound without any significant drop-off in performance. One pit stop is clearly the optimal race strategy, but with at least one frontrunner starting out of position, the potential is there to try something different by starting on supersoft and hoping to benefit from a safety car.”
 
HOW THE TYRES BEHAVED TODAY
      Not seen in qualifying and not expected to be used in the race. Not seen in qualifying but could be an alternative starting tyre as a gamble. Used from start to finish in qualifying and will be main race tyre tomorrow.   
 
FREE PRACTICE 3 – TOP 3 TIMES
 
DRIVER TIME COMPOUND
Vettel 1m 12.395s ULTRASOFT NEW
 
 
 
 
 
QUALIFYING TOP 10
 
 
 
MOST LAPS BY COMPOUND SO FAR
 
 
 
BEST TIME BY COMPOUND SO FAR
 
 
Raikkonen 1m12.740s ULTRASOFT NEW
Bottas 1m12.830s ULTRASOFT NEW
DRIVER TIME COMPOUND
Raikkonen 1m12.178s ULTRASOFT NEW
Vettel 1m12.221s ULTRASOFT NEW
Bottas 1m12.223s ULTRASOFT NEW
Verstappen 1m12.496s ULTRASOFT NEW
Ricciardo 1m12.998s ULTRASOFT NEW
Sainz 1m13.162s ULTRASOFT NEW
Perez 1m13.329s ULTRASOFT NEW
Grosjean 1m13.349s ULTRASOFT NEW
Button 1m13.613s ULTRASOFT NEW
Vandoorne  
COMPOUND DRIVER LAPS
SOFT Button 17
SUPERSOFT Raikkonen 28
ULTRASOFT Massa 34
COMPOUND DRIVER TIME
SOFT Button 1m18.063s
SUPERSOFT Vettel 1m13.573s
ULTRASOFT Raikkonen 1m12.178s

 

HAAS NO G.P. MONACO

 

Evento:  Grande Prémio do Mónaco (6º round de 20)

Data:  Domingo, 28 de Maio

Local:  Circuit de Monaco

Layout:  3,337 quilómetros, circuito de 19 curvas

Condições climatéricas:  Sol

Temperatura do ar:  25,8-28,8ºC

Temperatura da pista:  46,7-57,4ºC

Vencedor da corrida:  Sebastian Vettel da Scuderia Ferrari

Haas F1 Team: 

●  Romain Grosjean – arrancou de , terminou em (completou 78/78 voltas)

●  Kevin Magnussen – arrancou de 11º, terminou em 10º (completou 78/78 voltas)

 

 

 

Numa pista em que as ultrapassagens são difíceis, a qualificação tem uma importância acrescida, os pilotos da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Kevin Magnussen, garantiram pela primeira vez para a equipa americana o primeiro resultado com ambos os carros nos pontos, tendo sido o palco o Circuit de Monaco, onde se realizou este domingo o Grande Prémio do Mónaco. O duo terminou em oitavo e décimo, respectivamente, o sexto round do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, depois de terem garantido bons resultados na qualificação de sábado.

 

Grosjean iniciou a corrida de setenta e oito voltas ao histórico circuito de 3,337 quilómetros e 19 curvas do oitavo lugar, ao passo que Magnussen alinhou no décimo primeiro posto. Estas boas posições alcançadas no sábado foram determinantes para a boa performances de domingo, uma vez que o traçado incrivelmente sinuoso, que se mantém quase inalterado desde 1929, torna as ultrapassagens quase impossíveis.

 

O habitual arranque caótico foi relativamente calmo pelos standards da Fórmula 1 e Grosjean manteve o merecido oitavo lugar. Magnussen, por seu lado, bateu o Renault de Nico Hulkenberg e o Toro Rosso de Daniil Kvyat alcançando a nona posição. Quando o sétimo classificado, Sérgio Pérez, parou nas boxes para montar uma nova asa dianteira, na décima sexta volta, Grosjean herdou o sétimo posto e Magnussen subiu a oitavo.

 

Ambos os pilotos da Haas tinham adoptado uma estratégia de uma paragem e começaram com pneus ultramacios. Apesar de estes pneus serem os mais macios e, teoricamente, terem a mais curta esperança de vida da gama da Pirelli, as equipas puderam realizar um enorme número de voltas com ultramacios.

 

Para os estrategas da Haas F1 Team, o momento para realizar as paragens nas boxes era determinado pelo combinação do desgaste dos pneus e da posição que os pilotos tinham em pista relativamente aos seus adversários. Numa situação ideal, Grosjean e Magnusssen teriam uma diferença para os seus rivais suficiente para entrar e sair das boxes sem perder as suas respectivas posições.

 

Magnussen foi o primeiro a entrar nas boxes, na trigésima sétima volta, e Grosjean realizou a sua paragem na quadragésima volta. Ambos os pilotos montaram pneus supermacios, uma vez que o regulamento dita que têm que ser usados, pelo menos, dois tipos de pneus ao longo da corrida.

As paragens alteraram um pouco a classificação, com Grosjean a emergir no nono posto e Magnussen no décimo, estavam cumpridas quarenta e duas voltas. O sempre rápido Mercedes de Lewis Hamilton tinha subido ao sexto posto, uma vez que ainda não tinha efectuado a sua paragem nas boxes, depois de ter iniciado a corridas num incaracterístico décimo terceiro posto.

 

O azar abateu-se sobre Magnussen na quadragésima segunda volta, uma vez que um furo obrigou-o a realizar uma paragem nas boxes não planeada. Regressou à pista nos mais performantes ultramacios, mas estava na décima terceira posição quando saiu das boxes.

 

Grosjean, por seu lado, subiu a oitavo na quadragésima terceira volta, quando o McLaren de Stoffel Vandoorne regressou às boxes.

 

Depois da adversidade que Magnussen sofreu, começou a beneficiar dos problemas dos outros. Começou na sexagésima volta, quando Pascal Wehrlein quase capotou na entrada do Portier (Curva 8), imediatamente antes do Túnel, depois de um toque com Jenson Button. Isto resultou numa situação de Safety-Car que reagrupou o pelotão.

 

A corrida foi reassumida na sexagésima sexta volta e o décimo classificado, Vandoorne, saiu muito largo em Ste Devote (Curva 1), embatendo nas barreiras e acabando com a sua corrida. Isto permitiu a Magnussen subir a décimo segundo.

 

Depois da septuagésima volta, Pérez realizou uma manobra agressiva na tentativa de passar Kvyat em La Rascasse (Curva 18). Os dois colidiram, com Kvyat a terminar o seu dia e Pérez a ser obrigado a rumar às boxes com um furo. Isto permitiu a Magnussen subir a décimo posto e a voltar a estar em posições pontuáveis.

 

Para as restantes seis voltas, Grosjean manteve o oitavo posto e Magnussen o décimo. Foi a terceira vez que Grosjean terminou nos pontos esta temporada e a segunda de Magnussen. Este resultado, com ambos os pilotos nos pontos, surgiu para a Haas F1 Team na vigésima sétima corrida, uma vez que a equipa estreou-se na categoria no ano passado, no Grande Prémio da Austrália.

 

A Haas está agora no sétimo posto do Campeonato de Construtores, empatada com a equipa de fábrica da Renault com catorze pontos cada uma, a seis pontos da Williams e com oito de vantagem para a Sauber. Grosjean e Magnussen são décimo segundo e décimo terceiro, respectivamente, no Campeonato de Pilotos. Grosjean tem na sua conta nove pontos e Magnussen cinco.

 

O vencedor do Grande Prémio do Mónaco foi Tetracampeão Mundial, Sebastian Vettel. Foi a sua quadragésima quinta vitória na Fórmula 1, a terceira da temporada e a segunda no Mónaco. 3,145s foi a vantagem do piloto da Scuderia Ferrari para o seu colega de equipa, Kimi Raikkonen, o segundo classificado, o que lhe permitiu incrementar a sua vantagem no campeonato. Vettel chegou ao Mónaco com uma vantagem de seis pontos e abandona o principado com uma margem de vinte e cinco pontos.

 

Esta foi a primeira vitória no Mónaco da Scuderia Ferrari desde 2011 e permitiu à icónica marca italiana ultrapassar a Mercedes no Campeonato de Construtores. A Scuderia Ferrari lidera agora a Mercedes com uma vantagem de dezassete pontos, quando faltam anda catorze corridas.

 

A Fórmula 1 tem agora um fim-de-semana de folga, regressando à acção no fim-de-semana de 9-11 de Junho, para disputar o Grande Prémio do Canadá, que tem como palco o Circuit Gilles Villeneuve, em Montreal.

 

 

 

Foi a primeira vez que tivemos dois carros nos dez primeiros, o que é muito bom, especialmente no Mónaco. Foi uma corrida complicada. Não tínhamos ritmo para os primeiros. Infelizmente, nada aconteceu mais à frente, apenas atrás de mim. Sempre que um carro abandonou foi atrás de mim. O Lewis (Hamilton) teve pista livre e conseguiu ultrapassar-nos durante as paragens nas boxes. É fantástico ter dois carros nos pontos. Conseguimos manter-nos longe de problemas e pilotei o mais rápido que pude. Há muito que temos que analisar e compreender, mas estamos a crescer enquanto equipa.”

 

 

 

Pessoalmente, tive uma corrida muito desapontante. Tive um furo, mas ainda assim terminámos com ambos os carros nos pontos, após um bom trabalho da equipa. Merece verdadeiramente este resultado. Estou satisfeito por ter alcançado. Apesar de ser apenas um ponto, dado que poderiam ser muitos mais. Sinto que esta é a temporada mais azarada da minha carreira, mas pelo menos hoje conseguimos colocar ambos os carros nos pontos e estou orgulhoso por isso. É o Mónaco, e aqui tudo pode acontecer. Não há motivo para desistir, continuei a dar o máximo. Nunca deixei de dar o máximo.”

 

 

 

Terminar com os dois carros nos pontos era que todos queriam alcançar este ano. Conseguimo-lo na sexta corrida. Queria que tivesse acontecido antes, mas na sexta corrida não é mau. Como disse na qualificação, todos realizaram um bom trabalho. Saímos dos pontos e conseguimos voltar depois do furo, portanto, penso que deveremos estar muito satisfeitos e contentes com o que fizemos aqui. Todos executaram bem as suas funções. Nunca perdemos a calma. Estivemos sempre no controlo dos acontecimentos, Tivemos azar, mas depois tivemos alguma sorte no final, portanto, tudo bem. Estamos a crescer. O crescimento é demorado e penso que, agora, podemos ver alguns resultados. Haverão altos e baixos, mas estamos sempre a dar passos em frente. Por vezes, não são visíveis porque não estamos nos pontos, portanto, ninguém vê, mas a equipa não fez magia hoje. Evoluímos ao longo dos últimos seis meses."

 

 

 

O sétimo round do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula é o Grande Prémio do Canadá, que terá como palco o Circuit de Gilles Villeneuve, em Montreal. O treinos-livres realizar-se-ão no dia 9 de Junho, a qualificação a 10 e a corrida a 11.

 

 

A Haas F1 Team estreou-se em 2016 no Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, tornando-se na primeira equipa de Fórmula 1 americana desde 1986. Fundada pelo industrialista Gene Haas, a Haas F1 Team está sediada nos Estados Unidos da América em Kannpolis, América do Norte, o mesmo centro onde está baseada a sua equipa Campeã na NASCAR Spint Cup Series, Stewart-Haas Racing. Haas é o fundador da Haas Automation, a maior construtora de máquinas CNC da América do Norte e o presidente da Haas F1 Team.

 

 

A Haas Automation, Inc. é o construtor de máquinas CNC líder na América. Fundada em 1983 por Gene Haas, a Haas Automation constrói uma linha completa de centro de maquinação verticais e horizontais, centros basculantes, mesas rotativas, etc. Todos os produtos da Haas são construídos na fábrica de 93.000m2 da empresa, sediada em Oxnard, Califórnia, e distribuídas através de uma rede mundial de Haas Factory Outlets que fornecem à indústria os melhor serviço de venda, serviços e apoio, enquanto oferece uma relação custo/performance sem paralelo. Para mais informação visitar www.HaasCNC.com, , on Facebook at www.Facebook.com/HaasAutomationInc, on Twitter @Haas_Automation and on Instagram @Haas_Automation.

 

Sobre a Haas Factory Outlet - Portugal

A Haas Automation, Inc está representada em Portugal através da Haas Factory Outlet – Portugal. Um empresa situada nos arredores do Porto, perto do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Desta forma, pode aceder aos produtos da Haas Automation e todos os seus serviços. Para mais informação visitar haasportugal.com/ ou facebook.com/haasportugal. 

 

HAAS NO G.P. MONACO

 

Evento:  Qualificação para o Grande Prémio do Mónaco (6º round de 20)

Data:  Sábado, 27 de Maio

http://staticapp.icpsc.com/icp/loadimage.php/mogile/1568606/4bd30028cb69eefaa14ebcbff5cbc404/image/pngLocal:  Circuit de Monaco

Layout:  3,337 quilómetros, circuito de 19 curvas

Condições climatéricas:  Sol

Temperatura do ar:  25,5-27,3ºC

Temperatura da pista:  50,1-55,1ºC

Pole-Position:  Kimi Räikkönen da Scuderia Ferrari (1m12,178s – novo recorde)

Resultado:  Romain Grosjean 8º/  Kevin Magnussen 13º

Nota:  Magnussen arrancará de oitavo devido a penalizações sofridas por pilotos que estavam à sua frente.

 

 

 

●  Tem a duração de 18 minutos, com a participação de todos os 20 pilotos
●  Os 15 pilotos mais rápidos avançam para a Q2

Magnussen:  9º (1m13,531s), avançou para a Q2

Grosjean:  12º (1m13,786s), avançou para a Q2

Piloto mais rápido:  Max Verstappen da Red Bull (1m13,078s)

Cutoff: 15º Daniil Kvyat da Toro Rosso (1m13,899s)

 

 

 

●  Tem a duração de 15 minutos, com a participação dos 15 pilotos mais rápidos provenientes da Q1
●  Os 10 pilotos mais rápidos avançam para a Q3

Grosjean:  6º (1m13,203s), avançou para a Q3

Magnussen:  13º (1m13,959s)

Piloto mais rápido:  Kimi Räikkönen da Scuderia Ferrari (1m12,231s)

Cutoff:  10º Jenson Button da McLaren (1m13,453s)

 

 

 

●  Tem  a duração de 12 minutos, com a participação dos 15 pilotos mais rápidos provenientes da Q2, lutando todos pela pole-position

Grosjean:  8º (1m13,349s)

Pole-Position:  Kimi Räikkönen da Scuderia Ferrari (1m12,178s)

Segundo:  Sebastian Vettel da Scuderia Ferrari (1m12,221s)

 

 

 

Os pilotos da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Kevin Magnussen, qualificaram-se em oitavo e decimo terceiro, respectivamente, para o Grande Prémio do Mónaco que se disputa no domingo, no Circuit de Monaco. Magnussen, porém, arrancará de décimo primeiro devido às penalizações na grelha de partida sofridas por Jenson Button e Stoffel Vandoorne. Button qualificou-se no nono posto, mas tem uma penalização de quinze lugares, ao passo que que Vandoorne qualificou-se no décimo posto, mas tem uma penalização de três posições.

 

Magnussen registou o nono crono na Q1 com uma volta de 1m13,531s ao circuito de 3,337 quilómetros e dezanove curvas. Grosjean ultrapassou um pião em Mirabeau (Curva 5), onde manteve o seu Haas VF-17 longe dos muros e fora do caminho dos outros carros. Acabou por conseguir registar o décimo segundo tempo com uma volta realizada em 1m13,786s. Ambos os pilotos avançaram para a Q2, uma vez que apenas os quinze mais rápidos da Q1 passam ao segundo segmento da qualificação.

 

Na Q2, Grosjean assegurou o sexto tempo, 1m13,203s. Magnussen parecia capaz de se juntar ao seu colega de equipa, até que um conjunto de factores conspiraram para o deixar no decimo terceiro lugar com a marca de 1m13,959s. Na sua última volta lançada da Q2, Magnussen foi prejudicado pelo Mercedes de Lewis Hamilton. Tudo ficou perdido quando surgiram duplas bandeiras amarelas, faltavam doze segundos para o final da sessão, depois de Vandoorne ter embatido no rail da Curva 15, quando descrevia o complexo das piscinas. Apenas os dez primeiros da Q2 passam para a Q3.

 

Na Q3 pela quinta vez como piloto da Haas F1 Team e terceira esta temporada, Grosjean assegurou a sua segunda melhor qualificação do ano. A sua melhor volta, 1m13m349s, colocou-o no oitavo posto, um lugar melhor que o seu resultado no Bahrein e a duas posições da sua melhor qualificação da temporada, o sexto posto que alcançou na prova de abertura, na Austrália.

 

Tanto Grosjean como Magnussen rodaram exclusivamente com pneus Pirelli P Zero Roxo/Ultramacio durante a qualificação. A Scuderia Ferrari monopolizou a primeira linha para o Grande Prémio do Mónaco. Kimi Raikkonen assinou a melhor volta de sempre no Mónaco, com uma marca de 1m12,178s, o que lhe valeu a pole-position e deixou o seu colega de equipa, Sebastian Vettel, a 0,043s. Esta é a décima sétima pole-position de Fórmula 1 da carreira de Kimi Raikkonen, mas sua primeira desde o Grande Prémio de França de 2008, que se realizou em Magny-Cours, há cento e vinte e oito corridas. É a primeira primeira linha da Ferrari desde o Grande Prémio do Mónaco de 2008, quando Felipe Massa assegurou a pole-position, batendo Kimi Raikkonen.

 

Antes da qualificação, Grosjean, Magnussen e o resto do pelotão de Fórmula 1 participaram na terceira sessão de treinos-livres com o intuito de afinaram os seus respectivos carros para realizar uma volta rápida à pista. Ambos os pilotos realizaram o mesmo programa ao longo da sessão de sessenta minutos, efectuando uma volta de instalação com pneus macios para depois mudarem para ultramacios, para simular a qualificação.

 

Magnussen assegurou o nono posto, ao marcar o seu tempo, 1m13,596s, na décima sexta de vinte e uma voltas. Grosjean completou vinte e três voltas e assegurou o seu registo, 1m14,547s, na décima segunda volta, o que o deixou no décimo sexto posto.

 

Vettel foi o mais rápido na terceira sessão, tendo o seu tempo, 1m12,395s, deixado o seu perseguidor, Raikkonen, a 0,345s.

 

 

 

“Foi uma boa sessão de qualificação. O carro estava um pouco imprevisível, mas eram os pneus. Estavam a funcionar, mas de repente deixaram de funcionar, tanto à frente como a trás. O carro estava a mudar a cada volta. Estava com algumas dificuldades, dado que gosto de ter um carro equilibrado e que consiga entender, mas acabei por conseguir fazer uma volta decente na Q1 e passei. Na Q2 realizei uma boa volta, os pneus funcionaram correctamente, mas na Q3 nem tudo funcionou bem com os pneus traseiras. Seja como for, estamos entre os dez primeiros, que era o que queríamos. É um bom lugar para começar a corrida.”

 

 

 

“Não consegui arranjar uma volta limpa na Q2. Tive tráfego na minha volta de saída, na primeira volta, na segunda volta e, depois, na quarta. Portanto, não consegui fazer qualquer volta limpa e essa não é a forma de passarmos à fase seguinte, mas o tráfego aqui é normal – muito típico no Mónaco. Ter apenas uma volta limpa na Q1 e na Q2 sem tráfego é muito azar. É aborrecido e frustrante, dado que estava satisfeito com o carro. Tínhamos o ritmo para termos um bom resultado. Poderíamos ter chegado à Q3. Olhando para todos os outros que foram desafortunados, poderia ser um bom resultado, mas foi assim. Vamos ver se conseguimos recuperar na corrida.”

 

 

 

“Foi um bom dia. Iniciar o Monte Carlo de oitavo e de décimo primeiro, tudo pode acontecer. Todo o fim-de-semana até à qualificação correu bem. Todos realizaram um trabalho fantástico, os pilotos, os mecânicos e os engenheiros. Estávamos bem preparados para a qualificação. O único infortúnio foi o Kevin ter encontrado muito tráfego. Nunca pôde dar o seu melhor, tinha o Q3 ao seu alcance, também. Mas já sabemos, o Mónaco é assim. Sabemos que seria difícil, portanto, por vezes vencemos outras perdemos. Amanhã, vamos dar o nosso máximo para terminarmos com ambos os carros entre os dez primeiros.”